Pular para o conteúdo principal

Crônicas e Poesias - Poética, por Nelson Lima

A linguagem humana tem sido empobrecida pela ausência da poesia. Sobretudo no meio dos adolescentes e jovens. 
Considerando que poesia é:
  • Gênero literário escrito em versos e estrofes que pode ou não conter rimas.
  • Código para relembrar textos que passam no pensamento de um escritor e não são “inteligentes” para qualquer leitor.
  • Falada ou escrita ela emociona quando encontra os 'achados' escondidos na língua geral, nos sons e sombras do tempo. A poesia é a ferramenta do escritor.
  • Poesia lírica é a poesia feita pelo poeta dizendo de seus sentimentos.
Esses dias estive pensando na Poesia minimalista, que é aquela composta com o mínimo de palavras possível. Acho que temos vivido num tempo em que sim, usamos bem poucas palavras e muitas interjeições e expressões vazias de sentimentos. Há muita zanga e protesto nas manifestações poéticas dos jovens e adolescentes – lembrando das exceções. 


poesia chomskiana explora os aspectos lúdicos da linguagem literária, aproximando seu estilo do nonsense e do surrealismo. Noam Chomsky é o filósofo e linguista autor da famosa frase "Ideias incolores verdes dormem furiosamente." que segundo sua teoria prova que qualquer falante reconhece frases mesmo que sem sentido devido a uma capacidade inata da linguagem no ser humano.
Poema chomskiano

Numerosas miragens de sinestésico sincretismo longamente ressoavam nervosas
por dentro das engrenagens flamejantes do espelho de curvas coloridas,
transbordantes e marulhentas, no mesmo momento em que borrascas ociosas também
esperavam paradoxais bandeiras aromáticas derreterem com espasmos suas sombras
macias e maçiças nos esconderijos dos roseirais gigantes que vagavam mergulhados nas bordas rasas do infinito difuso das janelas...
Que cada um tire suas conclusões.
Num mundo marcado pelo imediatismo e pelos artefatos da tecnologia microeletrônica, há poucos espaços para a imagem poética, necessariamente profunda e às vezes aparentemente sem utilidade. No entanto, os poetas são mais importantes que os desenvolvidos pelos criadores de tecnologia, que nos fazem fruir a vida, mas não nos ajuda a entendê-la.
No meio cristão, passamos pela mesma experiência. A poesia vem perdendo espaço, mantida por meio dos hinos, que também são um tipo de poesia. Nós somos um povo musical, como o de Israel o era, como nos lembra o profeta Amós: Vocês fazem músicas como fez o rei Davi e gostam de cantá-las com acompanhamento de harpas. (Amos 6.5)  
Não podemos, diante deste quadro, nos esquecer que a Bíblia é um livro de expressão poética. Se não entendermos esta sua característica, teremos dificuldade para ouvir Deus falando.
O salmo 1 não diz simples que a felicidade consiste em viver de forma reta diante de Deus, mas usa imagens para descrever os ímpios e para pintar os justos.
A pessoa temente a Deus não é uma árvore, mas é como se fosse, diz-nos a poesia.
O salmo 19 retrata a glória do Senhor com imagens poéticas majestosas:
Como o firmamento anuncia, se não tem boca? Como um dia discursa, se não tem língua? Como a natureza, que não tem som, faz ecoar a palavra de Deus? Como pôr uma tenda para o sol?
O salmo 23 é poesia pura, desde o princípio... O que é repousa em pastos verdejantes e ter um pastor, se não somos gado? O que é ser guiado pelas veredas da justiça? Como receber consolo de um bordão e de um cajado?
Estes poucos exemplos bastam para mostrar que não dá para entender alguns capítulos senão com a imaginação. Precisamos, portanto, de imaginação poética para fruir melhor a Bíblia. E porque não também os escritos poéticos de hoje em dia?
Nem todos precisamos ser poetas, mas todos precisamos de um pouco de imaginação poética para entender o que os poetas dizem. E precisamos colocar mais palavras, ao fazer ou dizer poesias. Embora, parece que lemos tão pouco que nos faltam palavras buriladas – lembrando que há exceções.

Falta poesia no viver político/partidário brasileiro...

Nelson Lima é teatrólogo e poeta

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…