Pular para o conteúdo principal

Sem Aspas | Bolsonaro na ONU: ideologias, falácias e verdades – por Amanda Rocha

O sistema democrático é consolidado pela manifestação de ideias opostas; certamente, sem divergências e dúvidas uma sociedade não consegue evoluir inteiramente. Numa democracia representativa, a qual se almeja fortalecer plenamente no Brasil, as pessoas elegem para si representantes alinhados às suas ideologias, aos seus conceitos. Infelizmente, ainda se vislumbram vestígios de um período em que o voto de cabresto predominava; bem como, a era em que o voto servia como moeda de troca para interesses individuais. Utilizando as palavras do atual presidiário Luiz Inácio Lula da Silva: “o povo (brasileiro) pensa com a barriga”; logo, era assim que escolhia seus representantes. Esses infortúnios resultaram na eleição de indivíduos descompromissados com os interesses públicos e que trabalharam arduamente para enriquecer seus cofres e ampliar seu patrimônio, enquanto atacavam os valores e destruíam a ordem e o bem-estar social.

Felizmente essa mentalidade alienada tem sido decomposta; embora paulatinamente, percebe-se a ascensão de lideranças que alçaram a seus cargos sem o uso da compra de votos, sem a alienação ideológica, mas aproximando-se da população na defesa de valores e de objetivos políticos e econômicos. Os brasileiros estrearam uma caminhada pela implantação de políticas alinhadas aos seus anseios e ideais; e muitas dessas mudanças foram mediadas pelo avanço da tecnologia da informação e ampliação do uso das redes sociais. Durante as eleições de 2018 promoveu-se uma das maiores transformações: elegeram-se representantes completamente opostos às ideologias e práticas de políticos antecessores. Os brasileiros foram às urnas, munidos de um sentimento patriótico, clamando por mudanças, prontos para eleger nomes que viriam a reger o país conforme o pensamento da maioria. Com ênfase no respeito à democracia, e na promoção do desenvolvimento econômico, social, cultural, educacional, científico, enfim, dispostos a governar para fazer o país avançar.

Os discursos conservadores sobrepuseram-se aos progressistas, e seguem como numa onda crescente. O Brasil elegeu Jair Bolsonaro por identificar-se com suas preleções; sua reprovação às pautas de esquerda. Escolheu-o por estar enfadado com as falações repetitivas e vazias daqueles que por décadas detiveram o poder e fizeram o Brasil ruir. A população por anos silenciada e temerosa de expor o que acreditavam, tiveram suas ataduras desfeitas e advieram a exibir seus posicionamentos, agora sem temor de serem taxados por qualquer rótulo depreciativo: fascista, machista, racista, sexista. Esses termos têm pouco a pouco alçados a banalização, não pela denotação maldosa que professa, mas por seu uso descontextualizado, sua aplicação meramente como xingamentos sem relação com fatos concretos.

A oposição ataca de todas as maneiras possíveis; entretanto, estarrece que suas queixas reportem aos principais motivos pelo qual Bolsonaro foi eleito, ou seja, às críticas dos opositores direcionadas à sua gestão fortalecem a aliança que há entre ele e seus eleitores. O porte de armas, o efetivo combate à criminalidade, a aversão à implantação da ideologia de gênero na educação, as políticas ambientas e de proteção da Amazônia e dos povos indígenas, o redirecionamento da política de Direitos Humanos, privatizações, reformas impactantes, dentre tantos pontos polêmicos, reforçam seu compromisso de campanha e animam seus partidários, os quais aguardam do presidente a manutenção de sua postura firme, arredia aos contrapontos do conservadorismo e que realinhe o país no cenário internacional.

Discurso de Bolsonaro na ONU durou cerca de 30 minutos.
Foto: Alan Santos/PR


Com o advento da 74.ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, ocorrida em Nova Iorque, Estados Unidos, o presidente Bolsonaro causou desde antes de seu pronunciamento uma imensa expectativa. Seus opositores arquitetavam represálias numa nítida demonstração de intolerância à oposição de ideias, pois, quais mudanças legislativas ou qual negligência há do atual Governo Brasileiro quanto ao combate às queimadas na região amazônica? Esse questionamento faz-se pertinente uma vez que é um dos temas mais discutidos nas últimas semanas, e fora usado como justificativa para o Brasil não participar da Cúpula da Ação Climática, a qual teve entre seus palestrantes a China, o maior emissor de gás carbônico do mundo; isso é minimamente interrogativo. Essa postura revela o viés adotado impositivamente pela Organização: aos amigos, tudo, aos inimigos, a lei. Há pouco tempo, a Organização, através do Conselho de Direitos Humanos, posicionou-se contrário à prisão de Lula, mas não adotou postura enfática quanto aos problemas vivenciados na vizinha Venezuela ou em Cuba.

A ONU honrou os presidentes anteriores do Brasil, os quais proferiam um discurso alinhado aos seus propósitos, mas suas práticas revelaram a maior agressão já sofrida pelo meio ambiente no Brasil; a saber, durante o mandato de Dilma Rousseff o número de desmatamento foi dos maiores já registrados, contudo, o Brasil jamais sofreu uma represália por isso a tempo.

Ao cumprir a tradição de ser o primeiro país a discursar na Assembleia Geral da Organização das Nações unidas, Jair Bolsonaro estreou com um “Obrigado a Deus pela minha vida, pela missão de presidir o Brasil e pela oportunidade de reestabelecer a verdade que é importante para todos nós”, logo após, cumprimentou as autoridades presentes e seguiu afirmando que o “Brasil está sendo reconstruído a partir dos anseios e ideais de seu povo”, todavia, conforme previsto, as mídias de esquerda e parte dos políticos brasileiros trataram de tecer análises com o desígnio de desmerecer o importantíssimo e eloquente discurso do presidente; criticaram-no por demonstrar ao mundo que o povo brasileiro é predominantemente cristão. Nas matérias que sucederam ao discurso, tolheram as referências de gratidão a Deus, as citações bíblicas e o compromisso firmado para combater à intolerância religiosa.

O primeiro discurso de Bolsonaro foi também um dos mais enfáticos e relevantes de seus quase nove meses de gestão. Destemidamente delatou, diante dos propulsores, o globalismo e toda a sua cadeia de ataques à humanidade, os quais ocorrem, nas palavras do presidente: “disfarçados de boas intenções”. Denunciou as ditaduras cubana e venezuelana, a crise humanitária que há nesses países e afirmou que o Brasil não está disposto a financiá-las, como ocorria em governos anteriores, mas é imperativa a ajuda aos habitantes desses países, inclusive, mencionou que o Brasil tem recebido e concedido dignidade aos refugiados venezuelanos através da Operação Acolhida, realizada pelo Exército Brasileiro.

O presidente foi brando e ardente, comportou-se de modo que condiz a um chefe de estado, sem esmorecer, representando habilmente a todos os seus eleitores, representando o povo brasileiro. Apesar de sermos em maioria conservadores, as ideologias que predominam nos meios culturais, acadêmicos e midiáticos são liberais e por consequência a maior parte das críticas, que tentam ludibriar a opinião da população, entona perversidade e aversão, inclusive, questionando a veracidade dos fatos denunciados no discurso do brasileiro; essa estratégia é recorrente nos grupos de esquerda, negue, crie espantalhos, assim tornará louco quem os critica. Saliente-se que loucura é negar os horrores vividos em países socialistas; dizer que o Foro de São Paulo visa à democracia; recusar que a aplicação das teorias de ideologia de gênero provoca males inenarráveis em crianças por todo o mundo; desmentir que a corrupção tornou-se generalizada no Brasil; opor-se à soberania nacional, à proteção da Amazônia e o desenvolvimento sustentável.

 Bolsonaro respondeu elegantemente as tentativas de internacionalização da Amazônia, enfatizou que ela pertence aos brasileiros; expressou repúdio a atitude colonialista de Emmanuel Macron, e em um dado momento leu uma carta assinada por dezenas de etnias indígenas, as quais concediam representatividade à índia Ysani Kalapalo, membro da comitiva presidencial, repudiavam o líder internacional, o cacique Raoni Metuktire, e conferiam apoio às políticas ambientais do Governo brasileiro.

A questão ambiental predominou, como esperado, todavia, não deixou de mencionar com cheiro de super-herói o Ministro da Justiça e Segurança Pública, o ex-juiz Sérgio Moro, um dos responsáveis pelo desmonte da corrupção no país. Ainda aludiu às mudanças na política econômica, às reformas e privatizações. Defendeu a democracia, a liberdade, de expressão, religiosa e de imprensa. Aspectos fundamentais foram abordados pelo Brasil na ONU, ademais, o discurso recebeu o toque moderado de emoções; forma e conteúdo sintonizaram-se; as palavras agradaram investidores, apoiadores, posicionaram o Brasil no cenário internacional e, principalmente, revelaram a verdade que muitos negam ou rejeitam, mas sabem que é a verdade. E bem como mencionou Bolsonaro ao citar a passagem bíblica de João 8.32: E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. Deus abençoe o Brasil libertando-o das amarras e falácias ideológicas que ansiavam destruí-lo. Um novo Brasil inicia-se.
 

A indicação de livro hoje é A Nova Era e a Revolução Cultural. Fritjof Capra e Antônio Gramsci, de Olavo de Carvalho. Que Deus vos abençoe.




Amanda Rocha é escritora e professora

Comentários

  1. O presidente da República foi muito feliz em seu discurso ao atacar os inimigos da soberania do Brasil e defender nossas florestas.

    Levou consigo para o encontro internacional uma representante dos povos indígenas, indicada pelo governo que administra o país e referendada por dezenas de tribos que estão dentro do território nacional.

    Seu texto abordou partes importantes do discurso brasileiro na assembléia geral da ONU.

    Excelente texto! Meus parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Texto completo parabéns , realmente o discurso do presidente foi surpreendente .

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…