Pular para o conteúdo principal

Política em movimento | Pessoas, Lugares e Circunstâncias, parte 3 (circunstâncias) - por André Santos


Hoje completamos nossa série aqui na coluna sobre coisas que atrapalham a eficiência na gestão pública e que muitas vezes paralisam nossos agentes públicos que preferem o caminho mais fácil (que é o de dar desculpa) a tomar medidas alternativas que vençam os problemas.

Temos o exemplo dos governadores do nordeste que, sabendo da importância da reforma da previdência, foram até os 45 do segundo tempo dizendo que não era importante, mas quando a reforma já está quase no seu ápice eles resolveram aderir e pedir que Estados e Municípios fossem incluídos! Uma atitude totalmente mesquinha e feita com o fígado, ao invés de se fazer um pacto acima das ideologias e em busca de um resultado melhor.



É preciso buscar eficiência em vez de inadimplência. Vemos gestores sempre gastando mais do que deveriam, sendo sempre reprovados nos Tribunais de Contas respectivos, porque muito se deixa levar pelas circunstâncias de querer fazer algo pra ganhar uma eleição do que ser sustentável nas contas. É fundamental fazer uma gestão enxuta onde melhor resultado será o equilíbrio dos orçamentos do que algo que lá na frente será preciso novas reformas.

Por isso bons gestores são os que pensam nas próximas eleições e não nas próximas eleições.

Uma gestão supera os problemas buscando eficiência na maneira do trato com a política acima dos governos e das ideologias, o desafio do poder público é vencer o seu próprio controle e viver a liberdade para crescer.


“O homem pode ser livre à medida que o governo tenha limites; quando cresce o governo, diminui a liberdade.” Ronald Reagan



André Santos é pós-graduado em Gestão Pública

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio