Pular para o conteúdo principal

Sem Aspas | Homens de coragem e que busquem a Verdade, quem os achará? – por Amanda Rocha


Vive-se sob a égide de discursos pseudointelectuais, esvaziados da verdade, eivados de sofismas e submissos aos desejos mais infames de determinados grupos que impõem suas vontades à maioria com preleção abraçada pelo vitimismo. É uma época avessa à veracidade, na qual é preciso despir-se de todo conhecimento e conceito de fé cristã para que se encontre digno de análise e galgue os aplausos da Academia. São dias maus, todavia, são justamente nesses dias que Deus age através de pessoas que enfrentam os seus medos e colocam-se ao lado da verdade, ainda que isso lhe custe a própria vida.
A seguir, a leitura do texto do teólogo e cientista político, Heuring Motta, publicado originalmente no site Opinião Crítica, aos três de agosto, com o título: John Knox: aos inimigos da verdade.



''Pois virá o tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, sentindo coceira nos ouvidos, segundo os seus próprios desejos juntarão mestres para si mesmos.'', (2 Timóteo 4:3).

O casamento da rainha Maria com o Lorde Darnley aconteceu em 1565, quando ele foi proclamado rei. O jovem rei ficava entre dois mundos: romanistas e protestantes, conforme a ''conveniência''. Claro, por medo da rainha ele frequentava as missas com ela. Em 19 de agosto de 1565, o rei foi visitar a Igreja de São Giles em Edimburgo, Escócia, sentando-se no trono que tinha sido preparado para sua recepção.

Neste dia o pregador era John Knox. O tema da mensagem: ''Os Inimigos da Verdade'' - texto base Isaías 26.13-21. Em determinado ponto do sermão, Knox olhou para o rei e disse: ''Deus puniu Acabe porque não corrigiu sua mulher idólatra, Jezabel''. O rei tomou para si a aplicação e neste dia foi para casa irado com a rainha, nem jantou com ela. Claro, os papistas que o tinham acompanhado neste culto, inflamaram o ressentimento da rainha.

Esta narrativa histórica é um documento chamado de 'Fifth Book of the History of the Reformation' - registra a força de um homem por temer o seu Senhor. A coragem de John Knox me faz pensar profundamente na geração de pastores que virão, se é que será possível contemplar as próximas. Ele tinha um senso profundo da glória de Deus e um amor destemido pela verdade.

Claro, os homens não são iguais e não existe nenhuma meta para ser neste plano. Acontece que a coragem para expor o erro através da verdade das escrituras vem caindo aceleradamente desde o início do século XX até o presente momento. Até mesmo aqueles comprometidos com a teologia bíblica, com as confissões e a reforma, estão educadinhos demais.

Falta um senso profundo da beleza de Deus, falta um amor reverencial pela verdade, falta ousadia para expor os caminhos corruptos das políticas que são realizadas nas sombras por nossas convenções, concílios e sínodos. Esta coragem natural de cruz fragmentou-se em pequenos e suaves conselhos que visam pacificar o ambiente. John Knox tinha este senso de amor pela glória de Deus e de entrega pessoal a cruz. Não pensou duas vezes em expor o pecado do rei Darnley, um rei liderado por uma mulher e que o acorrentava na idolatria romanista.

Hoje existem muitas preocupações em não ferir os sentimentos, em não julgar, de não ser uma boa estratégia, de não falar no inferno e não tocar no pecado da Igreja e nem dos pastores. Naquele dia de 19 de agosto de 1565 na Igreja de São Giles John Knox não temeu a morte, porque estava comprometido com este senso da beleza e Deus que também traz para si o senso de podridão e de morte, mas também pureza espiritual que o faz denunciar não somente seu estado real como de todos ao seu redor.

Precisamos urgentemente que o Deus de John Knox visite nossa geração e desperte verdadeiros pastores comprometidos com a coragem dos profetas, a verdade dos apóstolos e olhos fixos na Pedra Angular.

Soli Deo Gloria

Após esse agradável texto, a indicação de leitura é o sermão Aos Inimigos da Verdade, de John Knox. Deus vos abençoe.



Amanda Rocha é professora e escritora.

Comentários

  1. Enquanto o homem não levar pra cruz a sua natureza Adâmica, continuará sendo um morto-vivo, buscando a "sua" verdade através de justiça própria e satisfazendo sua natureza decaída e podre. Como um 'estandarte' do seu próprio inimigo, levado às passarelas dos alienados da Graça...
    Graça que liberta e ressuscita-o pra Verdade.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…