Pular para o conteúdo principal

Por Dentro do Polo | O comerciante e o desenvolvimento regional - por Jorge Xavier

Na antiguidade, pessoas produziam em suas casas para consumo próprio e, eventualmente, trocavam os excedentes com os vizinhos. Foram os fenícios que se destacaram por expandir essa produção para fins econômicos. O comércio estabeleceu relações entre culturas, ajudou a desenvolver os transportes e infelizmente causou até algumas guerras.



Aqui no Agreste pernambucano, graças ao comércio, as principais cidades do Polo Têxtil têm experimentado esse desenvolvimento. Santa Cruz do Capibaribe é um exemplo disso. A cidade nasceu e cresceu às margens do rio, mas foi na década de 1950 que começou a se desenvolver, foi buscando alternativas para fugir da seca, que começou a produção das tradicionais colchas de retalhos, confeccionar shorts e etc. Como o produto era de fácil venda, os homens se transformaram em comerciantes e percorreram inúmeras feiras do nosso Nordeste, vendendo os produtos, enquanto as mulheres em casa, usando de criatividade, inovavam produzindo outros artigos de vestuário, como: saias, blusas, camisas, conjuntos infantis, anáguas e outras.

“A Fazenda Caruru se tornou muito cedo um ponto para o qual convergiam criadores de gado, caixeiros viajantes, mascates, como também compradores de couro e estivas”. As pessoas que vinham a cidade começaram a procurar um local para repousar e daí iniciar as primeiras feiras de gado, daí a fazenda se tornou vila e depois cidade. Na década de 1980 alguns moradores comercializavam roupas na feira livre, e logo depois começou uma feira exclusiva próximo a rodoviária e só no início dos anos 90 é que veio a ser transferida para o Parque 18 de Maio.

Daí, podemos destacar a importância dos comerciantes para o desenvolvimento das civilizações e para nossa região, são esses profissionais com o seu dinamismo e expertise em vendas, faça chuva ou faça sol, eles estão sempre prontos a fazer negócios e contribuir para o desenvolvimento econômico. A atividade comercial ou a venda propriamente dita, foi e é na minha opinião a atividade mais importante que existe, sem vendas para tudo, é o vendedor ou comerciante o responsável por movimentar uma nação, nos seus diversos seguimentos da economia. Na nossa região esses profissionais são responsáveis por carregar nas costas o desenvolvimento da nossa região, gerando negócios, emprego e renda no Polo têxtil do Agreste. 

Jorge Xavier é empreendedor

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.