Pular para o conteúdo principal

Artigo | Como 50 anos de divórcio sem justificativa deram origem à cultura do descarte - Daniel Davis


Há cinquenta anos, Ronald Reagan cometeu o que mais tarde ele admitiu ter sido um dos maiores erros de sua vida política. Como governador da Califórnia, ele sancionou uma lei que permitia o divórcio sem justificativa no estado.

A Califórnia foi o primeiro estado a tomar a medida, mas não o último. A assinatura de Reagan deu origem àquilo que se transformou numa revolução nacional do divórcio.

Em cinco anos, 44 estados fizeram a mesma coisa e aprovaram alguma forma de divórcio sem justificativa.



Muitos legisladores que fizeram pressão para a aprovação da medida tinham boas intenções. Na época, o divórcio era uma vergonha para o sistema legal. Como nenhum juiz encontrava “justificativa” para conceder o divórcio, os envolvidos geralmente faziam acusações falsas uns contra os outros, às vezes agindo em conluio para enganar o juiz e convencê-lo a dar o divórcio.

Claro que isso era um problema. Alguns advogados chamavam o sistema de “perjúrio institucionalizado”. Eles achavam que seria muito melhor diminuir as barreiras para o divórcio e, assim, eliminar o incentivo às alegações falsas.

Ainda assim, 50 anos mais tarde, o incentivo perverso ao perjúrio parece minúsculo se comparado com o desastre causado pela revolução do divórcio.

As consequências do divórcio sem justificativa não são um exagero. Foi como jogar uma bomba nuclear no ecossistema social do país – explosão que atingiu milhões de famílias e cuja consequência é pior do que poderíamos ter imaginado.

O efeito explosivo
Como era de se esperar, o país viu um aumento drástico nas taxas de divórcio depois da sanção das leis de divórcio sem justificativa. Entre 1960 e 1980, a taxa de divórcio mais do que dobro e permaneceu relativamente estável nos anos 1990.

A Geração X foi a primeira a sofrer os efeitos colaterais disso. Aproximadamente metade das crianças nascidas nos anos 1970 testemunharam o divórcio dos pais, um aumento estrondoso, já que essas crianças eram apenas 11% entre as nascidas nos anos 1950.

Duas dessas crianças da Geração X foram Tom DeLonge e Mark Hoppus. Mais tarde eles se tornaram cantores e o guitarrista e baixista, respectivamente, da popular banda punk Blink-182.

DeLonge e Hoppus nasceram na Califórnia de Reagan, nos anos 1970. No começo dos anos 1990, os dois sentiram o trauma do divórcio dos pais.

A canção “Stay Together for the Kids” [Fiquem juntos pelas crianças] captava o grito de uma geração desorientada com o divórcio. O clipe original da música mostrava uma bola de demolição destruindo uma casa — uma metáfora visual para o caos que o divórcio tinha gerado em seus lares.

DeLonge mais tarde explicou: “Você vê pelas estatísticas que 50% dos pais se divorciaram e você percebe que todo um grupo de crianças estavam com raiva e não concordavam com o que seus pais fizeram”.

Ele acrescentou: Essa é uma geração estragada? Sim, eu diria que sim”.

E o estrago continua. Todos os anos, um milhão de crianças norte-americanas veem seus pais se divorciarem. Metade de todas as crianças verão, em algum momento, seus pais se separarem. E o motivo mais comum para o divórcio? Falta de comprometimento, com 75%.

Pelo lado bom, a Geração X e os millennials parecem ter aprendido com seus pais e estão se divorciando menos. Entre 2008 e 2016, a taxa de divórcio na verdade caiu 18%.

Mas isso acontece porque, antes de mais nada, menos pessoas estão optando pelo casamento. Muitos millennials preferem morar juntos a se casarem – caminho que exclui o divórcio das opções.

Ironicamente, porém, a coabitação oferece menos segurança do que o casamento. Ela pode permitir que a pessoa tenha opções e elimina a batalha jurídica do divórcio, mas ao mesmo tempo dificulta o estabelecimento de uma relação de compromisso.

Evitando o casamento
Uma das marcas registradas de um país saudável e estável é a aplicabilidade dos contratos. Se duas pessoas assinam um contrato, uma delas não pode simplesmente descumpri-lo sem pagar pelas consequências.

Um contrato tem de ser firmado entre todos os envolvidos. De outro modo, ele não vale nada e as pessoas deixarão de assinar contratos.

O divórcio sem justificativa em essência anulou o contrato do casamento. Ele disse aos envolvidos que eles podiam quebrar suas promessas e se divorciar com base em “diferenças irreconciliáveis”.

Essas promessas derivam do entendimento que a sociedade tinha do casamento: uma realidade permanente que, uma vez imposta, assume um caráter transcendente que vai além dos caprichos humanos. Essa visão transcendente do casamento era a base de seu reconhecimento jurídico e os filhos resultantes da união tornavam sua estabilidade ainda mais importante.

Mas o divórcio sem justificativa rompe com essa ideia. Os votos maritais foram reduzidos a mera poesia para uma cerimônia romântica e perderam qualquer substância jurídica.

Para fins legais, “até que a morte os separe” se transformou em “até que nenhum dos dois mude de ideia”. Os cônjuges não dependem mais dos tribunais para fazer valer os votos matrimoniais porque, juridicamente, o casamento agora é algo distinto desses votos.

As pessoas geralmente acham que o casamento entre pessoas do mesmo sexo é o grande Rubicão que mudou a visão dos Estados Unidos quanto ao casamento para sempre. Não é verdade.

O divórcio sem justificativa é que marca a ruptura na nossa ideia de casamento. O casamento entre pessoas do mesmo sexo foi apenas a mais recente mutação numa instituição já destituída de seu sentido original.

Os millennials percebem isso ao rejeitarem o casamento. Eles o veem como a contradição em que se tornou. É melhor se juntar e não fazer promessas, pensam eles, do que fazer promessas que não se pode cumprir.

Pense na cultura do descarte
O divórcio fácil faz parte do que o Papa Francisco chama de “cultura do descarte”. Jogamos fora lixo, bebês e cônjuges indesejados. Assim é a vida numa cultura que rejeita o transcendente, a ideia de que temos deveres para com os outros por sermos seres humanos – e por pertencermos ao nosso mundo.

Essa cultura do descarte é consequência do que há de mais nocivo na religião contemporânea, isto é, a autorrealização. O credo do nosso tempo é o de que a felicidade privada da pessoa e sua autorrealização são seus maiores bens. Crianças, fetos e cônjuges que deixamos de amar devem se curvar à nossa busca pessoal pela felicidade.

Mas essa ideia contemporânea é uma demonstração de fraqueza.

Apesar de todo o nosso desencanto secular, ainda ansiamos por transcendência e pela transcendência propiciada pelo casamento. Queremos ter laços impossíveis de serem rompidos.

Como seres espirituais, queremos a solidariedade e a buscamos até mesmo em políticos de 77 anos que prometem “unir as pessoas”.

O divórcio sem justificativa nos faz buscarmos permanência e transcendência nos lugares errados. A ironia é que, apesar de muitos entre nós denunciarmos a destruição do casamento, ainda não está claro se estamos dispostos a realinhar nossos valores a fim de reconstruir o que foi destruído.

Para quem está disposto, a solução está disponível. Devemos começar a valorizar a fidelidade nos relacionamentos, e não nossos inatingíveis desejos de autorrealização.

Mudanças jurídicas para impedir o divórcio sem justificativa também devem surgir, mas, acima de tudo, precisamos de uma cultura que valorize a fidelidade – que rejeite a infidelidade. Cônjuges que buscar o divórcio com justificativas fracas precisam de um obstáculo em seu caminho, um obstáculo que não seja apenas jurídico, mas também cultural. Quebrar nossas promessas deveria ter um custo social.

A fidelidade é a única coisa forte o bastante para reconstruir as bases da nossa sociedade. É o que a Bíblia chama de “pacto de fé” e que, no longo prazo, é a coisa mais bela da vida à nossa disposição.

É ainda a coisa mais recompensadora, porque a felicidade autocentrada é uma tolice. Não encontramos felicidade ao criarmos nossa própria realidade, e sim encontrando nosso lugar de direito dentro da realidade.

É muito mais fácil destruir do que criar do nada e manter uma relação. Vivemos as consequências de 50 anos de destruição desses laços e agora cabe a nós reconstruí-los.

Talvez o ato mais heroico da juventude norte-americana no século XXI seja exercer um papel pequeno, mas importante, no esforço de reconstrução do casamento – casar-se e se apegar a um cônjuge até que a morte os separe.

Daniel Davis é editor de opinião do Daily Signal e coapresentador do podcast Daily Signal.


Fonte: Gazeta do Povo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…