Pular para o conteúdo principal

Por Dentro do Polo | Repensando os Modelos de Negócios – por Jorge Xavier

Os modelos de negócios são fundamentalmente baseados na compra e venda de produtos. É preciso ir muito além e enxergar novas formas de geração de valor. No seguimento têxtil, isso significa que desapegar da venda como única forma de funcionamento faz parte do processo. “Nós precisamos sair de um modelo de venda de roupas, para um modelo de serviços”, o varejo está em crise e não sabe como seguir vendendo mais roupas, ao mesmo tempo, a economia compartilhada, que aposta no modelo de serviços, está projetada para aumentar de US $ 14 bilhões (R$ 56 bilhões) em 2014 para US $ 335 bilhões (R$ 1.3 trilhão) até 2025 e deve ser  tão grande quanto o varejo em 2022.


Essa mudança de mentalidade é geracional e impulsionada pelos mais jovens – entre os motivos está a conveniência dos serviços e o consumo sem culpa. “Os modelos de negócios orientados para a circularidade trarão incentivos para um melhor design, para melhor reusar e reciclar“.  Quando o produto é um ativo, sua gestão é feita de uma melhor forma”. Para os mercados do meio e de luxo é ainda mais simples porque são segmentos já com experiência em oferecer serviços. O fast fashion vai ter que aprender – e reposicionar o produto. “Os produtos do Pólo em geral também têm boa qualidade, o problema é que muitas vezes, eles são tratados como se não tivessem”.


É PRECISO IR DE UM PRODUTO À VENDA PARA UM PRODUTO COMO ATIVO DA EMPRESA. QUANDO O PRODUTO É UM ATIVO, SUA GESTÃO É FEITA DE UMA MELHOR FORMA

O estudo O Futuro da Moda Circular, um relatório colaborativo entre o Fashion For Good, iniciativa holandesa fundada pelo Instituto C&A, responsável por oferecer suporte a projetos e iniciativas que querem transformar a moda, e a Accenture Strategy, avaliou a viabilidade financeira de três modelos de negócio atuando na economia circular no nível das roupas: aluguel, aluguel por assinatura e revenda pela própria marca. Em suma, os resultados encontrados mostraram que “o aluguel parece ser muito atraente em segmentos de valor mais alto, já o aluguel por assinatura tem um potencial consistentemente forte, enquanto a revenda pelas próprias marcas parece ser o mais financeiramente atraente dos modelos analisados”. Além dos retornos financeiros diretos, há oportunidades adicionais. A pesquisa destaca o envolvimento com novos clientes e um aprofundamento nas relações entre marca e consumidor. Além disso, manter uma base de clientes engajados e aprender mais sobre seus hábitos de uso do produto pode ser uma vantagem estrutural de longo prazo sobre os modelos do varejo tradicional.

O mais importante a se observar é que, as mudanças estão chegando e cada vez mais rápidas, com a revolução tecnológica a indústria da moda precisa acompanhar essa evolução e a forma como iremos comercializar os nossos produtos. Afinal o consumidor está cada dia mais informado, antenado e consciente, então não basta oferecer o seu produto, esse novo público consumidor quer muito mais que uma simples compra, o que o cliente busca são experiências de compra, pois afinal produto todo mundo tem e se encontra em qualquer lugar, já experiência é diferente, é algo que marca e pode tornar o seu cliente em fã.



Jorge Xavier é empreendedr

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos.

A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores.
Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.



Como ajudar? As doaç…

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas.

Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas geraçõ…

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos.

A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados.
Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocupadas com…