Pular para o conteúdo principal

Sem Aspas | Nordestino que votou em Bolsonaro faz o que agora? - por Amanda Rocha

Nos últimos dias as discussões nas mídias giraram em torno das declarações nada oportunas do presidente Jair Bolsonaro, direcionadas aos governadores da região Nordeste, em especial ao governador do Maranhão. Xenofobia ou clara ojeriza às ideologias por eles defendidas? Os governadores sempre fizeram questão de demostrar seu repúdio pelo presidente e suas metas de governo, mas jamais foram criticados pela grande mídia.


Óbvio que as palavras do maior representante público ressoaram negativamente e essa não fora a única vez que o fez. Bolsonaro precisa agir como o representante de Estado e Governo. Aprender a se portar como tal, deixar seu instinto paterno-protetor para o âmbito familiar e cuidar da nação brasileira como ela merece. Saliento, no entanto, que discordar de certas atitudes de Bolsonaro não implica em tornar-se opositor ao atual governo. Os brasileiros parecem que se adaptaram a era petista na qual ou se concorda com tudo e se fecha os olhos para os pontos negativos ou volve-se oponente cruel. Não! Essa mentalidade precisa mudar. Fui eleitora sim, por isso, estou apta a cobrar o cumprimento de suas promessas de campanha, a criticar o que contemplo como equívocos ou erros crassos.

Reprodução/internet

Um texto, que circula pelas redes sociais, intitulado “O Sincericídio de Bolsonaro” assinado pelo paraibano Renato Cunha Lima, esboça um pouco do sentimento dos eleitores nordestinos do direitista. Bolsonaro parece não conter filtro sobre o que pensa e o que expressa em bom-tom, entretanto, grande parte dos brasileiros parecem ter crises de abstinência de falácias. Preferem uma mentira que os massageiem a uma verdade “nua e crua”. Ou alguém possui bons argumentos para defender estes governadores?

Os gritos de que o nordeste será prejudicado ecoam por todas as partes. A tensão chega até aos apoiadores do governo, mas basta uma rápida análise para perceber que essa xenofobia não caminha para além dos contos de fadas, nos quais as fadas são meras bruxas disfarçadas. Os que pousam de benfeitores são os responsáveis pela lama na qual estamos afundados. E as acusações possuem unicamente a intenção de desgastar a gestão, dificultando avanços e possibilitando a retomada de poder.

Atualmente a região Nordeste tem recebido grandes investimentos do Governo Federal, entre os quais se destacam: o Projeto Nordeste Conectado; a conclusão da primeira fase da segunda etapa da Adutora do Pajeú que atenderá milhares de pessoas em vinte municípios e quatro distritos de Pernambuco, além dos oito municípios da Paraíba; o montante de R$ 28,3 milhões do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais, que atenderá a 17 hospitais, frise-se que o Nordeste é a região mais beneficiada; O Programa de dessalinização de Águas no Semiárido destinou R$ 27,5 bilhões com o intuito de promover segurança hídrica para essa região, além de R$ 290 milhões aplicados em diversas obras hídricas tais como o Projeto de Integração do Rio São Francisco, cuja entrega está prevista para o final de 2019 e o Ramal do Agreste com previsão até fevereiro de 2021; O Fundo Constitucional do Nordeste que investiu, através de operações de crédito mediante o Banco do Nordeste para empreendedores e produtores, a cifra de 13,4 bilhões na economia do semiárido, gerando 590 mil empregos e estimativa de 14 bilhões de injeção na economia a curto prazo.

O Atual governo, diferente de muitos que o antecederam ou do que muitos aguardavam, não ficou indiferente às obras iniciados por governos anteriores, avançou na conclusão de muitas dessas e segue, em meio a um alto índice de desemprego e uma imensa dívida pública, buscando alavancar a economia e para isso, dentre tantas ações, conseguiu firmar acordo histórico entre o Mercosul e a União Europeia. Destaque que a gestão não tem promovido assassinato em massa nem perseguição às minorias, por contrário, tem reconhecido territórios quilombolas e até sancionado lei que inclui Dandara do Quilombo dos Palmares no livro dos Heróis da Nação, manteve a secretaria de combate à violência contra LGBT, não promoveu censura às mídias, nem estabeleceu uma Ditadura.

Ainda há muito a ser feito, o Congresso resiste à nova maneira de buscar alianças para as reformas necessárias ao nosso país, e por falar em reformas, o presidente mostrou-se conivente com as mudanças do texto-base da Reforma da Previdência no que tange os policiais federais. A reforma é dura, mas se assim é necessário, que seja a todos, retire os privilégios de todas as categorias sem exceções.

O Pacote Anticrime, a Reforma Tributária, o foco na Educação Básica, todas essas promessas de campanha foram esperadas por seus eleitores, mas algumas transformações parecem caminhar a passos muito curtos. Mas isso não implica ainda numa revolta ou arrependimento, toda mudança de sistema provoca resistência (que termo infeliz), e ela precisamos perpassar. O modelo antigo desagradou a maior parte da população brasileira que com um espírito anticorrupção o elegeu. Avance Bolsonaro, para que o Brasil avance muito mais. E o nordestino que o ajudou a ser eleito trabalha, critica, aplaude, cobra e permanece torcendo pelo Brasil.

A indicação de livro hoje é As Ideias Conservadoras, de João Pereira Coutinho. Deus vos abençoe.



Amanda Rocha é professora e escritora.

Comentários

  1. Texto muito esclarecedor. Parabéns!
    Avante Bolsonaro! E que Deus controle sua língua. 🙌🏼

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns, pelo texto, amiga Amanda. Concordo em alguns pontos com você, porém fica muito claro na entrelinhas, sua ideologia política, seu crédito a uma pessoa que eu me recuso a mencionar o nome, pois tenho pleno repúdio por esse cidadão que não me representa.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…