Pular para o conteúdo principal

Sem Aspas | Uma luta. O alvo? O Domínio Próprio - por Amanda Rocha

A imensidão de prazer encontrado na satisfação de nossa matéria só pode ser confrontada com a certeza das promessas de vida eterna concedida pelo misericordioso Deus, que age com infinita graça e aplaca sua ira sobre nós. O homem entregou-se a si mesmo, destarte, tornou-se vulnerável. Naufragou nos males resultantes da ausência do Criador, volveu-se um prisioneiro de seus instintos, sobretudo, de suas paixões. Este homem recusa a graça, regozija-se em prazeres efêmeros, embriaga-se de arrependimento e dores com aparência de infinito e, sim, o são. 

Sem fim serão as dores e o febril arrependimento que decorre da falta de luta contra a própria natureza. Negar-se a si mesmo parece revestir-se de objetivos quase que inatingíveis quando uma população imensa e monstruosa incita a complacência com a ausência de pudor, de valores. São amantes do doar-se aos desejos, despreocupados com as consequências. 



A racionalidade se esvai e o homem decide, sem análise, sem consultar o autor de sua história, tomar a pena e escrever impulsivamente seu caminho e trilhá-lo cegamente, entretanto, apontará o ser Divino, que hoje ignora, quando a lei da semeadura se fizer executável e, então, colherá o dolente. Erguerá o indicador, uma vez que é incapaz de olhar para si e reconhecer que as ações impulsionadoras foram suas. Reclamará o porquê da existência de Deus permitir que tamanho mal lhe sobrevenha, mas é, desde já, incapaz de reconhecer sua contribuição.

A entrega ordinária às paixões revela o que há de mais execrável em nós mesmos, desconhecemo-nos e pomo-nos assustados com nossas ações. Em oposição, o amor verdadeiro explora a moderação, embora analise os defeitos de caráter, continua a admirar o que há de belo e transcendente no ser amado. Não há insanidade nisso, o amor apenas escolhe enfatizar e estimular o bem, a beleza, mas nesse instante falo apenas do amor Eros ou Philos, os quais ainda distam do perfeito e puro amor: o Ágape, pois, esse último é agente transformador, vislumbra os males e expurga-os para tornar o ser amado uma nova criatura.

Negar as próprias ambições é das maiores dificuldades que se enfrenta. Submeter-se à vontade do Ser Sublime que não se pode vislumbrar, se não por olhos espirituais, é dos maiores desafios. Somos induzidos por nosso interior a lutar por uma superioridade ante nossos opositores, mas a lógica divina é inversa, e convida-nos à humilhação, todavia, é nesse submeter-se ao outro que encontraremos exaltação, ou seja, é subordinando nossos impulsos ao caráter divino que eles serão moldados. 

A submissão aprimora-nos, porém essa tarefa é árdua. Há uma luta entre o que sabemos que devemos fazer e o que de fato queremos ou fazemos, assim, não poucas às vezes nossos discursos tornam-se hipócritas. O certo, o bem estão cravados em nossa mente, contudo, o palpitar de nossos íntimos desejos querem se aventurar em desafios que estimulam a perda. Perdemo-nos, desconhecemo-nos e confrontamos os paradoxos que nos habitam numa mistura insana que não culmina em moderação, no entanto, em provocações que só podem ser perpassadas com a doação absoluta ao Deus que nos gerou para si e molda-nos conforme sua vontade. Moldados, já não viveremos em nós mesmos, mas Cristo viverá em nós.

A indicação de livro hoje é Espirito Santo, de Billy Graham. Que Deus vos abençoe.


Amanda Rocha é professora e escritora

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…