Pular para o conteúdo principal

Por Dentro do Polo | Repensando os Modelos de Negócios – por Jorge Xavier

Os modelos de negócios são fundamentalmente baseados na compra e venda de produtos. É preciso ir muito além e enxergar novas formas de geração de valor. No seguimento têxtil, isso significa que desapegar da venda como única forma de funcionamento faz parte do processo. “Nós precisamos sair de um modelo de venda de roupas, para um modelo de serviços”, o varejo está em crise e não sabe como seguir vendendo mais roupas, ao mesmo tempo, a economia compartilhada, que aposta no modelo de serviços, está projetada para aumentar de US $ 14 bilhões (R$ 56 bilhões) em 2014 para US $ 335 bilhões (R$ 1.3 trilhão) até 2025 e deve ser  tão grande quanto o varejo em 2022.


Essa mudança de mentalidade é geracional e impulsionada pelos mais jovens – entre os motivos está a conveniência dos serviços e o consumo sem culpa. “Os modelos de negócios orientados para a circularidade trarão incentivos para um melhor design, para melhor reusar e reciclar“.  Quando o produto é um ativo, sua gestão é feita de uma melhor forma”. Para os mercados do meio e de luxo é ainda mais simples porque são segmentos já com experiência em oferecer serviços. O fast fashion vai ter que aprender – e reposicionar o produto. “Os produtos do Pólo em geral também têm boa qualidade, o problema é que muitas vezes, eles são tratados como se não tivessem”.


É PRECISO IR DE UM PRODUTO À VENDA PARA UM PRODUTO COMO ATIVO DA EMPRESA. QUANDO O PRODUTO É UM ATIVO, SUA GESTÃO É FEITA DE UMA MELHOR FORMA

O estudo O Futuro da Moda Circular, um relatório colaborativo entre o Fashion For Good, iniciativa holandesa fundada pelo Instituto C&A, responsável por oferecer suporte a projetos e iniciativas que querem transformar a moda, e a Accenture Strategy, avaliou a viabilidade financeira de três modelos de negócio atuando na economia circular no nível das roupas: aluguel, aluguel por assinatura e revenda pela própria marca. Em suma, os resultados encontrados mostraram que “o aluguel parece ser muito atraente em segmentos de valor mais alto, já o aluguel por assinatura tem um potencial consistentemente forte, enquanto a revenda pelas próprias marcas parece ser o mais financeiramente atraente dos modelos analisados”. Além dos retornos financeiros diretos, há oportunidades adicionais. A pesquisa destaca o envolvimento com novos clientes e um aprofundamento nas relações entre marca e consumidor. Além disso, manter uma base de clientes engajados e aprender mais sobre seus hábitos de uso do produto pode ser uma vantagem estrutural de longo prazo sobre os modelos do varejo tradicional.

O mais importante a se observar é que, as mudanças estão chegando e cada vez mais rápidas, com a revolução tecnológica a indústria da moda precisa acompanhar essa evolução e a forma como iremos comercializar os nossos produtos. Afinal o consumidor está cada dia mais informado, antenado e consciente, então não basta oferecer o seu produto, esse novo público consumidor quer muito mais que uma simples compra, o que o cliente busca são experiências de compra, pois afinal produto todo mundo tem e se encontra em qualquer lugar, já experiência é diferente, é algo que marca e pode tornar o seu cliente em fã.



Jorge Xavier é empreendedr

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid