Pular para o conteúdo principal

Altos Papos | Lutar é preciso, não lutar pode ser necessário – por Davi Geffson


Uma publicação no Instagram atraiu muito minha atenção na noite deste domingo, a internauta Isadora Sofia fez a seguinte publicação: “Algumas coisas exigem luta, mas outras exigem apenas que você pare de lutar. Não se machuque em vão”. Essa foi suficiente para que um turbilhão de concepções fossem consistentes a fim de vivermos de uma maneira mais agradável.

Conta-se uma estória de que um urso faminto viu em um acampamento uma tina no fogo, a qual estava cozendo algum tipo de comida para os caçadores que ali estavam alojados, entretanto, quando o urso viu a tina agarrou-se com ela e começou a devorar tudo, no entanto, começou a se queimar, porém, ao sentir as queimaduras em seu corpo apertava cada vez mais forte achando que era alguém tentando impedi-lo de comer a comida, até que o urso foi encontrado morto pelos caçadores, colado junto à tina.

Percebe que as duas citações têm uma grande relação? Perceba que não precisamos ser masoquistas a fim de termos algo que não nos fará bem. É preciso aprender a soltar, deixar ir, não insistir, se lutar for preciso, lute, mas quando for necessário deixar de lutar para ser feliz, pare! Solte a tina, desprenda-se.

Existem milhares de pessoas que sofrem por lutarem por coisas que só machucam que só trazem sofrimento e dor. É preciso sermos felizes com coisas leves, saudáveis, recíprocas, é preciso sermos nós mesmos e aceitarmos o outro como ele é. Chega de padrão, de molduras, de formas, das regras ditadas pela sociedade, escolha por você e deixe que os outros escolham por eles.

Se for pra lutar, lute! Mas, se for necessário não lutar, guarde as armas.

Por isso fica a lição,
Do urso e a panela,
Não fique se torturando,
Não viva que nem novela,
Melhor passar pela porta,
Que pular pela janela.

Pense nisso.


Davi Geffson é mercadólogo e universitário de Letas

Comentários

Postar um comentário


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas