Pular para o conteúdo principal

“Às vezes, sinto vergonha de ser político”, declara Sergio Meneguelli em Caruaru

Gestão pública eficiente, honesta e transparente. Este foi o tema da palestra proferida pelo atual prefeito de Colatina-ES, Sergio Meneguelli. O evento ocorreu no auditório do Shopping Difusora, em Caruaru-PE. Com cerca de 130 mil habitantes, o município de Colatina, no interior do Espírito Santo, foi apontado como um dos 100 melhores do Brasil para se investir, conforme levantamento publicado pela Revista Exame em novembro do ano passado.
 
Durante o evento, o prefeito lamentou a chamuscada imagem que a classe política apresenta perante à sociedade, afirmando que, por vezes sente “vergonha de ser político”. Para Meneguelli, troca de favores, corrupção e ineficiência na prestação dos serviços públicos são elementos históricos no Brasil que precisam ser combatidos. “A política hoje é vista como a pior mercadoria nas prateleiras”, comparou, não sem esclarecer que sente “orgulho por governar Colatina”.

Meneguelli contou um pouco de sua trajetória política, iniciada na infância quando participava de comícios em pleitos para a administração do seu município. Em um dos eventos em prol de determinado candidato, o então garoto disse que tinha o sonho de um dia ser prefeito de Colatina. Não por acaso, ele passou a se inserir no debate político local, de modo que foi eleito vereador por quatro vezes. Após decidir candidatar-se a prefeito, Sergio Meneguelli teve de enfrentar os entraves provocados na própria agremiação partidária. “Foi mais difícil ser candidato a prefeito do que ganhar as eleições”, pontuou.

Após ser eleito, com 30,24% dos votos válidos (19.689 em números cardinais), ele chamou a atenção da imprensa nacional ao chegar à cerimônia de posse de bicicleta, dispensando o uso de veículos oficiais. O gestor disse, ainda, que fez questão de literalmente “desmontar os palanques”, convocando integrantes de grupos adversários para compor o seu secretariado.

Durante a explanação, o prefeito testificou que recebeu o município com uma dívida de R$ 10 milhões, sem verba para merenda escolar e com escassez de água (provocada pela ruptura da barragem de Mariana-MG). Entre as ações iniciais do mandato, ele realizou mutirões para dirimir os problemas municipais. Ademais, o gestor passou um ‘pente fino’ nos casos de corrupção e irregularidades, como uma forma de melhor utilizar os recursos públicos.

Outra medida de destaque do prefeito foi o cancelamento das verbas para realização do Carnaval. “Eu tinha um histórico de ser muito festeiro, por também ser produtor cultural. Porém, eu não tive coragem de empregar dinheiro para o Carnaval ao ver escolas precisando de reforma”, explicou. Ele disse que foi, pessoalmente, às escolas de samba do município apresentar os motivos para o cancelamento das verbas. “Eu perguntava aos carnavalescos: Como você se sentiria se seu filho estivesse em uma escola precisando de reformas e soubesse que o prefeito está gastando os recursos com plumas e paetês?”, revelou. Ele salientou que recebeu críticas pontuais sobre esta decisão, mas manteve-se firme e, por fim, a sociedade assimilou a medida como positiva.

A corrupção no funcionalismo público foi um dos problemas apresentados pelo gestor, que deixou claro: “no serviço público, ninguém é corrupto sozinho”. Ademais, o líder apontou elementos como diminuição da Máquina pública, fim de privilégios, realocação de recursos e celebração de parcerias público-privadas como fundamentais para a eficiência na gestão pública.



Perguntado pelo jornalista Mário Flávio, que estava mediando o evento, o prefeito Sergio Meneguelli foi enfático ao declarar que não disputará a reeleição no próximo ano. “Acho injusto que novas lideranças que possam surgir tenham de enfrentar nas urnas políticos que estão com a máquina na mão”, justificou, antecipando que teria coragem de, quatro anos depois, participar novamente do pleito municipal.

Também provocado pela plateia, Meneguelli comentou sobre o Governo Bolsonaro. “Eu tenho de acreditar que vai ser um bom governo. Se não for, quem vai sofrer somos todos nós. Ele (o presidente) já mostrou que não tem medo de tomar medidas impopulares, o que indica que é um político que não pensa só nas próximas eleições mas sim nas próximas gerações”, opinou.

Por fim, o prefeito fez questão de salientar o papel do cidadão na construção de uma sociedade efetivamente democrática. “Dizem que uma andorinha só não faz verão, mas ela pode sujar a cabeça de muita gente (risos). Precisamos ter consciência da importância do nosso voto – afinal de contas, votar não é ajudar, mas nomear. E fazer a nossa parte também, até porque a corrupção não acontece apenas no meio político, e os políticos são representantes da sociedade”, finalizou.


Fotos: Larissa Albuquerque/ConTexto

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…