Pular para o conteúdo principal

Sem Aspas | A Consulta – por Amanda Rocha

Naquele manchado corredor de paredes pálidas, esperava. As lembranças fervilhavam em sua mente, decidiu quase que voluntariamente pousar num canto escuro de suas memórias. A razão aconselhava-a a esquecer, mas sua compulsão pela dor obrigava-a a recordar. Sim, esse sofrimento era-lhe tão comum e essencial que parecia certificar-lhe de que estava viva.



Da memória, os gritos eram tão audíveis quanto os daquela noite. Arrogante, desapegado, gestos abruptos que lançara ao chão todos os objetos postos à mesa para a janta que deveria ser especial, e foi, jamais esquecera. Seu peito ainda amargo, suas mãos ainda trêmulas, era um vício e como escapar disso? Nenhum detalhe perdido: as negações, a camisa azul marinho agora machada pelo vinho tinto português que respingara da taça de cristal por consequência dos gestos grotescos. O sapato marrom, mesmo tom do blazer importado; eram ambos parte dos presentes que recebera de sua amante, mas negava-lhe tudo. Gritava impondo-lhe o indicador e chamando-a transloucada. O tempo passara, até conseguia não chorar ao recordar, também já não lembrava o ano do ocorrido, mas as palavras... essas, não conseguia olvidar.

Assistia as histórias dos amigos sendo escritas e seus detalhes entalavam em sua própria história raízes pretéritas, fantasmas que lhe assombravam. Seu vestido florido, seu escarpam bege, o sobretudo verde lodo, seu novo corte de cabelo e o velho batom vermelho; contemplava uma escultura de Don Quijote de La Macha e ouvia Itzhak Perlman  enquanto aguardava-o. Não pressentira que descobriria naquela noite toda a verdade. Era sensível e geralmente previa quando algo ruim aconteceria, mas não foi assim naquela noite. Culpa-se, julgou-se desatenta, mas a realidade é que naquela noite esteve mais atenta como em toda a sua vida jamais estivera. Leu os seus olhos, seus gestos, o balbuciar de seus lábios, ali estava ele, réu, não confesso, não precisava afirmar absolutamente nada; embora negasse, as certezas dela deixavam-no descompassado, não dominava suas reações.

Ela não recorda o fim da discussão, mas as palavras que ouviu jamais esqueceu. Dali à frente escutou pedidos de perdão, mas eram tão baixos, quase que silenciosos; por mais que repetisse não soavam tão audíveis quanto as palavras de desprezo que ouvira. Decidiu acatar o perdão.

Decidi perdoar, preciso esquecer, mas como o farei se sua postura abrasa minha memória pondo-a em chamas e resgata as dores - pensava ela ainda ali naquele corredor.

- Ana Ludovico, sua vez - disse a assistente da médica tolhendo o momento de reflexão e dor e convidando-a a adentrar o consultório.

A indicação de leitura hoje é o conto A Missa do Galo, de Machado de Assis. Deus vos abençoe.


Amanda Rocha é professora e escritora.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…