Pular para o conteúdo principal

Por Dentro do Polo | Pesquisa de mercado mostra o comportamento do consumidor de vestuário - por Jorge Xavier

O IEMI - Inteligência de Mercado, acaba de lançar seu novo estudo sobre “Comportamento de Compra do Consumidor de Vestuário”, atualizando o estudo realizado em 2017.

Realizado em agosto deste ano, abordando o comportamento de compra de 1.250 consumidores de vestuário em sua última compra, de todas as faixas etárias, poder de compra e regiões, o novo estudo do IEMI - Inteligência de Mercado apresenta mudanças em relação à versão anterior, de 2017.

Dois anos atrás, o bom atendimento superava todos os requisitos na tomada de decisão. Já o estudo atual indica que os consumidores passaram a se preocupar principalmente com a questão de preços mais baixos e a variedade de produto por parte das lojas. O bom atendimento passou a ocupar a quarta posição em relevância.




“Este dado reflete a retração da economia nos últimos anos que obrigou os consumidores, especialmente das classes C e D, a reduzirem os gastos em geral”, analisa Marcelo Prado, diretor do IEMI.

Outra mudança foi o crescimento do e-commerce. Ainda que as lojas físicas predominem na comercialização de vestuário, sendo a opção preferida para 79% dos consumidores, 17% deles relataram ter realizado a sua última compra em uma loja online, contra 14% em 2017.

“Ainda que incipiente, o e-commerce vem ganhando participação crescente no setor”, acrescenta Prado.


Opção de compra
Dentre os consumidores que optaram pelo varejo físico, 50% deles realizaram sua última compra em shopping centers, havendo um leve aumento por esta preferência em relação à pesquisa de 2017, quando este índice era de 49%. Já a preferência por lojas de rua permaneceu igual, com 32% dos respondentes.

Mesmo após o período pós crise, o consumidor ainda está cuidadoso na retomada do consumo. Em geral, a frequência média de compra dos consumidores caiu de 6 para 5,6 compras por ano em relação à pesquisa de 2017. Exceto pelos consumidores da classe A, que aumentaram sua frequência de compra de 8 para 8,8 compras de vestuário por ano em média, nestes dois anos. Por outro lado, o consumidor está levando mais peças: média de 3,1 peças por compra contra 3 peças em 2017.

Motivações do consumidor
Dentre os principais motivos de compra, “substituir uma peça antiga” foi o mais indicado, por 22% dos consumidores, principalmente entre os homens, tendo 28% deles manifestado esta resposta. Esta motivação também foi a mais informada pelas mulheres (17% delas), porém, em menor número. Neste quesito, as mulheres mostraram-se mais engajadas às respostas emocionais, como: “queria me dar um presente” e “vontade de me sentir bonita ou bem vestida”.

Mais de 51% delas compraram influenciadas por estes tipos de motivações. Os homens por outro lado, se engajaram mais com motivações pragmáticas, como: “substituir uma peça antiga”, “uma festa ou um evento especial” e “comprei para dar de presente”. Cerca de 50% informou estes tipos de motivações.


Sobre o IEMI
O IEMI - Inteligência de Mercado foi criado em 1985 para atender a crescente demanda por dados numéricos e comportamentais relativos aos mercados das empresas e entidades de todos os tamanhos, bem como ajudar a sustentar o planejamento de suas ações. O IEMI tornou-se a principal fonte de informações para importantes setores da economia brasileira, como vestuário, têxtil, calçados, linha lar, móveis e colchões. Suas pesquisas de mercado e de comportamento oferecem diretrizes de futuro para as empresas.

Diante desse cenário, acredito que o nosso Polo de Confecções se destaca, visto que temos aqui produtos com preços excelentes e grande variedade, a região produz desde roupas para recém-nascido até peças de alfaiataria, passando pelo jeans, surf wear, moda feminina, etc... Agora é hora de aproveitar e caprichar na qualidade.




Jorge Xavier é empreendedor

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos.

A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores.
Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.



Como ajudar? As doaç…

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas.

Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas geraçõ…

Estímulo à leitura através da produção literária

Dentre os ofícios do professor, encontra-se o de conduzir os alunos ao universo das artes; ao professor de língua portuguesa, cujo objeto de estudo é a palavra, abordar a arte literária é fundante, nesse intuito, os professores da Escola de Referência em Ensino Médio Professor Lisboa, localizada no bairro da Cohab I, em Caruaru — Pernambucano promovem bimestralmente saraus literários com o foco no despertar da leitura e produção escrita de seus alunos. 



Anualmente, a escola realiza o Concurso de Redação Professora Fernanda Freitas (esse nome é homenagem póstuma a uma ex professora); o concurso elenca diversos gêneros textuais dentre literários e argumentativos; este ano, em sua quarta edição e com o tema “Pelos caminhos da leitura: descobertas do eu e do mundo” os alunos debruçar-se-ão nos gêneros: conto, crônica, dissertação-argumentativa, carta e/ou poesia.
Ademais do concurso, na manhã de premiação dos primeiros colocados em cada categoria, ocorre concomitantemente a publicação da An…