Pular para o conteúdo principal

Inovação e fé | O ‘novo’ obsoleto - por Eduardo Freire


Olá amigos, quero iniciar expressando minha alegria em compartilhar um pouco de nossas vivências com vocês. Sei que teremos um tempo precioso onde cresceremos juntos.

Vamos iniciar com algo bem recente, esta semana tem se destacado numa velocidade absurda a interação do público digital, com um aplicativo onde colocamos nossa face e este projeta nossa fisionomia alguns anos à frente, para um futuro projetado ou esperado. Quero abordar um CONTEXTO diferente, não na perspectiva de que a empresa idealizadora do aplicativo terá acesso aos dados de todos os seus usuários, de forma permissiva, mas na identificação rápida do aplicativo com este público.

Fizeram esta “brincadeira” comigo, na projeção de duas fotos, confesso, uma não parecia nada comigo, já a outra ficou muito similar, era de fato como eu estivesse me enxergando neste futuro. Seja engraçado ou não, cada dia surge novos aplicativos, relevantes ou não, tecnologia que se reinventa agilmente, deixando o “novo” em pouco tempo obsoleto. Em breve todos esquecerão a brincadeira, a imagem refletida em breve não será lembrada. Talvez na mesma velocidade que surgiu desapareça.

Pensando um pouco sobre esta velocidade em que tudo tem acontecido, gostaria de refletir com vocês sobre nossa perspectiva de futuro, já que muitos de nós desejamos estar nele, quer seja por brincadeira, ou por verdade, o futuro chegará.

As perguntas além da foto são:

Será que estaremos prontos quando vermos nossas faces se apresentando como reflexo do que seremos no amanhã?

Será que estamos preparados para a imagem que vamos nos deparar de nós mesmos quando olharmos numa projeção de selfie em frente ao nosso próprio espelho?

De tantas certezas que não mudam, o futuro está acontecendo. Antes que você termine esta leitura o futuro já está sendo vivenciado no presente agora. A nossa imagem de futuro inevitavelmente reflete mudanças; este é um ponto relevante, a ser imaginado e discutido, pois quando mudamos tudo mudará, não apenas o “face” na face, a pele na ruga, a cor no cabelo, mas sim a mente no tempo.

Deus já conhece sua “face”, inclusive no futuro, ELE projetou você, a Bíblia afirma na expressão do Salmista:

“Tu criaste o íntimo do meu ser e me teceste no ventre de minha mãe.
Eu te louvo porque me fizeste de modo especial e admirável. Tuas obras são maravilhosas! Disso tenho plena certeza.
Meus ossos não estavam escondidos de ti quando em secreto fui formado e entretecido como nas profundezas da terra.
Os teus olhos viram o meu embrião; todos os dias determinados para mim foram escritos no teu livro antes de qualquer deles existir”. Salmos 139:13-16

Portanto, confia hoje a Deus teu futuro, e viva o agora para que tua imagem no amanhã não te roube “sorrisos” e percas a “graça”.

Sorria para o seu futuro, Deus está lá.

“Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais.
Então me invocareis, e ireis, e orareis a mim, e eu vos ouvirei.
E buscar-me-eis, e me achareis, quando me buscardes com todo o vosso coração.”
Jeremias 29:11-13


Eduardo Freire é publicitário, pós-graduado em Marketing Corporativo, e pastor sênior da Igreja Com Propósito em Caruaru-PE

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…