Pular para o conteúdo principal

Artigo | Jingles, não vão faltar - por Oscar Mariano


Sempre escutamos que o dinheiro utilizado nos municípios, são dos impostos arrecadados a exemplo do IPTU, ISS entre outros. Além de verbas federais e estaduais, que são muitas vezes destinadas por deputados daquela cidade ou região, mas que esses valores também vão para os cofres públicos, graças as centenas de impostos que pagamos todos os meses. Ou seja, grande parte do dinheiro empregado nas obras, educação, saúde e melhorias das cidades, estados e país, sai do nosso bolso.

Infelizmente, escutamos e presenciamos o uso deste dinheiro aplicado em certas ações, que nos levam a reflexão. A exemplo do contrato* que a Prefeitura Municipal de Caruaru, realizou no último  dia 23 de julho, onde contratou uma empresa para o fornecimento de carro de som, pelo valor de R$ 470.400,00 (Quatrocentos e setenta mil e quatrocentos reais, no período de um ano. Se não bastasse o valor, outro ponto de observação é a quantidade de horas disponíveis no contrato, pois são simplesmente 9.800 horas. Ora, se calcularmos a quantidade de horas num ano, teremos 8.760 horas, ou seja, tem horas sobrando nesse contrato.

Outro ponto que podemos analisar, é que se colocarmos o número mínimo de carros, no minímo três, e fizermos a conta destes trabalhando oito horas, de segunda a sexta, teremos 480h/mês, onde ainda teremos no final do contrato oito meses de veiculação. Uma pergunta fica no ar: Por que um investimento tão alto em apenas uma mídia? Visto que carro de som, não pode circular em várias ruas de Caruaru, a exemplo do centro da cidade. Por que não utilizar rádio, TV, panfletos informativos?

Precisamos exercer cada vez mais nosso papel de cidadão, pois nao adianta darmos nosso voto, nossa confiança e não fiscalizarmos o trabalho do gestor. Afinal de contas, o dinheiro aplicado no município de Caruaru, é meu, é seu. Então, precisamos estar de olhos bem abertos, pois o jingle pode ser bonito, mas o resultado nem sempre é o divulgado.

* A informação consta no Diário Oficial do Município do dia 23//07/2019, página 54 (diario-oficial.caruaru.pe.gov.br).



Oscar Mariano é pós-graduando em Ciência Política

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio