Pular para o conteúdo principal

Crônicas e poesias | Escola dos anos 60 - por Nelson Lima

Saudosas lembranças dos meus tempos de escola dos anos 60. Que eu lembre, estudei no Instituto Nossa Srª De Fátima, Praça do Rosário; Instituto Evangélico, Rua da Matriz; Colégio Sete de Setembro, ainda na rua sete de setembro; Colégio Industrial, hoje Dom Miguel; Nicanor, Mário Sete... A saudade fica por conta que na escola eu ia pra aprender o necessário para formar o meu intelecto, e em casa eu aprendia o necessário para a formação do caráter.

“Será que não é por conta disso que se veem hoje tantos estudantes mal criados?!” Filhos mal educados?

Na escola dos anos 60 o recreio era pra saborear o lanche trazido de casa, preparado por mãos caprichosas.



Hoje não tem lanche nas escolas e sim refeições, pode até faltar aula, mas merenda não! Sem falar nos desvios de verbas que essa suposta tecnologia proporciona.”

Tenho saudades também dos professores que no quadro de giz (embora soltasse o pó prejudicial à sua saúde), passava o ensinamento suficiente, sem precisar fazer “aula diferente”!

“Os professores transmitiam ensinamentos por si próprios, sem precisar transferir para recursos tecnológicos”.

Saudades de não precisar ficar o dia todo na escola, assim, o dever de casa tinha o toque especial da professora/mãe.

“Hoje temos o ‘contra’ turno. Que termina revertendo ‘contra’ o aluno!”

Saudades do tempo que tinha tempo pra ficar na escola e tempo pra ficar em casa.

“A maioria dos pais de antigamente punha os filhos a trabalhar, deixando a escola em segundo plano. Hoje em dia é precisamente ao contrário, deixam os filhos à mercê da escola, deixando-os em segundo plano”.

Saudade dos tempos que tínhamos professores, hoje temos ‘tios e tias’.

“Falta de interesse pelo conteúdo e desrespeito pelos professores são apenas alguns dos problemas enfrentados em sala de aula, e a violência torna-se o ponto mais crítico desse somatório de dificuldades”.

Saudades dos tempos que meninos tinham comportamento de meninos, da mesma forma, as meninas.

“Hiiiiii... Não vou opinar nesse mérito!”

Os estudiosos das didáticas escolares propõem suas teorias até certo ponto magníficas nas suas apresentações teóricas, mas que quando tentamos colocá-las em prática no nosso dia a dia ficamos com a perturbadora sensação que não funcionou como deveria.

Se nós fizermos uma comparação com a escola pública de anos atrás, fica bem visível que a quantidade de recursos era bem inferior e mesmo assim a qualidade do ensino e do aprendizado dos alunos no tocante ao interesse é com certeza bem superior aos dos dias atuais.

Tenho dito!



Nelson Lima é teatrólogo e ator

Comentários

  1. Grande Nelson, a educação tornou-se um campo de testes de ideologias, enquanto isso nossos estudantes são deformados. Uma lástima!

    ResponderExcluir

Postar um comentário


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.