Pular para o conteúdo principal

Nunca Subestime a má Liderança e o impacto de trabalhar em um Ambiente Tóxico - por Raimundo Ribeiro


Pessoas que amam e tem um bom trabalho, uma vez que não tem ao seu lado um líder confiável, serão pessoas infelizes no trabalho e precisam ter coragem para começar a planejar sua estratégia de saída.

"Qualquer semelhança com fatos ou situações da vida real terá sido mera coincidência". Por exemplo: Quando um líder comete um erro em uma estratégia ou projeto que estávamos trabalhando juntos e, em vez de reconhecer o erro e o sucesso em conjunto, ele diz que a culpa não é dele. Numa rápida pesquisa na internet, fiquei chocado e desapontado em perceber que esse e outros pontos abaixo são bem mais comuns e prejudiciais do que eu e você imaginamos.



Um líder ruim pode pegar uma boa equipe e destruí-la, fazendo com que os melhores funcionários fujam e o restante perca toda a motivação.

As pessoas não saem de maus empregos, elas deixam maus líderes que criam um ambiente de medo e dificulta o trabalho no dia a dia. Na maioria das vezes, um funcionário que tem um problema com uma empresa, é algo relacionado ao seu líder.

Líderes ruins podem influenciar até na vida particular de uma pessoa. Cuidado, falta de liderança pode ser prejudicial à saúde.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem
Estudos de universidades norte-americanas relacionaram a má liderança a prejuízos no ambiente de trabalho e vida pessoal dos colaboradores.

1) O ambiente se torna hostil. Uma liderança ruim é capaz de afetar todo o espírito da equipe. Um estudo da Universidade da Flórida revelou que comportamentos de fofoca e sabotagem se tornam comuns até entre os melhores colaboradores se eles se sentirem maltratados pela chefia.

2) A imagem externa da empresa fica prejudicada. A má atitude de um líder não afeta apenas os colaboradores, mas como a empresa é vista no mercado. Foi isso o que mostrou uma pesquisa da Universidade do Sul da Califórnia. Ao observar um clima hostil na empresa, é natural que os clientes façam generalizações negativas em relação ao ambiente de trabalho. Como consequência, é possível que não se sintam motivados a fechar contratos com a empresa.

3) A vida pessoal dos colaboradores é afetada. Ninguém é totalmente capaz de separar o que acontece no trabalho e em casa. Por isso, uma relação ruim pode impactar na vida familiar. Segundo um estudo da Universidade de Baylor, ter um líder abusivo – que faz uso de ameaças, críticas públicas e acessos de raiva, por exemplo – pode resultar em mais conflitos domésticos para os colaboradores.

4) A criatividade da equipe cai. Um estudo da Universidade da Florida revelou que as pessoas que atuam em ambientes estressantes são 30% menos criativas e apresentam ideias 25% a menos do que as que trabalham em ambientes agradáveis.

5) Pode aumentar o risco de doença cardíaca? Sim! O estresse e ansiedade causados por metas impraticáveis, falta de apoio, práticas desleais e ameaças de punição. Se o seu gerente não gosta de você, você está em um terreno instável. Altos níveis de estresse estão diretamente ligados ao estresse com a aterosclerose, a doença das artérias que, por sua vez, causa doenças cardíacas.

Trabalhar neste ambiente na verdade é mais um fator de risco para doenças cardíacas, combinado em não fazer exercícios ou estar acima do peso. Essa combinação eleva a chance de um trabalhador ter um ataque cardíaco em até 60%. Lembre-se: Faça sua parte cuidando do corpo e da mente.

Nunca subestime o impacto de trabalhar em um ambiente tóxico. Ele irá permear em todas as áreas da sua vida. Tente mudar para um emprego diferente na mesma empresa ou de empresa. Por outro lado, se você tiver um bom líder, aprecie-o. Bons líderes são capazes de levar uma organização e pessoas a novos patamares.

E aí, você está pronto para ser visto, reconhecido, atuar e assumir a responsabilidade de um líder de verdade?

Você passa metade da sua vida no trabalho e seu supervisor imediato determina o ambiente de trabalho. A vida é muito curta para passar mais de 40 horas por semana em constante estresse, infelicidade e insegurança. Lembre-se: Você como líder é responsável pelo ambiente de trabalho que quer para a sua equipe.


Raimundo Ribeiro é executivo de vendas, palestrante e educador

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio