Pular para o conteúdo principal

Por Dentro do Polo | Pesquisa de mercado mostra o comportamento do consumidor de vestuário - por Jorge Xavier

O IEMI - Inteligência de Mercado, acaba de lançar seu novo estudo sobre “Comportamento de Compra do Consumidor de Vestuário”, atualizando o estudo realizado em 2017.

Realizado em agosto deste ano, abordando o comportamento de compra de 1.250 consumidores de vestuário em sua última compra, de todas as faixas etárias, poder de compra e regiões, o novo estudo do IEMI - Inteligência de Mercado apresenta mudanças em relação à versão anterior, de 2017.

Dois anos atrás, o bom atendimento superava todos os requisitos na tomada de decisão. Já o estudo atual indica que os consumidores passaram a se preocupar principalmente com a questão de preços mais baixos e a variedade de produto por parte das lojas. O bom atendimento passou a ocupar a quarta posição em relevância.




“Este dado reflete a retração da economia nos últimos anos que obrigou os consumidores, especialmente das classes C e D, a reduzirem os gastos em geral”, analisa Marcelo Prado, diretor do IEMI.

Outra mudança foi o crescimento do e-commerce. Ainda que as lojas físicas predominem na comercialização de vestuário, sendo a opção preferida para 79% dos consumidores, 17% deles relataram ter realizado a sua última compra em uma loja online, contra 14% em 2017.

“Ainda que incipiente, o e-commerce vem ganhando participação crescente no setor”, acrescenta Prado.


Opção de compra
Dentre os consumidores que optaram pelo varejo físico, 50% deles realizaram sua última compra em shopping centers, havendo um leve aumento por esta preferência em relação à pesquisa de 2017, quando este índice era de 49%. Já a preferência por lojas de rua permaneceu igual, com 32% dos respondentes.

Mesmo após o período pós crise, o consumidor ainda está cuidadoso na retomada do consumo. Em geral, a frequência média de compra dos consumidores caiu de 6 para 5,6 compras por ano em relação à pesquisa de 2017. Exceto pelos consumidores da classe A, que aumentaram sua frequência de compra de 8 para 8,8 compras de vestuário por ano em média, nestes dois anos. Por outro lado, o consumidor está levando mais peças: média de 3,1 peças por compra contra 3 peças em 2017.

Motivações do consumidor
Dentre os principais motivos de compra, “substituir uma peça antiga” foi o mais indicado, por 22% dos consumidores, principalmente entre os homens, tendo 28% deles manifestado esta resposta. Esta motivação também foi a mais informada pelas mulheres (17% delas), porém, em menor número. Neste quesito, as mulheres mostraram-se mais engajadas às respostas emocionais, como: “queria me dar um presente” e “vontade de me sentir bonita ou bem vestida”.

Mais de 51% delas compraram influenciadas por estes tipos de motivações. Os homens por outro lado, se engajaram mais com motivações pragmáticas, como: “substituir uma peça antiga”, “uma festa ou um evento especial” e “comprei para dar de presente”. Cerca de 50% informou estes tipos de motivações.


Sobre o IEMI
O IEMI - Inteligência de Mercado foi criado em 1985 para atender a crescente demanda por dados numéricos e comportamentais relativos aos mercados das empresas e entidades de todos os tamanhos, bem como ajudar a sustentar o planejamento de suas ações. O IEMI tornou-se a principal fonte de informações para importantes setores da economia brasileira, como vestuário, têxtil, calçados, linha lar, móveis e colchões. Suas pesquisas de mercado e de comportamento oferecem diretrizes de futuro para as empresas.

Diante desse cenário, acredito que o nosso Polo de Confecções se destaca, visto que temos aqui produtos com preços excelentes e grande variedade, a região produz desde roupas para recém-nascido até peças de alfaiataria, passando pelo jeans, surf wear, moda feminina, etc... Agora é hora de aproveitar e caprichar na qualidade.




Jorge Xavier é empreendedor

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid