Pular para o conteúdo principal

Quatro argumentos breves contra o abandono dos estudos clássicos no Brasil e, em particular, nas faculdades ditas de Letras – por Sergio Pachá


Primeiro: A civilização do Ocidente é a continuação da civilização greco-latina informada pela ética judaico-cristã. Ora, em grego e em latim escreveram-se obras de tal perfeição, que se foram da lei da morte libertando, como diria Camões. Logo, a nenhum homem que se queira civilizado e preze o honesto estudo será lícito ignorá-las.

Segundo: A tradução do grego e do latim, línguas altamente flexionais, é um dos mais belos tirocínios de precisão e rigor. Assim, com ilustrar a inteligência, serve também de coadjuvante na formação do caráter.


Terceiro: A língua portuguesa é uma das formas assumidas pelo latim vulgar no volver dos séculos. O mesmo vale para as demais línguas românicas. Quanto ao inglês, embora pertença à família germânica, possui vastíssimo contingente de vocábulos de origem latina, nele introduzidos desde seus primórdios anglo-saxões e, muito principalmente,  a partir da conquista  franco-normanda ou por empréstimo erudito. Já o grego forneceu e fornece a todas as línguas de cultura elementos inesgotáveis para a formação de neologismos em todas as áreas do conhecimento, da astronomia à zoologia. Pretender, pois, conhecer (e ensinar!) uma língua neolatina , ou mesmo inglês, sem conhecer bem o latim e ter ao menos rudimentos de grego, é um claro contra-senso.

Quarto: As literaturas européias, sobretudo a partir do Renascimento, retomam, glosam e imitam os gêneros literários e a riquíssima temática da Antigüidade Clássica. Um professor de português, de francês, de inglês, etc., que não tenha lido, e bem, Virgílio, Horácio, Sêneca (para só ficarmos com os latinos, que, por sua vez, foram no encalço dos gregos), jamais poderá abrir a boca e dizer coisa com coisa a respeito de Camões, de Ronsard, de Shakespeare. Será melhor que vá plantar batatas na Beócia ou que se entregue à crítica estruturalista – o que, em termos de cultura, vem a ser rigorosamente a mesma coisa.

Sergio Pachá, ex-lexicógrafo da Academia Brasileira de Letras


Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup