Pular para o conteúdo principal

Por Dentro do Polo | São João X Feira da Sulanca - por Jorge Xavier

O São João acabou, mas gostaria de falar um pouco sobre esse assunto novamente, visto que as cidades da região investem bastante nesse evento, principalmente Caruaru. Os investimentos passaram da casa dos R$ 13 milhões (É isso mesmo)! A festa é muito importante para as cidades, para a cultura, é importante economicamente porque atrai turistas, recursos, geração de emprego e o nordestino em si gosta bastante.

Segundo a Prefeitura de Caruaru, cerca de 2 milhões de pessoas circularam na festa, com um faturamento de cerca de R$200 milhões.

E os investimentos vêm de toda parte. Segundo a Prefeitura, a iniciativa privada bancaria todos os custos, sem contar que o governo do estado também contribuiu, na segurança houve um grande incremento, tinha blitz por todo canto (isso é bom), não podemos dizer que não houve esforço do poder público para a realização dos festejos.



Mas cá comigo, eu fico pensando, todo esse esforço, por apenas 17 dias de festa? (e não sou contra a festa, tá?!). Mas nós temos um equipamento que gera muito mais emprego e renda que o São João, que é a nossa Feira da Sulanca. E, que eu me lembre, não temos visto nos últimos 30 anos, nenhuma ação por parte dos prefeitos que aqui estiveram e nem da que está hoje, para beneficiar a nossa sofrida feira, nenhum investimento significativo, agem como se aquilo não existisse, todos eles sem exceção viraram as costas.

Olha, não estou falando de uma feira qualquer, falo de um equipamento que tem hoje funcionando, segundo a prefeitura: Média de 14 mil bancos, em um único dia recebe em média 40 mil pessoas e tem um faturamento aproximado de R$ 30 milhões, isso em dias normais, nos meses de junho e dezembro chega a atrair cerca de 100 mil visitantes com um faturamento de R$ 80 milhões.

Pois é, todo esse dinheiro circulando e não temos segurança, falta estrutura física, não tem banheiros (dignos), tem grande risco de incêndio (já ocorreram 03), por conta desse último a prefeitura resolveu investir R$ 250 mil (não é milhões), ou seja nada, para o que a feira representa e arrecada semanalmente. As vezes da até pra pensar que esse equipamento não é bom pra cidade, pois os gestores não se interessam, ou melhor ele serve de cabide eleitoral, como nas últimas eleições teve até candidato prometendo transferir a feira de graça, mas aí ficam as perguntas:

A Feira da Sulanca  seria como um apêndice para Caruaru?

A feira é de fato útil para a economia da cidade?

Ou é mais fácil oferecer pão e circo para o povo?


A ideia aqui não é trazer uma verdade absoluta, mas sim, uma reflexão sobre um equipamento de tão grande importância, que é a Feira da Sulanca de Caruaru, do qual sobrevivem milhares de pessoas em nossa cidade e região.



Jorge Xavier é empreendedor.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…