Pular para o conteúdo principal

Sem Aspas | A Consulta – por Amanda Rocha

Naquele manchado corredor de paredes pálidas, esperava. As lembranças fervilhavam em sua mente, decidiu quase que voluntariamente pousar num canto escuro de suas memórias. A razão aconselhava-a a esquecer, mas sua compulsão pela dor obrigava-a a recordar. Sim, esse sofrimento era-lhe tão comum e essencial que parecia certificar-lhe de que estava viva.



Da memória, os gritos eram tão audíveis quanto os daquela noite. Arrogante, desapegado, gestos abruptos que lançara ao chão todos os objetos postos à mesa para a janta que deveria ser especial, e foi, jamais esquecera. Seu peito ainda amargo, suas mãos ainda trêmulas, era um vício e como escapar disso? Nenhum detalhe perdido: as negações, a camisa azul marinho agora machada pelo vinho tinto português que respingara da taça de cristal por consequência dos gestos grotescos. O sapato marrom, mesmo tom do blazer importado; eram ambos parte dos presentes que recebera de sua amante, mas negava-lhe tudo. Gritava impondo-lhe o indicador e chamando-a transloucada. O tempo passara, até conseguia não chorar ao recordar, também já não lembrava o ano do ocorrido, mas as palavras... essas, não conseguia olvidar.

Assistia as histórias dos amigos sendo escritas e seus detalhes entalavam em sua própria história raízes pretéritas, fantasmas que lhe assombravam. Seu vestido florido, seu escarpam bege, o sobretudo verde lodo, seu novo corte de cabelo e o velho batom vermelho; contemplava uma escultura de Don Quijote de La Macha e ouvia Itzhak Perlman  enquanto aguardava-o. Não pressentira que descobriria naquela noite toda a verdade. Era sensível e geralmente previa quando algo ruim aconteceria, mas não foi assim naquela noite. Culpa-se, julgou-se desatenta, mas a realidade é que naquela noite esteve mais atenta como em toda a sua vida jamais estivera. Leu os seus olhos, seus gestos, o balbuciar de seus lábios, ali estava ele, réu, não confesso, não precisava afirmar absolutamente nada; embora negasse, as certezas dela deixavam-no descompassado, não dominava suas reações.

Ela não recorda o fim da discussão, mas as palavras que ouviu jamais esqueceu. Dali à frente escutou pedidos de perdão, mas eram tão baixos, quase que silenciosos; por mais que repetisse não soavam tão audíveis quanto as palavras de desprezo que ouvira. Decidiu acatar o perdão.

Decidi perdoar, preciso esquecer, mas como o farei se sua postura abrasa minha memória pondo-a em chamas e resgata as dores - pensava ela ainda ali naquele corredor.

- Ana Ludovico, sua vez - disse a assistente da médica tolhendo o momento de reflexão e dor e convidando-a a adentrar o consultório.

A indicação de leitura hoje é o conto A Missa do Galo, de Machado de Assis. Deus vos abençoe.


Amanda Rocha é professora e escritora.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio