Pular para o conteúdo principal

Crônicas e Poesias | Luar da Estação - por Nelson Lima



E a Lua ao longe por cima do armazém, espera qual vai ser a decisão...

Inaugurada em 1895, funcionou por muitos anos transportando passageiros e cargas comerciais, além de também integrar ações voltadas aos festejos juninos com as viagens do "Trem do Forró" durante o mês de junho. Hoje o trem não passa mais, mas o local deu abrigo para a realização de diversos eventos culturais na cidade durante todo o ano.

Desde 2010, quando comecei a frequentar a Estação por conta das atividades culturais lá desenvolvidas, que observo o comportamento da Lua. Desde o nascente ao “morrente” (como dizia o saudoso Coronel Ludugero). Em 2012, acho eu, que, onde funcionava a Casa dos Artistas mantida pelo poeta Valdez Soares, passou a se instalar a sede provisória da Academia Caruaruense de Literatura de Cordel, parceria da qual somos agradecidos ao Valdez e passando a somar artes com as Casas que já estavam lá, a saber: Boi, Pife e Teatro. Até que em agosto de 2014 conseguimos uma Casa (espaço), e colocamos o nome de Casa do Cordel, mantendo assim a nomenclatura existente: Casa do Boi, Casa do Pife, Casa do Mamusebá. Nessa mesma data, se instalou a Casa da Capoeira, que passou a ser nosso vizinho de tábua.  

E a Lua sempre deu seu ar da graça, mas aos poucos foi se distanciando...

Doravante começou um zum zum zum, de que aquelas casas iam ser derrubadas e etc. etc. Entra gestores e sai gestores da Fundação de Cultura e cada um com mil e uma ideias para o local. Ah, esclarecendo:

A Fundação de Cultura e Turismo é o órgão responsável por executar políticas de cunho cultural, em todas as suas dimensões e expressões. Tem como objetivo principal a promoção, o apoio, o incentivo, a preservação e a difusão das identidades e produções culturais de Caruaru de forma estruturadora e sistêmica focada na inclusão social, no acesso e na diversidade cultural.

E a Lua ao longe por cima do armazém, espera qual vai ser a decisão...

Nas minhas pesquisas constatei que após de mais de uma década de ocupação irregular da Estação Ferroviária, a Prefeitura de Caruaru conseguiu o direito real de uso do espaço. No dia 17 de julho de 2018, foi publicado, no Diário Oficial da União, o termo de cessão de uso concedido pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) ao município.


Ainda em 2017, foram criadas duas comissões – uma da gestão municipal e uma do Conselho de Cultura – para debaterem (e parece que esse debate nunca existiu) o processo de organização da estação ferroviária junto com a Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe) e Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

E o Coletivo de Artistas que preservam a Estação há mais de uma década? Nem são citados para participarem de tais debates, isso sim. Só sabem que as Casas vão ser derrubadas e bla bla bla...


E a Lua ao longe por cima do armazém, espera qual vai ser a decisão...

Nessas alturas já são vários órgãos envolvidos - tirando-se claro a comissão municipal do Conselho de Cultura, temos: Fundação de Cultura, Transnordestina, ANTT, DNIT, Fundarpe e Iphan.


Reconheço que a gestão da Prefeita Raquel Lyra conseguiu fazer os reparos e oficializar esta cessão no tempo recorde de um ano e meio. A cessão é gratuita pelo prazo de 20 anos, condicionada ao uso turístico e cultural dos espaços”. Enquanto isso...

A Lua ao longe por cima do armazém, espera qual vai ser a decisão...


Nelson Lima é teatrólogo e poeta

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…