Pular para o conteúdo principal

Artigo | “Um forasteiro de Alagoas...” - por Oscar Mariano

Quem conhece um pouco da história de Caruaru, sabe que nossa amada cidade cresceu no entorno da Igreja da Conceição e que a feira, era e é o principal pulmão econômico do município, onde homens e mulheres trabalhavam e trabalham ainda hoje, mostrando a força que nosso comércio possui. Muitos destes cidadãos não são nascidos no “País de Caruaru”, mas contribuíram e contribuem para o desenvolvimento econômico desta cidade, que é conhecida por seu comércio diversificado e ainda em crescimento e onde tudo se encontra, como canta Onildo Almeida: “de tudo que há no mundo tem na Feira de Caruaru”.

Meus dois avôs, Oscar Mariano e Cordovil Dantas, foram homens que não nasceram em Caruaru, mas fizeram história, onde são lembrados ainda hoje. Pois, quem nunca ouviu falar no restaurante Brasileirinho, que vendia a famosa sopa de feijão, onde todos os dias centenas de trabalhadores iam se deliciar ao final de mais um dia de trabalho. Meu avô, Oscar, era o proprietário deste restaurante, porém veio morar muito cedo em Caruaru, vindo de sua cidade natal, Palmares – PE, onde começou trabalhando como garçom no antigo Guanabara, e depois de muito esforço iniciou seu próprio negócio, onde tinha aproximadamente 25 funcionários, e assim ajudou no desenvolvimento do município. Já o meu outro avô, Cordovil Dantas, era militar aposentado, radialista e seresteiro. Trabalhou em várias rádios e Caruaru, e durante décadas sempre aos sábados, cantava no Palace Hotel, onde os boêmios e admiradores de uma boa música, iam passar suas noites escutando músicas de Nelson Gonçalves, Altemar Dutra e tantos outros. Além, disto ele foi durante muito tempo, funcionário da Prefeitura Municipal, onde desempenhava sua função com muito zelo e amor por Caruaru.
Pois bem, o motivo desta explanação sobre meus avôs, é para mostrar que não é necessário nascer em Caruaru, para se fazer história e ajudar com o desenvolvimento da cidade. Não é obrigatoriamente ser nativo para amar ou lutar por melhorias para “Princesinha do Agreste”. Digo isto, por ter me incomodado com a fala do senhor João Lyra Neto, político tradicional de Caruaru, onde o mesmo disse numa rádio a seguinte frase: “Um forasteiro de Alagoas”. Ele quis com essa frase, atingir uma pessoa, porém quando disparamos palavras para atingir alguém, outras centenas podem ser atingidas. Ex-prefeito, meu avô Cordovil Dantas, era natural de Alagoas, nascido em Maceió, e era um apaixonado por Caruaru e pelo Central.

Acredito que o ex-prefeito deveria ter mais cuidado com as palavras, e evitar conceder entrevistas quando estiver com raiva de alguém, pois ofender as pessoas, além de ser deselegante, pode ser um tiro no pé, pois os “forasteiros” de diversos estados brasileiros e que moram em Caruaru, além de pagarem seus impostos municipais, também são eleitores.

Oscar Mariano
Neto de dois “forasteiros”




Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup