Pular para o conteúdo principal

Crônicas e Poesias - Poética, por Nelson Lima

A linguagem humana tem sido empobrecida pela ausência da poesia. Sobretudo no meio dos adolescentes e jovens. 
Considerando que poesia é:
  • Gênero literário escrito em versos e estrofes que pode ou não conter rimas.
  • Código para relembrar textos que passam no pensamento de um escritor e não são “inteligentes” para qualquer leitor.
  • Falada ou escrita ela emociona quando encontra os 'achados' escondidos na língua geral, nos sons e sombras do tempo. A poesia é a ferramenta do escritor.
  • Poesia lírica é a poesia feita pelo poeta dizendo de seus sentimentos.
Esses dias estive pensando na Poesia minimalista, que é aquela composta com o mínimo de palavras possível. Acho que temos vivido num tempo em que sim, usamos bem poucas palavras e muitas interjeições e expressões vazias de sentimentos. Há muita zanga e protesto nas manifestações poéticas dos jovens e adolescentes – lembrando das exceções. 


poesia chomskiana explora os aspectos lúdicos da linguagem literária, aproximando seu estilo do nonsense e do surrealismo. Noam Chomsky é o filósofo e linguista autor da famosa frase "Ideias incolores verdes dormem furiosamente." que segundo sua teoria prova que qualquer falante reconhece frases mesmo que sem sentido devido a uma capacidade inata da linguagem no ser humano.
Poema chomskiano

Numerosas miragens de sinestésico sincretismo longamente ressoavam nervosas
por dentro das engrenagens flamejantes do espelho de curvas coloridas,
transbordantes e marulhentas, no mesmo momento em que borrascas ociosas também
esperavam paradoxais bandeiras aromáticas derreterem com espasmos suas sombras
macias e maçiças nos esconderijos dos roseirais gigantes que vagavam mergulhados nas bordas rasas do infinito difuso das janelas...
Que cada um tire suas conclusões.
Num mundo marcado pelo imediatismo e pelos artefatos da tecnologia microeletrônica, há poucos espaços para a imagem poética, necessariamente profunda e às vezes aparentemente sem utilidade. No entanto, os poetas são mais importantes que os desenvolvidos pelos criadores de tecnologia, que nos fazem fruir a vida, mas não nos ajuda a entendê-la.
No meio cristão, passamos pela mesma experiência. A poesia vem perdendo espaço, mantida por meio dos hinos, que também são um tipo de poesia. Nós somos um povo musical, como o de Israel o era, como nos lembra o profeta Amós: Vocês fazem músicas como fez o rei Davi e gostam de cantá-las com acompanhamento de harpas. (Amos 6.5)  
Não podemos, diante deste quadro, nos esquecer que a Bíblia é um livro de expressão poética. Se não entendermos esta sua característica, teremos dificuldade para ouvir Deus falando.
O salmo 1 não diz simples que a felicidade consiste em viver de forma reta diante de Deus, mas usa imagens para descrever os ímpios e para pintar os justos.
A pessoa temente a Deus não é uma árvore, mas é como se fosse, diz-nos a poesia.
O salmo 19 retrata a glória do Senhor com imagens poéticas majestosas:
Como o firmamento anuncia, se não tem boca? Como um dia discursa, se não tem língua? Como a natureza, que não tem som, faz ecoar a palavra de Deus? Como pôr uma tenda para o sol?
O salmo 23 é poesia pura, desde o princípio... O que é repousa em pastos verdejantes e ter um pastor, se não somos gado? O que é ser guiado pelas veredas da justiça? Como receber consolo de um bordão e de um cajado?
Estes poucos exemplos bastam para mostrar que não dá para entender alguns capítulos senão com a imaginação. Precisamos, portanto, de imaginação poética para fruir melhor a Bíblia. E porque não também os escritos poéticos de hoje em dia?
Nem todos precisamos ser poetas, mas todos precisamos de um pouco de imaginação poética para entender o que os poetas dizem. E precisamos colocar mais palavras, ao fazer ou dizer poesias. Embora, parece que lemos tão pouco que nos faltam palavras buriladas – lembrando que há exceções.

Falta poesia no viver político/partidário brasileiro...

Nelson Lima é teatrólogo e poeta

Comentários

Postar um comentário


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio