Pular para o conteúdo principal

Avaliando o primeiro semestre - por Roberto Celestino


Foram-se os meus dias, os meus planos fracassaram...   Jó 17:11


Estamos entrando na segunda metade do ano. Passou tão rápido que daqui a pouco contemplaremos os primeiros raios de 2020 despontando no horizonte do tempo.

O que quero meditar, no entanto, é há seis meses atrás, muitos de nós prometíamos ao Senhor uma vida mais piedosa para o então novo ano. Fizemos planejamentos, alguns compraram uma agenda só pra isso, outros escreveram na contra capa de sua Bíblia, e ainda outros planejaram verbalmente diante do Senhor.



Ao findar a primeira metade do ano me pergunto: Quanto do que nós prometemos, ao menos nos esforçamos pra cumprir?

Não pergunto nem quantas pessoas “ganhamos” pra Cristo, mas pergunto a quantas pregamos o evangelho.

Não pergunto nem se estamos rigorosamente em dia com o Plano de Leitura Anual da Bíblia, mas se estamos ao menos lendo a Bíblia todo dia.

Estamos dedicando o tempo prometido à oração? E a nossa freqüência à igreja, nos mantemos fiéis como prometemos?

Sei que muitos não saíram do lugar. Mas venho alertar que, apesar do tempo ter corrido, estamos ainda na metade do ano, dá tempo de rever os planejamentos, dá tempo de correr atrás das metas traçadas.

A imagem pode conter: Roberto Celestino
Mas é preciso fazer isso já. Não há mais tempo para adiar, para esperar, só dá tempo de agir, e agir rápido.






Roberto Celestino é Vice-Moderador da Primeira Igreja Batista em Taquaritinga do Norte-PE.

Comentários

  1. É isso meu amigo Roberto Celestino, já disse o poeta "O tempo não para", então vamos .corre em busca dos nossos ideais. muito boa sua reflexão.

    ResponderExcluir

Postar um comentário


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos.

A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores.
Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.



Como ajudar? As doaç…

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas.

Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas geraçõ…

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos.

A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados.
Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocupadas com…