Pular para o conteúdo principal

Por Dentro do Polo | Revolução Tecnológica – por Jorge Xavier

A confecção de tecidos e roupas tem passado por um processo de atualização que vem desde a escolha da matéria-prima até os métodos de produção. Soluções de baixo impacto ambiental têm sido alvo de pesquisa e investimento permanente. Essa renovação vai ao encontro das novas demandas do mercado, que se empenha em agregar valor ao produto ao mesmo tempo em que os custos são repensados. 

Em uma concepção que une design, arte e ciência, novas peças estão sendo elaboradas, buscando perfeição no corte e acabamento, e valorizando a sustentabilidade.

Softwares que criam os desenhos e máquinas com precisão e rapidez fazem parte desse novo momento e, embora possam exigir um investimento inicial considerável, conseguem reduzir o custo de mão de obra e aumentar a produtividade em pouco tempo.

A procura por benefícios passou a ser mais relevante para muitos consumidores. Com isso, cresce também a opção não apenas pelo fator estético, mas, principalmente, pelo desempenho. Existem oportunidades na fabricação de uniformes de trabalho para atividades com risco de fogo ou eletricidade, indústrias, ramo hospitalar e atuação militar, espacial e aeronáutica. Outra tendência é o comércio de roupas funcionais (que secam mais rapidamente, não amassam, eliminam odores ou repelem insetos), aquelas que facilitam o dia a dia das pessoas.

É preciso entender melhor a revolução que está acontecendo no setor têxtil. A busca por novas tecnologias, materiais alternativos e reciclagem de fibras. O reaproveitamento de materiais tem sido um caso de sucesso na construção de novas possibilidades. A reciclagem, além da questão ambiental, também pode refletir em redução de custos de produção. A boa notícia é que já existem estudos avançados a respeito disso e técnicas bastante viáveis podem ser implantadas  de imediato.  vestuário faz parte de uma das necessidades básicas do homem. Além disso, os tecidos são úteis para decoração, segurança e muitas outras finalidades.

A automação e a robotização dos processos, já é uma realidade para as tarefas mais simples e repetitivas, nos países mais desenvolvidos e também tem chegado ao Brasil, ainda com a necessidade de diminuição de desperdício de tecidos, a impressão 3D vem com o objetivo de contribuir com essa missão e ainda melhorar as técnicas de otimização de tempo, além de produzir peças customizadas em um tempo muito menor que o normal.

impressão 3D ainda permite a inovação por meio da criação e impressão de novos modelos, aumentando o desempenho das peças. Afinal, com esse meio digital, é possível realizar todos os ajustes e aplicar as implementações ideais às modelagens.

Podemos ter certeza que os processos produtivos, nos próximos 10 anos serão automatizados quase na sua totalidade, pelo menos nos processos repetitivos, com todo esse avanço será indispensável que os profissionais que atuam setor se qualifiquem cada vez mais, pois muito em breve ao invés de contratar um costureiro, será necessário contratar um operador de máquinas computadorizadas ou robotizadas. Nos próximos anos teremos um aumento significativo na produção e assim nos tornaremos mais competitivos, reduzindo custos como também os impactos ambientais. Toda essa revolução assusta um pouco, mas acredito que principalmente pequenas e médias empresas que se modernizarem e focarem nas novidades do mercado poderão sobressair. Com isso o nosso Polo de Confecções será impactado diretamente, porém quem estiver atento com certeza sairá na frente na corrida tecnológica.




Jorge Xavier é empreendedor

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio