Pular para o conteúdo principal

Por Dentro do Polo | Reinventar é preciso - por Jorge Xavier

O Polo de Confecções do Agreste de Pernambuco é um aglomerado de iniciativas produtivas e comerciais relacionadas ao setor de confecções, hoje o polo tem mais de 20 mil micro e pequenas empresas, produzindo cerca de 800 mil peças mês, com um faturamento em torno de R$ 1bilhão.



O Brasil tem atravessado uma crise econômica desde 2014 e com isso um dos setores mais prejudicados foi o têxtil, pois não é gênero de primeira necessidade e acaba sendo deixado um pouco de lado pelos consumidores, sobretudo os de baixa renda, em períodos de crise geralmente o setor têxtil é um dos primeiros a entrar e um dos últimos a sair, então a crise atingiu diretamente  o nosso Polo Têxtil aqui do Agreste, diversas fábricas e lojas fecharam as portas, caiu o nível de emprego e renda nos últimos anos, prejudicando assim a economia do nosso estado, visto que esse setor responde por 15% do PIB pernambucano.


Mas em meio a tudo isso, o que fazer? Como escapar da crise? Bem, algumas coisas precisam ser feitas e existem algumas ferramentas que podem ser utilizadas a favor do empreendedor:
- Primeiro, não adianta ficar se lamentando. Caiu? Levanta e começa tudo de novo e o povo aqui é forte sabe se reerguer. Essa não é a primeira, nem será a última, não chore pelo leite derramado.

- Segundo, é necessário coragem pra seguir em frente, não é porque está difícil que você vai abaixar a cabeça, todo empreendedor precisa ser forte por natureza.

- Terceiro, é preciso se reinventar, não ser mais do mesmo, faça algo diferente dos outros, copiar não vai fazer você sair da estagnação, o comum todo mundo já faz.

- Quarto, é preciso inovar, não necessariamente você precisa criar algo extraordinário, mas pegar o que já existe e transformar, dar uma cara nova, melhorar o que você ou alguma empresa já fez, faça de uma nova maneira aquilo que as pessoas fazem igual e isso pode ser em vários setores da sua empresa, no seu produto, no atendimento ao cliente (principalmente).

- Por último, invista na divulgação do seu produto ou negócio, divulgue, anuncie, mostre, as redes sociais estão aí, na maioria das vezes de forma gratuita, então não perca tempo e corra atrás do prejuízo, cabeça erguida, seguindo em frente, pois as dificuldades sempre irão surgir na vida de todos, principalmente na do empreendedor. Tire a palavra crise do seu vocabulário.


Jorge Xavier é empreendedor

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas