Pular para o conteúdo principal

Crônicas e poesias | Escola dos anos 60 - por Nelson Lima

Saudosas lembranças dos meus tempos de escola dos anos 60. Que eu lembre, estudei no Instituto Nossa Srª De Fátima, Praça do Rosário; Instituto Evangélico, Rua da Matriz; Colégio Sete de Setembro, ainda na rua sete de setembro; Colégio Industrial, hoje Dom Miguel; Nicanor, Mário Sete... A saudade fica por conta que na escola eu ia pra aprender o necessário para formar o meu intelecto, e em casa eu aprendia o necessário para a formação do caráter.

“Será que não é por conta disso que se veem hoje tantos estudantes mal criados?!” Filhos mal educados?

Na escola dos anos 60 o recreio era pra saborear o lanche trazido de casa, preparado por mãos caprichosas.



Hoje não tem lanche nas escolas e sim refeições, pode até faltar aula, mas merenda não! Sem falar nos desvios de verbas que essa suposta tecnologia proporciona.”

Tenho saudades também dos professores que no quadro de giz (embora soltasse o pó prejudicial à sua saúde), passava o ensinamento suficiente, sem precisar fazer “aula diferente”!

“Os professores transmitiam ensinamentos por si próprios, sem precisar transferir para recursos tecnológicos”.

Saudades de não precisar ficar o dia todo na escola, assim, o dever de casa tinha o toque especial da professora/mãe.

“Hoje temos o ‘contra’ turno. Que termina revertendo ‘contra’ o aluno!”

Saudades do tempo que tinha tempo pra ficar na escola e tempo pra ficar em casa.

“A maioria dos pais de antigamente punha os filhos a trabalhar, deixando a escola em segundo plano. Hoje em dia é precisamente ao contrário, deixam os filhos à mercê da escola, deixando-os em segundo plano”.

Saudade dos tempos que tínhamos professores, hoje temos ‘tios e tias’.

“Falta de interesse pelo conteúdo e desrespeito pelos professores são apenas alguns dos problemas enfrentados em sala de aula, e a violência torna-se o ponto mais crítico desse somatório de dificuldades”.

Saudades dos tempos que meninos tinham comportamento de meninos, da mesma forma, as meninas.

“Hiiiiii... Não vou opinar nesse mérito!”

Os estudiosos das didáticas escolares propõem suas teorias até certo ponto magníficas nas suas apresentações teóricas, mas que quando tentamos colocá-las em prática no nosso dia a dia ficamos com a perturbadora sensação que não funcionou como deveria.

Se nós fizermos uma comparação com a escola pública de anos atrás, fica bem visível que a quantidade de recursos era bem inferior e mesmo assim a qualidade do ensino e do aprendizado dos alunos no tocante ao interesse é com certeza bem superior aos dos dias atuais.

Tenho dito!



Nelson Lima é teatrólogo e ator

Comentários

  1. Grande Nelson, a educação tornou-se um campo de testes de ideologias, enquanto isso nossos estudantes são deformados. Uma lástima!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…