Pular para o conteúdo principal

Altos Papos | A geração dos “descartáveis” - por Davi Geffson

Não serve, joga fora! Essa expressão é comum na cabeça de muita gente, infelizmente, estamos mergulhados na geração dos descartáveis, o outro tornou-se um objeto de uso, que após ser usado, se não demonstrar mais serventia será descartado e voltará ao seu lugar de “inutilidade”. Uma frieza perigosa tem tomado conta do coração do ser humano que tem coisificado o ser humano, e tem humanizado as coisas.

RitaE/Pixabay 


Existem pessoas que só se aproximam de alguém que tenha algum benefício para lhe ofertar, entretanto, não foi para isto que fomos chamados à existência. Estamos aqui para servir e influenciar na vida do outro. Coisificar o ser humano, faz com que o nosso próximo sinta-se usado, não amado. Precisamos estar com as pessoas pelo que elas são, não por aquilo que têm.

Cada ser humano tem suas limitações e nem sempre servirão para realizar todas as tarefas que designarmos, existirão momentos que o sábio precisará de auxílio e não conseguirá realizar tal atividade, enquanto isso o leigo poderá ser o seu instrutor e dar conta do recado. Nesta vida não passamos de aprendizes, em que não sabemos de tudo e nem saberemos, afinal, nem graça teria se assim fosse.

Contudo, o que está em jogo é esse jeito de tratar as pessoas como se fossem “objetos utilitários”, isso precisa ser mudado, isto tem esfriado os sentimentos e o lado humano de cada Ser, até quando precisamos abraçar tanto as coisas e deixar as pessoas escorrerem pelos nossos dedos? Entenda que são as pessoas que fazem as coisas, jamais as coisas poderão fazer as pessoas.

Ou buscamos um novo jeito de olhar para o ser humano, ou não passaremos de consumidores desenfreados, em que tudo vira mercadoria e nós mesmos acabaremos nos tornando o mais baixo produto. Afinal, existem pessoas que são tão coisificadas que não conseguem sair da prateleira, vivem recebendo poeira e nunca enxerga a grandeza que existe além da embalagem. Quem muito descarta, um dia será descartado. Pense nisso!


Davi Geffson é mercadólogo e universitário de Letras

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio