Pular para o conteúdo principal

Inovação e fé | Follow me - por Eduardo Freire

Olá amigos, que bom estarmos juntos mais uma vez, espero que as últimas postagens tenham tocado os seus corações, gerando uma reflexão natural sobre a vida e seus relacionamentos.

Nosso objetivo é pensar junto, na interação entre inovação e fé, identidade e escolhas. Hoje quero compartilhar com vocês, um fato ocorrido em Denver - Colorado - EUA, onde devido um acidente de trânsito em uma das principais vias de acesso ao aeroporto da cidade, diversos motoristas decidiram consultar um aplicativo – GPS, e buscar uma rota alternativa com o objetivo de agilizar esse acesso, sendo assim o aplicativo direcionou os motoristas há um novo caminho, um pequeno desvio que resultaria numa redução do tempo de viagem pela metade, pois, desviando-se da avenida principal seguiriam viagem com mais tranquilidade.



Sendo que, os motoristas ao trilharem pelo novo “atalho” foram pegos de surpresas, encontraram uma estrada repleta de lama, devido a chuvas recentes, levando assim vários e vários carros a atolarem. “O que pareciam solução, virou confusão, o que seria otimização, virou embaraço”. Uma história real, com atores reais, vivendo escolhas reais.

Confesso que quando li esta notícia, inevitavelmente fiz paralelo com várias áreas da vida humana. Homens e mulheres fugindo de “acidentes” que possam atrasar a caminhada da vida, homens e mulheres que desejam chegar a seus objetivos, isso é maravilhoso, o que preocupa é que em casos de contratempos, adversidades, situações não planejadas, surpresas antes das surpresas, possamos buscar orientação correta, este é o segredo de uma vida bem-sucedida, buscar a orientação adequada.

O aplicativo que antes com certeza livrou tantas pessoas do aperto, desta vez levou várias pessoas para o aperto. Talvez o método que deu certo ontem não serve para hoje.

Chega um momento em nossas vidas que não adianta mudar a rota, mudar o destino, mas apenas esperar as coisas voltarem à ordem natural. Mover-se parece sábio desde que seja na direção correta, esperar parece sábio desde que o você espere seja real e não uma ilusão. Afirmo que o discernimento trará a todos nós, a sensibilidade e sabedoria de mover-se na hora de se mover e esperar na hora de esperar. Existe um tempo certo para todas as coisas.

Expandindo um pouco mais, na nossa vida com Deus não pode haver atalhos, a bíblia afirma que Jesus é o único caminho a Deus (João 14-6), mesmo que diante de nossos olhos surjam alguns acidentes, lutas, dificuldades, e mexam com nossa rotina, nosso planejamento, mesmo nesta situação, não podemos mudar a rota. Buscar atalhos e tentar encurtar processos não é nossa atividade de crença, os processos são naturais e fazem parte do amadurecimento. Não dá para fugir das adversidades, precisamos confiar e enfrentá-las. Se a caminhada parecer conturbada e sem expectativa, a Bíblia será luz para este caminho, e lâmpada para os pés, Salmos 119-105.

Como na história, os que mudam a rota sem o direcionamento adequado acabam na lama, atolados num sonho de resolução, e o que parecia ser prático, fácil, simples, se torna sujo, confuso e tardio.

Não fuja do trajeto que Deus planejou para você, não siga atalhos, não fuja para rotas alternativas, confie, espere, a tempestade vai passar, as trevas não resistirão, a luz brilhará e o destino será alcançado em tempo oportuno.

“Olhe sempre para a frente, mantenha o olhar fixo no que está adiante de você.
Veja bem por onde anda, e os seus passos serão seguros”.
Provérbios 4:25,26

“Ao homem pertencem os planos do coração, mas do Senhor vem a resposta da língua.  Todos os caminhos do homem lhe parecem puros, mas o Senhor avalia o espírito”. 
Provérbios 16:1,2

“Quando os caminhos de um homem são agradáveis ao Senhor, ele faz que até os seus inimigos vivam em paz com ele.”
Provérbios 16:7



Eduardo Freire é publicitário, pós-graduado em Marketing Corporativo, e pastor sênior da Igreja Com Propósito em Caruaru-PE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…