Pular para o conteúdo principal

Inovação e fé | Bem me like, mal me like - por Eduardo Freire

Mais uma vez nos encontramos por aqui, espero que tenha “???CURTIDO???” o nosso texto da semana passada sobre “O ‘novo’ obsoleto”. Hoje quero pensar junto com vocês num tema bem apropriado para este mês onde muitos comemoram o Dia do Amigo e Dia Internacional da Amizade; então “partiu”, a pergunta é para onde foram as curtidas? Cadê meus likes? Quem sou? Sério, sem exageros.

Nos últimos dias muito se comentou sobre o novo modelo de visualização do Aplicativo Instagran, onde não se apresenta mais a quantidade de curtidas das fotos no feed. Li uma matéria esta semana, muito interessante onde se aborda o assunto e trás algumas afirmações sobre este novo modelo; segue algumas destas afirmações parafraseadas:  “a medida da eliminação das curtidas foi para proteger a auto estima de seus usuários”, na sequência outra afirmação foi que “a Competição por cliques tinha motivado a decisão da empresa; e que psicólogos consideram necessidade de aprovação em posts um risco à saúde mental”.

“Uau, a que ponto chegamos como seres de relacionamento, bem no mês da amizade?”



Assisti há alguns anos atrás uma apresentação de dados populacionais e hábitos de consumo, onde se previa este momento que vivemos, dando o nome de “Cultura da Celebridade”, caracterizada por muito contato e pouco vínculo, muita exposição, sem nenhuma aproximação real, muita abertura de portas que nem sequer estavam fechadas.

A ideia da autoestima baseada na curtida do “outro”, revela a fragilidade nos relacionamentos, relacionamentos que já são frutos de vidas frágeis, refletindo e se apareando com outras vidas também frágeis, este tipo de aproximação gera uma relação de co-dependência, alimentada por carências em comum.

Uma vida baseada e edificada em curtidas, histories, hashtags, pode ser uma externalização da ausência de vínculos, cultura da celebridade.

Esta fragilidade leva o ser humano, a ter muitos contatos em busca de likes para produção de uma pseudo afirmação de suas ações.

Então, como proteger a saúde mental de uma mente faminta por aceitação?

O esconder das curtidas, dos likes, não “deu ruim”, pelo contrário, foi ótimo para a exposição destas fragilidades. Isso nos mostra o quanto como seres humanos estamos carentes e ao mesmo tempo perdidos em relação a razão principal da vida e como os vínculos se apresentam tão delicados.

Na busca acelerada de aceitação, podemos correr o risco de esquecermos que já fomos aceitos, amados, chamados, perdoados e temos a nossa disposição um relacionamento eterno com vínculos enraizados em terreno profundo e frutífero.

A bíblia nos afirma...
“Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto em meu nome pedirdes ao Pai, Ele vo-lo conceda”. João 15:16

Numa versão aproximada...
“Não foi você que me seguiu a Mim, mas Eu que segui você antes, te dei likes, porque eu curto você, você é amado, EU promovi seus histories, conheço sua localização todos os dias, e te chamei para que permaneças firmes no propósitos da vida, mesmo que os likes se escondam, e não se revelem a ti. E te afirmo, o que colocaremos no fedd do teu coração em nome do meu Pai, farei que realizes”. #Johnquinzedezesseis

Resumo crendo que Jesus é nossa maior e melhor afirmação, Ele já nos deu o “like” mais especial, a “life”, portanto viva, não espere curtidas, apenas viva, se encontre no propósito divino, sabendo sempre que o autor de tudo AMA você e já tem seus histories preenchidos antes que nenhum deles ainda existisse. Com ELE você não tem risco de “flopar”.

Sim, quase esqueci, Feliz mês das amizades reais e dos vínculos sinceros e duradouros, pois amigo de verdade não manda recado, porque está sempre perto.
Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo,
ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei. E Eu (Jesus) estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos".
Mateus 28:19,20
“Mitou, vlw”.



Eduardo Freire é publicitário, pós-graduado em Marketing Corporativo, e pastor sênior da Igreja Com Propósito em Caruaru-PE

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…