Pular para o conteúdo principal

Artigo | Como 50 anos de divórcio sem justificativa deram origem à cultura do descarte - Daniel Davis


Há cinquenta anos, Ronald Reagan cometeu o que mais tarde ele admitiu ter sido um dos maiores erros de sua vida política. Como governador da Califórnia, ele sancionou uma lei que permitia o divórcio sem justificativa no estado.

A Califórnia foi o primeiro estado a tomar a medida, mas não o último. A assinatura de Reagan deu origem àquilo que se transformou numa revolução nacional do divórcio.

Em cinco anos, 44 estados fizeram a mesma coisa e aprovaram alguma forma de divórcio sem justificativa.



Muitos legisladores que fizeram pressão para a aprovação da medida tinham boas intenções. Na época, o divórcio era uma vergonha para o sistema legal. Como nenhum juiz encontrava “justificativa” para conceder o divórcio, os envolvidos geralmente faziam acusações falsas uns contra os outros, às vezes agindo em conluio para enganar o juiz e convencê-lo a dar o divórcio.

Claro que isso era um problema. Alguns advogados chamavam o sistema de “perjúrio institucionalizado”. Eles achavam que seria muito melhor diminuir as barreiras para o divórcio e, assim, eliminar o incentivo às alegações falsas.

Ainda assim, 50 anos mais tarde, o incentivo perverso ao perjúrio parece minúsculo se comparado com o desastre causado pela revolução do divórcio.

As consequências do divórcio sem justificativa não são um exagero. Foi como jogar uma bomba nuclear no ecossistema social do país – explosão que atingiu milhões de famílias e cuja consequência é pior do que poderíamos ter imaginado.

O efeito explosivo
Como era de se esperar, o país viu um aumento drástico nas taxas de divórcio depois da sanção das leis de divórcio sem justificativa. Entre 1960 e 1980, a taxa de divórcio mais do que dobro e permaneceu relativamente estável nos anos 1990.

A Geração X foi a primeira a sofrer os efeitos colaterais disso. Aproximadamente metade das crianças nascidas nos anos 1970 testemunharam o divórcio dos pais, um aumento estrondoso, já que essas crianças eram apenas 11% entre as nascidas nos anos 1950.

Duas dessas crianças da Geração X foram Tom DeLonge e Mark Hoppus. Mais tarde eles se tornaram cantores e o guitarrista e baixista, respectivamente, da popular banda punk Blink-182.

DeLonge e Hoppus nasceram na Califórnia de Reagan, nos anos 1970. No começo dos anos 1990, os dois sentiram o trauma do divórcio dos pais.

A canção “Stay Together for the Kids” [Fiquem juntos pelas crianças] captava o grito de uma geração desorientada com o divórcio. O clipe original da música mostrava uma bola de demolição destruindo uma casa — uma metáfora visual para o caos que o divórcio tinha gerado em seus lares.

DeLonge mais tarde explicou: “Você vê pelas estatísticas que 50% dos pais se divorciaram e você percebe que todo um grupo de crianças estavam com raiva e não concordavam com o que seus pais fizeram”.

Ele acrescentou: Essa é uma geração estragada? Sim, eu diria que sim”.

E o estrago continua. Todos os anos, um milhão de crianças norte-americanas veem seus pais se divorciarem. Metade de todas as crianças verão, em algum momento, seus pais se separarem. E o motivo mais comum para o divórcio? Falta de comprometimento, com 75%.

Pelo lado bom, a Geração X e os millennials parecem ter aprendido com seus pais e estão se divorciando menos. Entre 2008 e 2016, a taxa de divórcio na verdade caiu 18%.

Mas isso acontece porque, antes de mais nada, menos pessoas estão optando pelo casamento. Muitos millennials preferem morar juntos a se casarem – caminho que exclui o divórcio das opções.

Ironicamente, porém, a coabitação oferece menos segurança do que o casamento. Ela pode permitir que a pessoa tenha opções e elimina a batalha jurídica do divórcio, mas ao mesmo tempo dificulta o estabelecimento de uma relação de compromisso.

Evitando o casamento
Uma das marcas registradas de um país saudável e estável é a aplicabilidade dos contratos. Se duas pessoas assinam um contrato, uma delas não pode simplesmente descumpri-lo sem pagar pelas consequências.

Um contrato tem de ser firmado entre todos os envolvidos. De outro modo, ele não vale nada e as pessoas deixarão de assinar contratos.

O divórcio sem justificativa em essência anulou o contrato do casamento. Ele disse aos envolvidos que eles podiam quebrar suas promessas e se divorciar com base em “diferenças irreconciliáveis”.

Essas promessas derivam do entendimento que a sociedade tinha do casamento: uma realidade permanente que, uma vez imposta, assume um caráter transcendente que vai além dos caprichos humanos. Essa visão transcendente do casamento era a base de seu reconhecimento jurídico e os filhos resultantes da união tornavam sua estabilidade ainda mais importante.

Mas o divórcio sem justificativa rompe com essa ideia. Os votos maritais foram reduzidos a mera poesia para uma cerimônia romântica e perderam qualquer substância jurídica.

Para fins legais, “até que a morte os separe” se transformou em “até que nenhum dos dois mude de ideia”. Os cônjuges não dependem mais dos tribunais para fazer valer os votos matrimoniais porque, juridicamente, o casamento agora é algo distinto desses votos.

As pessoas geralmente acham que o casamento entre pessoas do mesmo sexo é o grande Rubicão que mudou a visão dos Estados Unidos quanto ao casamento para sempre. Não é verdade.

O divórcio sem justificativa é que marca a ruptura na nossa ideia de casamento. O casamento entre pessoas do mesmo sexo foi apenas a mais recente mutação numa instituição já destituída de seu sentido original.

Os millennials percebem isso ao rejeitarem o casamento. Eles o veem como a contradição em que se tornou. É melhor se juntar e não fazer promessas, pensam eles, do que fazer promessas que não se pode cumprir.

Pense na cultura do descarte
O divórcio fácil faz parte do que o Papa Francisco chama de “cultura do descarte”. Jogamos fora lixo, bebês e cônjuges indesejados. Assim é a vida numa cultura que rejeita o transcendente, a ideia de que temos deveres para com os outros por sermos seres humanos – e por pertencermos ao nosso mundo.

Essa cultura do descarte é consequência do que há de mais nocivo na religião contemporânea, isto é, a autorrealização. O credo do nosso tempo é o de que a felicidade privada da pessoa e sua autorrealização são seus maiores bens. Crianças, fetos e cônjuges que deixamos de amar devem se curvar à nossa busca pessoal pela felicidade.

Mas essa ideia contemporânea é uma demonstração de fraqueza.

Apesar de todo o nosso desencanto secular, ainda ansiamos por transcendência e pela transcendência propiciada pelo casamento. Queremos ter laços impossíveis de serem rompidos.

Como seres espirituais, queremos a solidariedade e a buscamos até mesmo em políticos de 77 anos que prometem “unir as pessoas”.

O divórcio sem justificativa nos faz buscarmos permanência e transcendência nos lugares errados. A ironia é que, apesar de muitos entre nós denunciarmos a destruição do casamento, ainda não está claro se estamos dispostos a realinhar nossos valores a fim de reconstruir o que foi destruído.

Para quem está disposto, a solução está disponível. Devemos começar a valorizar a fidelidade nos relacionamentos, e não nossos inatingíveis desejos de autorrealização.

Mudanças jurídicas para impedir o divórcio sem justificativa também devem surgir, mas, acima de tudo, precisamos de uma cultura que valorize a fidelidade – que rejeite a infidelidade. Cônjuges que buscar o divórcio com justificativas fracas precisam de um obstáculo em seu caminho, um obstáculo que não seja apenas jurídico, mas também cultural. Quebrar nossas promessas deveria ter um custo social.

A fidelidade é a única coisa forte o bastante para reconstruir as bases da nossa sociedade. É o que a Bíblia chama de “pacto de fé” e que, no longo prazo, é a coisa mais bela da vida à nossa disposição.

É ainda a coisa mais recompensadora, porque a felicidade autocentrada é uma tolice. Não encontramos felicidade ao criarmos nossa própria realidade, e sim encontrando nosso lugar de direito dentro da realidade.

É muito mais fácil destruir do que criar do nada e manter uma relação. Vivemos as consequências de 50 anos de destruição desses laços e agora cabe a nós reconstruí-los.

Talvez o ato mais heroico da juventude norte-americana no século XXI seja exercer um papel pequeno, mas importante, no esforço de reconstrução do casamento – casar-se e se apegar a um cônjuge até que a morte os separe.

Daniel Davis é editor de opinião do Daily Signal e coapresentador do podcast Daily Signal.


Fonte: Gazeta do Povo

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid