Pular para o conteúdo principal

Por Dentro do Polo | São João X Feira da Sulanca - por Jorge Xavier

O São João acabou, mas gostaria de falar um pouco sobre esse assunto novamente, visto que as cidades da região investem bastante nesse evento, principalmente Caruaru. Os investimentos passaram da casa dos R$ 13 milhões (É isso mesmo)! A festa é muito importante para as cidades, para a cultura, é importante economicamente porque atrai turistas, recursos, geração de emprego e o nordestino em si gosta bastante.

Segundo a Prefeitura de Caruaru, cerca de 2 milhões de pessoas circularam na festa, com um faturamento de cerca de R$200 milhões.

E os investimentos vêm de toda parte. Segundo a Prefeitura, a iniciativa privada bancaria todos os custos, sem contar que o governo do estado também contribuiu, na segurança houve um grande incremento, tinha blitz por todo canto (isso é bom), não podemos dizer que não houve esforço do poder público para a realização dos festejos.



Mas cá comigo, eu fico pensando, todo esse esforço, por apenas 17 dias de festa? (e não sou contra a festa, tá?!). Mas nós temos um equipamento que gera muito mais emprego e renda que o São João, que é a nossa Feira da Sulanca. E, que eu me lembre, não temos visto nos últimos 30 anos, nenhuma ação por parte dos prefeitos que aqui estiveram e nem da que está hoje, para beneficiar a nossa sofrida feira, nenhum investimento significativo, agem como se aquilo não existisse, todos eles sem exceção viraram as costas.

Olha, não estou falando de uma feira qualquer, falo de um equipamento que tem hoje funcionando, segundo a prefeitura: Média de 14 mil bancos, em um único dia recebe em média 40 mil pessoas e tem um faturamento aproximado de R$ 30 milhões, isso em dias normais, nos meses de junho e dezembro chega a atrair cerca de 100 mil visitantes com um faturamento de R$ 80 milhões.

Pois é, todo esse dinheiro circulando e não temos segurança, falta estrutura física, não tem banheiros (dignos), tem grande risco de incêndio (já ocorreram 03), por conta desse último a prefeitura resolveu investir R$ 250 mil (não é milhões), ou seja nada, para o que a feira representa e arrecada semanalmente. As vezes da até pra pensar que esse equipamento não é bom pra cidade, pois os gestores não se interessam, ou melhor ele serve de cabide eleitoral, como nas últimas eleições teve até candidato prometendo transferir a feira de graça, mas aí ficam as perguntas:

A Feira da Sulanca  seria como um apêndice para Caruaru?

A feira é de fato útil para a economia da cidade?

Ou é mais fácil oferecer pão e circo para o povo?


A ideia aqui não é trazer uma verdade absoluta, mas sim, uma reflexão sobre um equipamento de tão grande importância, que é a Feira da Sulanca de Caruaru, do qual sobrevivem milhares de pessoas em nossa cidade e região.



Jorge Xavier é empreendedor.




Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid