Pular para o conteúdo principal

Por Dentro do Polo | São João X Feira da Sulanca - por Jorge Xavier

O São João acabou, mas gostaria de falar um pouco sobre esse assunto novamente, visto que as cidades da região investem bastante nesse evento, principalmente Caruaru. Os investimentos passaram da casa dos R$ 13 milhões (É isso mesmo)! A festa é muito importante para as cidades, para a cultura, é importante economicamente porque atrai turistas, recursos, geração de emprego e o nordestino em si gosta bastante.

Segundo a Prefeitura de Caruaru, cerca de 2 milhões de pessoas circularam na festa, com um faturamento de cerca de R$200 milhões.

E os investimentos vêm de toda parte. Segundo a Prefeitura, a iniciativa privada bancaria todos os custos, sem contar que o governo do estado também contribuiu, na segurança houve um grande incremento, tinha blitz por todo canto (isso é bom), não podemos dizer que não houve esforço do poder público para a realização dos festejos.



Mas cá comigo, eu fico pensando, todo esse esforço, por apenas 17 dias de festa? (e não sou contra a festa, tá?!). Mas nós temos um equipamento que gera muito mais emprego e renda que o São João, que é a nossa Feira da Sulanca. E, que eu me lembre, não temos visto nos últimos 30 anos, nenhuma ação por parte dos prefeitos que aqui estiveram e nem da que está hoje, para beneficiar a nossa sofrida feira, nenhum investimento significativo, agem como se aquilo não existisse, todos eles sem exceção viraram as costas.

Olha, não estou falando de uma feira qualquer, falo de um equipamento que tem hoje funcionando, segundo a prefeitura: Média de 14 mil bancos, em um único dia recebe em média 40 mil pessoas e tem um faturamento aproximado de R$ 30 milhões, isso em dias normais, nos meses de junho e dezembro chega a atrair cerca de 100 mil visitantes com um faturamento de R$ 80 milhões.

Pois é, todo esse dinheiro circulando e não temos segurança, falta estrutura física, não tem banheiros (dignos), tem grande risco de incêndio (já ocorreram 03), por conta desse último a prefeitura resolveu investir R$ 250 mil (não é milhões), ou seja nada, para o que a feira representa e arrecada semanalmente. As vezes da até pra pensar que esse equipamento não é bom pra cidade, pois os gestores não se interessam, ou melhor ele serve de cabide eleitoral, como nas últimas eleições teve até candidato prometendo transferir a feira de graça, mas aí ficam as perguntas:

A Feira da Sulanca  seria como um apêndice para Caruaru?

A feira é de fato útil para a economia da cidade?

Ou é mais fácil oferecer pão e circo para o povo?


A ideia aqui não é trazer uma verdade absoluta, mas sim, uma reflexão sobre um equipamento de tão grande importância, que é a Feira da Sulanca de Caruaru, do qual sobrevivem milhares de pessoas em nossa cidade e região.



Jorge Xavier é empreendedor.




Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.