Pular para o conteúdo principal

Política em Movimento | Política de Pai Pra Filho - por André Santos

No último domingo comemoramos o Dia dos Pais, no qual muitos dos nossos que "paizões" receberam diversos presentes e muitas homenagens foram feitas, mas é claro que na política não é diferente. Diversos pais também recebem presentes dos seus filhos, como a continuidade de suas 'capitanias hereditárias' onde o sobrenome não muda mas apenas o primeiro nome. A esse fenômeno também podemos chamar de patrimonialismo.

Família real britânica: tradições distintas das dos clãs políticos de Caruaru-PE.
Foto: Divulgação


“Utilizada pela primeira vez pelo sociólogo alemão Max Weber (1864-1920) ainda em finais do século XIX, a palavra “patrimônio” deriva de “pai”, enquanto o termo em si evoca o sentido de propriedade privada”, explica a historiadora Lilia Schwarcz em seu livro Sobre o autoritarismo brasileiro. Isso ainda não mudou até hoje, o legado do sobrenome no poder público se reflete no número de congressistas com nomes oligárquicos: foram 172 políticos eleitos em 2018.

Aqui em Caruaru, a atual prefeita, Raquel Lyra, já é da terceira geração com o mesmo sobrenome a governar a cidade. Seu antecessor, o deputado estadual Zé Queiroz, foi prefeito da cidade por quatro mandatos e já viu seu filho Wolney Queiroz ser eleito por outro seis mandatos como deputado federal. O grupo, que diz que vai ser oposição, tem no filho do deputado estadual Tony Gel uma possível candidatura no próximo pleito.

Esse jeito de fazer Política tem acabado com nossa cidade, que poderia ser uma cidade muito mais desenvolvida, mas que ao não pensar na próximas gerações a não ser que tenha seu sobrenome, prendem o futuro no passado e sacrificam o presente em busca dos seus interesses.

André Santos é pós-graduado em Gestão Pública


Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio