Pular para o conteúdo principal

Política em movimento | Pessoas, Lugares e Circunstâncias, Parte 2 (Lugares) - por André Santos


Nessa semana vamos dar continuidade à nossa série aqui na coluna sobre coisas que atrapalham nossos agentes públicos de sempre pensarem nas próximas eleições e não nas próximas gerações.

Muito se diz que as eleições são a festa da democracia, e realmente se fomos buscar o significado da palavra festa (reunião de pessoas com fins recreativos) vimos que expressa bem o sentimento de todo o período eleitoral, quando os políticos saem dos seus gabinetes e tomam as ruas em contato direto com a população que a cada dois anos no Brasil tem a esperança que algo irá mudar em suas vidas. Porém a impressão que fica e que os políticos só têm a intenção de sair dos seus "lugares" quando precisam renovar ou tentar de alguma forma um mandato, estão presos a suas rotinas muitas vezes não muito republicanas que os bastidores e os contratos não muito honestos parecem o melhor lugar para eles estarem durante todos os seus mandatos.



Entretanto, a população está mais cansada de tomar um posicionamento do lugar da mudança. Na última "festa da democracia" quase 30 milhões de eleitores não compareceram às urnas no primeiro turno das eleições de 2018 em todo País, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Mas porque cada vez tanto a população e os políticos estão em lugares diferentes? Falta de credibilidade pode-se dizer que é a resposta.

Nossa gente não se sente mais representada por uma democracia em que o executivo não consegue aprovar seus compromissos de campanha por causa muitas vezes de um parlamento fisiológico e corporativista que não fica no bem geral e sim no quanto vai ganhar politicamente e não do resultado prático. Nesse lugar, apenas os ratos gostam de estar – afinal são atraídos pelo esgoto. Enquanto não houver transparência e pensamento técnico na maneira de gerir o bem público, iremos sempre estar em lugar distante da verdadeira mudança.


André Santos é pós-graduado em Gestão Pública

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio