Pular para o conteúdo principal

Altos Papos | Para pessoas rasas, é impossível ser profundo – por Davi Geffson


Quem nunca pegou um livro e fez uma avaliação apenas ao observar a capa? Pois é, certamente, você foi uma dessas pessoas que depositou um juízo de valor á uma obra sem nem sequer ler a sinopse. Se pararmos para pensar agimos dessa maneira todos os dias, sempre existe algo que não sabemos, mas que teimamos em opinar como se conhecêssemos.

Em uma sociedade remota, parar para analisar o que há dentro é uma “perca de tempo”, é ficar um passo atrás, entretanto, a leitura superficial não nos deixa enxerga o que há de extraordinário, é por isso que muitas vezes somos taxados como sendo “pouca coisa”, mas é claro, para pessoas rasas é impossível ser profundo.



Você é um “livro”, nós somos “livros”, somos obras com capa, sinopse e história, os vivos sem fim determinado, os mortos com suas histórias concluídas, porém, não estáticas, sempre vivas e ensinando aos vivos. Conhecer esse livro, que somos, não se pode fazendo uma leitura só da capa, até porque tem capa que não tem nada a ver com a história que se encontra no interior.

Por isso, ao ser avaliado por alguém, não se reprima, principalmente, por aqueles que só veem o que está por fora, quem não quer ler a história, fica apenas nas suposições, nos “achismos”, escravos e perdidos no “se”. Continue sua história, talvez o início ou o momento em que vive não seja o melhor ou aquilo que desejas, porém, é a sua história, no fim, tudo fará sentido, não pare de escrevê-la. Quando aos leitores, que façam suas análises, somos apenas protagonistas entre coadjuvantes.

A capa pode enganar,
Pois não diz tudo que tem
Quem da história se abstém
Não deveria opinar,
Deveria, sim, calar
E buscar a consistência
Agindo com a prudência
De primeiro conhecer
Para ao outro poder ver
Com os olhos da consciência


Pense nisso!



Davi Geffson é mercadólogo e estudante de Letras

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos.

A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores.
Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.



Como ajudar? As doaç…

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas.

Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas geraçõ…

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos.

A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados.
Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocupadas com…