Pular para o conteúdo principal

Altos Papos | Pra achar tem que perder – por Davi Geffson

Hoje, peguei-me pensando sobre como somos treinados para a vida, e não é que a todo instante a palavra de ordem é “vencer”. Concordo em partes, afinal, ninguém quer perder, no entanto, para achar é preciso perder.

Observe um time que vem ganhando consecutivamente um torneio, haverá um engessamento progressivo, por já diz o ditado “time que é bom não se mexe”, mas será mesmo que só na vitória conquistamos o melhor para as nossas vidas? E vou além, será que toda vitória é, realmente, uma vitória?

A Volta do Filho Pródigo.
Quadro de Rembrandt


Lembro-me do Filho Pródigo, foi preciso perder para achar, perdeu dinheiro, mas encontrou o valor que excede o princípio da riqueza material, o amor do seu pai, o pai perdeu o filho, para achar um filho arrependido e certo de que não mais agiria de tal forma. Entende o quão profundo pode ser a perda na vida de alguém?

Talvez pareça controverso, mas existem momentos que precisamos perder e estarmos preparados para estas perdas. Todo dia nós estamos perdendo, a todo instante algo nos deixa, Desde que você começou a ler este texto, você já perdeu alguns segundo e minutos de vida, no entanto, está encontrando elementos que irão te ajudar a superar quando algo for embora.

É assim, perdendo que a gente acha. Ninguém procura o que está à vista, pelo contrário, procuramos aquilo que está “perdido”, a própria Bíblia Sagrada revela em Lucas 19:10 que “o Filho do homem veio buscar e salvar o quer se havia perdido”, ou seja, perdeu, é tempo de achar.

Levante sua cabeça diante das derrotas, perder faz parte, e isso não te faz menor que ninguém, pelo contrário, a perda serve de substância para sermos melhores. Quem cai uma vez não deve permanecer caído, é preciso levantar, é preciso seguir. Você é mais do que um momento, você é história, você é vida.

“Ninguém quer sair perdendo
Faz parte do nosso instinto,
Quem entra num labirinto
Pra saída vai percorrendo,
Mas hoje vou percebendo,
Lembrando das brincadeiras,
Quando perdia as estribeiras
E sem nada compreender
Às vezes fui derrotado,
Mas sempre fui alertado:
Pra achar tem que perder”

Pense nisso!



Davi Geffson é mercadólogo e universitário de Letras

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio