Pular para o conteúdo principal

Sem Aspas | Evangélicos e traficantes? Há algum erro nisso? – por Amanda Rocha

A (des)ocupação da imprensa brasileira se reduz a níveis execráveis. Ignoram completamente todos os dados internacionais, tais como o da instituição Portas Abertas, que aponta que a religião cristã é a mais perseguida em todo o mundo, galgando o assustador número de 250 milhões de mortos por ano e outros incontáveis que vivem sob perseguição extrema por declararem-se adeptos dos ensinamentos de Cristo e, ainda, há milhares que vivem em países ditos democráticos, no entanto, sofrem discriminação com respaldo jurídico ou meramente de cunho ideológico por grupos que dizem defender minorias, mas ignoram a lógica, a ciência, para calarem o discurso que contraria suas ações fundamentadas em desejos que se desvirtuam do Evangelho de Cristo e dos valores morais da sociedade ocidental. 


Durante o encontro que tratou do avanço da liberdade religiosa, realizado pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos, em Washington, ainda no mês de julho do corrente, a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, afirmou que “Não dá mais para admitir a perseguição e morte de tantos cristãos no mundo”. Após o protesto de Damares, a imprensa brasileira logo tratou de reduzir a importância da denúncia e declarou que ela estava tirando “da cartola a lorota da perseguição a evangélicos”. Para muitos da imprensa essas declarações devem ser tratadas como falsas, pois, corre-se o risco de arruinarem o plano sórdido de muitos interessados na aniquilação desse grupo religioso, o qual mantém firme a base de conceitos e valores que garantem a sustentação de nossa cultura.

Recentemente, essa imprensa tendenciosa e arbitrária deu continuidade ao que fazem com presteza: manipular dados e perseguir cristãos. Matérias publicadas em diversos sites de grande circulação no país associaram traficantes a evangélicos. O grupo intitulado de ‘Bonde de Jesus’, seria formado por convertidos, liderados por um pastor, e por tal razão, perseguiam adeptos de religiões de matriz africana, e praticavam violência contra espaços e objetos de cultos, além de impedir que pessoas circulassem dentro de certas comunidades no Rio de Janeiro expondo sua crença. Desde o título e por toda a matéria fica nítida a tentativa de atacar não os traficantes por seus atos criminosos, tão pouco o ato abominável praticado, mas os religiosos cristãos.

Seria indispensável, pois a prática comprova, dizer que cristãos evangélicos são contrários ao uso de drogas, que militam arduamente no Congresso Nacional para impedir que o uso recreativo de entorpecentes seja liberado pela legislação brasileira. Também é de iniciativa de cristãos evangélicos a maioria das casas de reabilitação para dependentes químicos espalhadas por todo o país, e não pouco os números de voluntários que auxiliam esses viciados que desejam abandonar o vício. Também será redundante afirmar que cristãos não compactuam com o crime, com o tráfico, com a violência e a intolerância religiosa. Se alguém se declara cristão, mas não segue os mandamentos de Cristo, ele é um mentiroso e a Verdade de Deus não habita nele. Deus é luz e não há trevas nEle.

Os seguidores de Cristo tornam-se seus imitadores, logo, são preenchidos pelo Espírito Santo que os fazem produzir fruto, entre os quais estão amor, paz, paciência, amabilidade, mansidão e domínio próprio. Dizer que cristãos evangélicos, de qualquer linha teológica, formam quadrilha para, baseados em sua fé, praticarem crimes e, sobretudo, atacar violentamente demais religiões, é prova de um discurso falacioso ou mera manipulação de palavras-chaves com finalidades ideológicas, cujo fim é a discriminação e perseguição aos cristãos.


A indicação de livro hoje é Deus é Vermelho: A história secreta de como o cristianismo sobreviveu e floresceu, de Liao Yiwu. Que Deus vos abençoe.



Amanda Rocha é professora e escritora

Comentários

Postar um comentário


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos.

A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores.
Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.



Como ajudar? As doaç…

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas.

Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas geraçõ…

Estímulo à leitura através da produção literária

Dentre os ofícios do professor, encontra-se o de conduzir os alunos ao universo das artes; ao professor de língua portuguesa, cujo objeto de estudo é a palavra, abordar a arte literária é fundante, nesse intuito, os professores da Escola de Referência em Ensino Médio Professor Lisboa, localizada no bairro da Cohab I, em Caruaru — Pernambucano promovem bimestralmente saraus literários com o foco no despertar da leitura e produção escrita de seus alunos. 



Anualmente, a escola realiza o Concurso de Redação Professora Fernanda Freitas (esse nome é homenagem póstuma a uma ex professora); o concurso elenca diversos gêneros textuais dentre literários e argumentativos; este ano, em sua quarta edição e com o tema “Pelos caminhos da leitura: descobertas do eu e do mundo” os alunos debruçar-se-ão nos gêneros: conto, crônica, dissertação-argumentativa, carta e/ou poesia.
Ademais do concurso, na manhã de premiação dos primeiros colocados em cada categoria, ocorre concomitantemente a publicação da An…