Pular para o conteúdo principal

Sem Aspas | O mito destruído - por Amanda Rocha

Muito antes de o atual presidente galgar gritos de multidões taxando-o mito, outro presidente, embora não fosse assim nomeado, era ovacionado por grande parte da sociedade brasileira, sobre ele pairou a esperança de transformação da pátria, essa postura fora respaldada pela efervescente e maravilhosa onda econômica que tomou o mundo ocidental no início do novo milênio. A chamada fase de crescimento e prosperidade que iniciou nos anos 2002 fez brotar entre os brasileiros (ao menos em grande parte deles) sentimento de gratidão. As pessoas direcionaram a responsabilidade de seus êxitos não aos seus esforços pessoais, mas sim à figura do presidente da república.



Na terra do canarinho dar o peixe faz mais sucesso que o ensinar a pescar, é a lei no menor esforço em sua perfeita atuação, destarte, vale mais um Bolsa Família a um emprego formal. Assim, o mito Luiz Inácio Lula da Silva emergiu como o cuidador dos pobres, um restaurador e transformador dos aspectos políticos, sociais e culturais brasileiros. As minorias tornaram-se o foco e mudanças legislativas impactaram a sociedade conservadora.

Em meio a grande fartura econômica colhida (não plantada) pelo então presidente, políticas de ampliação dos meios de financiamento estimulou o crédito e consequentemente a compra de bens às diversas camadas sociais. De igual modo, vislumbrou-se a extensão de programas de financiamento estudantil que culminou num acréscimo do acesso ao ensino superior. Apenas um ser insano não se felicitaria com a redução da miséria e a ascensão de diversas famílias à classe média, bem como o aumento de pessoas que ingressaram às universidades do país. Todavia, o problema reside nos mecanismos escolhidos para alcançar tais benesses, se é que os bens concedidos superam aos males que nos deixaram por herança. Para ampliar o número de egressos à classe média, o Partido dos Trabalhadores (PT) estabeleceu novos critérios para a identificação da classe citada, a qual em 2012 foi reduzida para as cifras de R$291,00 a R$1.019,00, anos depois revisada, mas na época o PT encontrou um contorno para ampliar a classe média, sem necessariamente aumentar a renda dos brasileiros, uma perfeita maquiagem dos números. Exercício do ofício que a esquerda desempenha com grande presteza: o engodo. Ao abordar a questão do acesso ao ensino superior, há de se concordar que em números o acesso foi garantido, ao mesmo passo que a qualidade do ensino decaíra. O Instituto Paulo Montenegro e a ONG Ação Educativa, parceiros na criação do Indicador de Alfabetismo Funcional – INAF, afirmou que 38% dos universitários brasileiros, ainda na era PT, eram analfabetos funcionais.

O PT não foi o primeiro partido a praticar corrupção em território nacional, tão pouco o único a utilizar-se da máquina pública para concretizar planos pessoais, mas certamente foi o que com maior perspicácia e audácia pôs em prática um plano de poder e para isso orquestrou de forma orgânica a prática da corrupção. Para alcançar seus intentos, o PT fez uso dos instrumentos mais sórdidos. Foi o Mensalão, o Petrolão, a doutrinação político-ideológica, os ataques a moral pública, a crise ética, o desemprego, a inflação, o empobrecimento cultural. Para os envoltos do sentimento de gratidão, rememoremos um pouco das maravilhas entregues aos brasileiros pela administração petista:

1.    Dívida pública brasileira de quase três trilhões, mais que o dobro em relação à data que iniciou o governo no ano 2003;
2.    Mais de 42 mil leitos fechados no SUS entre 2005 e 2012, e 23.565 leitos do SUS entre 2010 e 2015, conforme pesquisa do Conselho Nacional de Medicina com base em dados do Ministério da Saúde;
3.    Corte da lista do SUS o mesmo medicamento usado pela ex-presidente Dilma Rousseff quando foi acometida de câncer;
4.    Proposta Orçamentária enviada ao Congresso Nacional em 2015, para exercício em 2016, extinguindo as verbas do Farmácia Popular. Um corte de R$ 578 Milhões, e redução drástica dos repasses para o SAMU e as UPAs. Corte total proposto de R$ 3,8 bilhões;
5.    Os dados do Atlas da Violência, pesquisa feita em parceria entre o IPEA e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública - FBSP, com base no Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM, do Ministério da Saúde, apontou, em 2014, uma taxa de homicídios que ultrapassou os 60 mil mortos ao ano;
6.    Transposição do Rio São Francisco estimulada em 3,4 bilhões, com previsão de inauguração da obra para 2010, mas para beneficiar grandes empreiteiras e desviar verbas públicas, ocorreu o aumento dos custos em 71%. A era PT encerrou sem que a transposição fosse concluída;
7.    Em 2015, ano da Pátria Educadora, a gestão petista cortou R$ 10,5 bilhões do orçamento da educação, atingindo diretamente FIES, PRONATEC, salários, projetos e pesquisas (não recordo de nenhuma greve contra fato tão horrendo);
8.    O Brasil galgou, em 2015, a 60° posição mundial no ranking de educação da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico - OCDE, à frente apenas dos países como Indonésia e Gana;
9.    Segundo a UNESCO 38% de todos os analfabetos da América Latina são brasileiros;
10. O PT levou a falência 1,8 milhão de empresas só em 2015, conforme a Neoway publicou em 10/10/16 no Caderno de Economia do Estadão;
11.  O Brasil foi afundado na maior taxa de desemprego que se tem notícia, segundo o IBGE e segundo a Organização Internacional do Trabalho – OIT a cada cinco desempregados no planeta, um é brasileiro.
12. Os casos Pasadena, Petrobrás, Eletrobrás, Embrapa, Abreu e Lima, Angra 3, PAC, etc.;
13. O tríplex, o Sítio de Atibaia, lavagem de dinheiro, etc.


O leitor se quedaria cansando se fossem elencados um a um os males gestados por Lula e Dilma, mas pincele-se ainda um pouco o atraso do setor industrial, a ausência de reformas, a estagnação na produtividade do trabalhador, as relações infames com ditaduras e a Grande Recessão Brasileira. Tantos problemas que assolam os brasileiros, mas a hipocrisia faz os mesmos autores do dano lançarem-se como salvadores da nação.

A arrogância, a prepotência e o mau-caratismo do ex-presidente e atual presidiário já estão mais que comprovados, qual ser se autoproclamaria a alma viva mais honesta desse mundo de forma sã? Quem faria discursos políticos naturalmente durante o sepultamento de sua esposa? Quem antes de sua entrega à prisão faria um discurso embriagado? Seria este o homem digno de alugar a Suprema Corte desse país para julgar sua liberdade, sobretudo, com sua arguição embasada em mensagens obtidas por vias ilegais, ainda mais quando estas meramente revelam que o juiz que o condenou estava disposto a combater a corrupção no país?

Certamente a jornalista Mônica Bergamo está correta ao dizer que “bateu o desespero” no ex-presidente Lula, o medo de ser lançado ao ostracismo já fez até mesmo o velho petista recorrer a técnicas dignas de participantes de reality shows, quando, após dezenas de entrevistas sem a repercussão esperada, o ex-metalúrgico recorreu às páginas de fofoca e divulgou seu novo relacionamento amoroso, vale tudo para manter-se na mídia. A dificuldade é de perceber que a população já não mais atende aos seus chamados e recusam-se a estarem de forma numerosa nas ruas clamando por sua liberdade. Lula ainda não percebeu que sua história como líder acabou.  Sobre sua condenação o presidiário também desconsidera que não apenas um juiz a impôs, mas essa sentença fora confirmada por outras duas instâncias jurídicas, o que descaracteriza o argumento de perseguição política. Lula não é um preso político, é um mau-caráter, corrupto que deve pagar com todo rigor da lei por seus atos pestilentos. Políticos de sua estirpe são como cânceres que corroem nossa sociedade e devem ser extirpados.

O Supremo Tribunal Federal e as demais instâncias da justiça brasileira não podem conceder vantagens a um criminoso pelo fato de ele ter sido o presidente da república, inclusive, esse seria motivo para enrijecer sua punição, pois sequer casa-se ao discurso de seus aliados, o que alude ao fato de o bandido ser vítima da sociedade. Há uma inversão de papéis, pois ele foi o vilão e a sociedade sua vítima.

Todo o apelo à soltura de um dos maiores criminosos que pisou este solo, a superproteção a criminosos que ainda detêm o foro privilegiado e as manobras para impor leis de cunho ideológico e de perseguição à maioria da população brasileira deixam claro que o STF tem extrapolado suas funções e ferido a Constituição para legislar e governar o Brasil contra a vontade dos brasileiros. Cada poder deve desempenhar exclusivamente suas funções, sem vieses ideológicos, respeitando a Constituição e, especialmente, atendendo aos anseios da sociedade que representam.



A indicação de livro hoje é Esquerda Caviar, de Rodrigo Constantino. Deus vos abençoe.




Amanda Rocha é professora e escritora

Comentários

  1. Toda soberba precede uma queda... e a ganância cega o entendimento.
    Fazendo uma análise cordial...
    Intitular-se símbolo de honestidade chafurdando num lamaçal de corrupção... só pra quem
    viveu uma vida inteira na
    mentira acreditando ser verdade...

    "Todo ser humano tem quatro áreas em sua vida:
    Área transparente, área
    escondida, área cega e área oculta..." (parte de uma mensagem, adaptada por B.S.A.)
    Exemplificando:
    "Área transparente, é aquela que todos vêem...
    Área escondida, é aquela que esconde-se dos outros...
    Área Cega, só os outros
    vêem...
    Área oculta, ninguém vê, só Deus.
    Que ponto um ser humano chega onde essas áreas se misturam?!
    Vale a pena?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…