Pular para o conteúdo principal

Sem Aspas | As misericórdias do Senhor faz-nos vencer os dias maus - por Amanda Rocha


Vivemos dias maus. Sentimos temor de sair de nossos lares mesmo que para nos conduzirmos ao templo para uníssonos, em oração, clamarmos a Deus. O que nos faz vencer o medo é a certeza de que O encontraremos. Sua presença nos atrai, ansiamo-la; todavia, temos de reconhecer que as adversidades, a rotina, as obrigações e, sobretudo, os prazeres e os desejos de nossa personalidade podem nos afastar do Senhor, podem impor um distanciamento, uma barreira entre Deus e nós; contudo, aqueles que foram chamados por sua infinita graça sentem o desejo irresistível de negar-se a si mesmo e tornar ao primeiro amor, ainda que afastemo-nos seremos atraídos por Ele e regressaremos por sua infinita bondade e misericórdia. 


O pecado é responsável pelo distanciamento entre Deus e o homem e para atar o laço de comunhão Deus enviou-nos Jesus, o qual por seu incomensurável amor doou-se a si mesmo em morte de cruz para a remissão dos pecados. Os dias são maus, mas grande é o Senhor que nos fortalece.

Na antiguidade, Davi também viveu dias maus e bradou a Deus. Há diversos Salmos que nos mostram o clamor de nossos irmãos para que os livre dos homens maus e violentos, bem como, os restaure de suas próprias iniquidades. Clamaram a Deus que os retirassem da lama.

A desobediência distancia o homem de seu Criador e provoca dores que afligem o corpo e a alma. Salmos 6 nos versículos de 1 a 3 revelam que o salmista Davi descrevia ao Senhor suas dores nos ossos e na alma, todo o capítulo revela um rei que reconhecia seus erros, compreendia que era merecedor de um castigo por suas transgressões, mas que requeria a Deus sua misericórdia. Em diversos Salmos o poeta reconhece seu pecado, porém o medo da merecida punição fazia-o bradar pelo perdão: Misericórdia, Senhor, cura-me, pois pequei contra ti (Salmos 41:4).


A ira de Deus é a manifestação de sua justiça, somos todos dignos da condenação eterna, entretanto, as misericórdias do Deus bondoso renovam-se a cada manhã e impedem que sejamos consumidos. Lamentações 3.21-23:

Todavia, lembro-me também do que pode dar-me esperança:
Graças ao grande amor do Senhor é que não somos consumidos, pois as suas misericórdias são inesgotáveis.
Renovam-se cada manhã; grande é a tua fidelidade!


Os problemas angustiam os servos do Senhor, porém os que aguardam nEle encontrarão consolo e livramento; serão revestidos pela paz que transcende qualquer entendimento (Filipenses 4.7), não se trata de um sentimento anestésico, mas a certeza de que o Deus todo poderoso agirá para o bem daqueles que o amam (Romanos 8.28); é versar sobre a convicção de que a bondade e as misericórdias o seguirão todos os dias de sua vida (Salmo 23.6).

O cristão alimenta-se das promessas do Senhor e guarda em seu coração as palavras de que “aqueles que semeiam com lágrimas, com cantos de alegria colherão” (Salmos 126:5). Glória ao nosso senhor, pois é rico em misericórdia e nos amou juntamente com Cristo, quando ainda estávamos mortos em transgressões (Efésios 2.4,5 e Romanos 5.8). Ele estendeu-nos a mão e nos livrou do poder das trevas, transportando-nos para o reino do Filho do seu amor (Colossenses 1:13). Deus, segundo sua misericórdia nos regenerou para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos (1 Pedro 1.3).

Em Romanos 9.15 o apóstolo Paulo relembra as palavras de Deus a Moisés: “Terei misericórdia de quem eu quiser ter misericórdia e terei compaixão de quem eu quiser ter compaixão", isso nos remete a certeza de que a salvação não advém de nossas obras ou esforços, é pela graça que somos salvos, são as misericórdias que nos alcançam, elas estende-se aos que o temem (Lucas 1.50), não adianta o homem vangloriar-se por qualquer boa ação que possua, pois sem Deus nada podemos fazer (João 15.5), “porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém” (Romanos 11:36).

O mundo é mau, mas clamemos ao Senhor por suas misericórdias, para que nos livre de toda maldade, mas também de nossas transgressões, de nossos pecados e que dirija-nos por seu caminho. “Todas as veredas do Senhor são misericórdia e verdade para aqueles que guardam a sua aliança e os seus testemunhos” (Salmos 25:10). Jamais nos olvidemos:

Portanto, visto que temos um grande sumo sacerdote que adentrou os céus, Jesus, o Filho de Deus, apeguemo-nos com toda a firmeza à fé que professamos, pois não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas, mas sim alguém que, como nós, passou por todo tipo de tentação, porém, sem pecado. Assim sendo, aproximemo-nos do trono da graça com toda a confiança, a fim de recebermos misericórdia e encontrarmos graça que nos ajude no momento da necessidade. Hebreus 4:14-16.




A indicação de leitura de hoje é O Mestre da Sensibilidade, de Augusto Cury. Deus vos abençoe.



Amanda Rocha é professora e escritora

Comentários

  1. O que acho tremendo nas misericórdias do Senhor sobre nós, é saber que ela é o escudo entre nós e a ira de Deus pelos nossos pecados...
    Sem ela, nós já teríamos cidos destruídos.
    E o mais tremendo é que estas misericórdias não só nos impedem de recebermos o que merecemos, como está atrelada a um favor imerecido, á saber a Graça Bendita do nosso Salvador Jesus Cristo!
    Quando Deus olha pra nós, Ele enxerga duas coisas; as misericórdias que nos cobre e também a Graça que nos abraça, através de Seu Filho Jesus Cristo.
    Merecemos a condenação eterna, e recebemos a eterna redenção!
    Jesus tomou pra Si o pior e nos deu o melhor!
    Que Amor é esse??
    Como não amar Alguém que nos ama tanto assim!?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…