Pular para o conteúdo principal

Altos Papos | Para pessoas rasas, é impossível ser profundo – por Davi Geffson


Quem nunca pegou um livro e fez uma avaliação apenas ao observar a capa? Pois é, certamente, você foi uma dessas pessoas que depositou um juízo de valor á uma obra sem nem sequer ler a sinopse. Se pararmos para pensar agimos dessa maneira todos os dias, sempre existe algo que não sabemos, mas que teimamos em opinar como se conhecêssemos.

Em uma sociedade remota, parar para analisar o que há dentro é uma “perca de tempo”, é ficar um passo atrás, entretanto, a leitura superficial não nos deixa enxerga o que há de extraordinário, é por isso que muitas vezes somos taxados como sendo “pouca coisa”, mas é claro, para pessoas rasas é impossível ser profundo.



Você é um “livro”, nós somos “livros”, somos obras com capa, sinopse e história, os vivos sem fim determinado, os mortos com suas histórias concluídas, porém, não estáticas, sempre vivas e ensinando aos vivos. Conhecer esse livro, que somos, não se pode fazendo uma leitura só da capa, até porque tem capa que não tem nada a ver com a história que se encontra no interior.

Por isso, ao ser avaliado por alguém, não se reprima, principalmente, por aqueles que só veem o que está por fora, quem não quer ler a história, fica apenas nas suposições, nos “achismos”, escravos e perdidos no “se”. Continue sua história, talvez o início ou o momento em que vive não seja o melhor ou aquilo que desejas, porém, é a sua história, no fim, tudo fará sentido, não pare de escrevê-la. Quando aos leitores, que façam suas análises, somos apenas protagonistas entre coadjuvantes.

A capa pode enganar,
Pois não diz tudo que tem
Quem da história se abstém
Não deveria opinar,
Deveria, sim, calar
E buscar a consistência
Agindo com a prudência
De primeiro conhecer
Para ao outro poder ver
Com os olhos da consciência


Pense nisso!



Davi Geffson é mercadólogo e estudante de Letras

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio