Pular para o conteúdo principal

Artigo | “Um forasteiro de Alagoas...” - por Oscar Mariano

Quem conhece um pouco da história de Caruaru, sabe que nossa amada cidade cresceu no entorno da Igreja da Conceição e que a feira, era e é o principal pulmão econômico do município, onde homens e mulheres trabalhavam e trabalham ainda hoje, mostrando a força que nosso comércio possui. Muitos destes cidadãos não são nascidos no “País de Caruaru”, mas contribuíram e contribuem para o desenvolvimento econômico desta cidade, que é conhecida por seu comércio diversificado e ainda em crescimento e onde tudo se encontra, como canta Onildo Almeida: “de tudo que há no mundo tem na Feira de Caruaru”.

Meus dois avôs, Oscar Mariano e Cordovil Dantas, foram homens que não nasceram em Caruaru, mas fizeram história, onde são lembrados ainda hoje. Pois, quem nunca ouviu falar no restaurante Brasileirinho, que vendia a famosa sopa de feijão, onde todos os dias centenas de trabalhadores iam se deliciar ao final de mais um dia de trabalho. Meu avô, Oscar, era o proprietário deste restaurante, porém veio morar muito cedo em Caruaru, vindo de sua cidade natal, Palmares – PE, onde começou trabalhando como garçom no antigo Guanabara, e depois de muito esforço iniciou seu próprio negócio, onde tinha aproximadamente 25 funcionários, e assim ajudou no desenvolvimento do município. Já o meu outro avô, Cordovil Dantas, era militar aposentado, radialista e seresteiro. Trabalhou em várias rádios e Caruaru, e durante décadas sempre aos sábados, cantava no Palace Hotel, onde os boêmios e admiradores de uma boa música, iam passar suas noites escutando músicas de Nelson Gonçalves, Altemar Dutra e tantos outros. Além, disto ele foi durante muito tempo, funcionário da Prefeitura Municipal, onde desempenhava sua função com muito zelo e amor por Caruaru.
Pois bem, o motivo desta explanação sobre meus avôs, é para mostrar que não é necessário nascer em Caruaru, para se fazer história e ajudar com o desenvolvimento da cidade. Não é obrigatoriamente ser nativo para amar ou lutar por melhorias para “Princesinha do Agreste”. Digo isto, por ter me incomodado com a fala do senhor João Lyra Neto, político tradicional de Caruaru, onde o mesmo disse numa rádio a seguinte frase: “Um forasteiro de Alagoas”. Ele quis com essa frase, atingir uma pessoa, porém quando disparamos palavras para atingir alguém, outras centenas podem ser atingidas. Ex-prefeito, meu avô Cordovil Dantas, era natural de Alagoas, nascido em Maceió, e era um apaixonado por Caruaru e pelo Central.

Acredito que o ex-prefeito deveria ter mais cuidado com as palavras, e evitar conceder entrevistas quando estiver com raiva de alguém, pois ofender as pessoas, além de ser deselegante, pode ser um tiro no pé, pois os “forasteiros” de diversos estados brasileiros e que moram em Caruaru, além de pagarem seus impostos municipais, também são eleitores.

Oscar Mariano
Neto de dois “forasteiros”




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…