Pular para o conteúdo principal

Sem Aspas | O mito destruído - por Amanda Rocha

Muito antes de o atual presidente galgar gritos de multidões taxando-o mito, outro presidente, embora não fosse assim nomeado, era ovacionado por grande parte da sociedade brasileira, sobre ele pairou a esperança de transformação da pátria, essa postura fora respaldada pela efervescente e maravilhosa onda econômica que tomou o mundo ocidental no início do novo milênio. A chamada fase de crescimento e prosperidade que iniciou nos anos 2002 fez brotar entre os brasileiros (ao menos em grande parte deles) sentimento de gratidão. As pessoas direcionaram a responsabilidade de seus êxitos não aos seus esforços pessoais, mas sim à figura do presidente da república.



Na terra do canarinho dar o peixe faz mais sucesso que o ensinar a pescar, é a lei no menor esforço em sua perfeita atuação, destarte, vale mais um Bolsa Família a um emprego formal. Assim, o mito Luiz Inácio Lula da Silva emergiu como o cuidador dos pobres, um restaurador e transformador dos aspectos políticos, sociais e culturais brasileiros. As minorias tornaram-se o foco e mudanças legislativas impactaram a sociedade conservadora.

Em meio a grande fartura econômica colhida (não plantada) pelo então presidente, políticas de ampliação dos meios de financiamento estimulou o crédito e consequentemente a compra de bens às diversas camadas sociais. De igual modo, vislumbrou-se a extensão de programas de financiamento estudantil que culminou num acréscimo do acesso ao ensino superior. Apenas um ser insano não se felicitaria com a redução da miséria e a ascensão de diversas famílias à classe média, bem como o aumento de pessoas que ingressaram às universidades do país. Todavia, o problema reside nos mecanismos escolhidos para alcançar tais benesses, se é que os bens concedidos superam aos males que nos deixaram por herança. Para ampliar o número de egressos à classe média, o Partido dos Trabalhadores (PT) estabeleceu novos critérios para a identificação da classe citada, a qual em 2012 foi reduzida para as cifras de R$291,00 a R$1.019,00, anos depois revisada, mas na época o PT encontrou um contorno para ampliar a classe média, sem necessariamente aumentar a renda dos brasileiros, uma perfeita maquiagem dos números. Exercício do ofício que a esquerda desempenha com grande presteza: o engodo. Ao abordar a questão do acesso ao ensino superior, há de se concordar que em números o acesso foi garantido, ao mesmo passo que a qualidade do ensino decaíra. O Instituto Paulo Montenegro e a ONG Ação Educativa, parceiros na criação do Indicador de Alfabetismo Funcional – INAF, afirmou que 38% dos universitários brasileiros, ainda na era PT, eram analfabetos funcionais.

O PT não foi o primeiro partido a praticar corrupção em território nacional, tão pouco o único a utilizar-se da máquina pública para concretizar planos pessoais, mas certamente foi o que com maior perspicácia e audácia pôs em prática um plano de poder e para isso orquestrou de forma orgânica a prática da corrupção. Para alcançar seus intentos, o PT fez uso dos instrumentos mais sórdidos. Foi o Mensalão, o Petrolão, a doutrinação político-ideológica, os ataques a moral pública, a crise ética, o desemprego, a inflação, o empobrecimento cultural. Para os envoltos do sentimento de gratidão, rememoremos um pouco das maravilhas entregues aos brasileiros pela administração petista:

1.    Dívida pública brasileira de quase três trilhões, mais que o dobro em relação à data que iniciou o governo no ano 2003;
2.    Mais de 42 mil leitos fechados no SUS entre 2005 e 2012, e 23.565 leitos do SUS entre 2010 e 2015, conforme pesquisa do Conselho Nacional de Medicina com base em dados do Ministério da Saúde;
3.    Corte da lista do SUS o mesmo medicamento usado pela ex-presidente Dilma Rousseff quando foi acometida de câncer;
4.    Proposta Orçamentária enviada ao Congresso Nacional em 2015, para exercício em 2016, extinguindo as verbas do Farmácia Popular. Um corte de R$ 578 Milhões, e redução drástica dos repasses para o SAMU e as UPAs. Corte total proposto de R$ 3,8 bilhões;
5.    Os dados do Atlas da Violência, pesquisa feita em parceria entre o IPEA e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública - FBSP, com base no Sistema de Informações sobre Mortalidade - SIM, do Ministério da Saúde, apontou, em 2014, uma taxa de homicídios que ultrapassou os 60 mil mortos ao ano;
6.    Transposição do Rio São Francisco estimulada em 3,4 bilhões, com previsão de inauguração da obra para 2010, mas para beneficiar grandes empreiteiras e desviar verbas públicas, ocorreu o aumento dos custos em 71%. A era PT encerrou sem que a transposição fosse concluída;
7.    Em 2015, ano da Pátria Educadora, a gestão petista cortou R$ 10,5 bilhões do orçamento da educação, atingindo diretamente FIES, PRONATEC, salários, projetos e pesquisas (não recordo de nenhuma greve contra fato tão horrendo);
8.    O Brasil galgou, em 2015, a 60° posição mundial no ranking de educação da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico - OCDE, à frente apenas dos países como Indonésia e Gana;
9.    Segundo a UNESCO 38% de todos os analfabetos da América Latina são brasileiros;
10. O PT levou a falência 1,8 milhão de empresas só em 2015, conforme a Neoway publicou em 10/10/16 no Caderno de Economia do Estadão;
11.  O Brasil foi afundado na maior taxa de desemprego que se tem notícia, segundo o IBGE e segundo a Organização Internacional do Trabalho – OIT a cada cinco desempregados no planeta, um é brasileiro.
12. Os casos Pasadena, Petrobrás, Eletrobrás, Embrapa, Abreu e Lima, Angra 3, PAC, etc.;
13. O tríplex, o Sítio de Atibaia, lavagem de dinheiro, etc.


O leitor se quedaria cansando se fossem elencados um a um os males gestados por Lula e Dilma, mas pincele-se ainda um pouco o atraso do setor industrial, a ausência de reformas, a estagnação na produtividade do trabalhador, as relações infames com ditaduras e a Grande Recessão Brasileira. Tantos problemas que assolam os brasileiros, mas a hipocrisia faz os mesmos autores do dano lançarem-se como salvadores da nação.

A arrogância, a prepotência e o mau-caratismo do ex-presidente e atual presidiário já estão mais que comprovados, qual ser se autoproclamaria a alma viva mais honesta desse mundo de forma sã? Quem faria discursos políticos naturalmente durante o sepultamento de sua esposa? Quem antes de sua entrega à prisão faria um discurso embriagado? Seria este o homem digno de alugar a Suprema Corte desse país para julgar sua liberdade, sobretudo, com sua arguição embasada em mensagens obtidas por vias ilegais, ainda mais quando estas meramente revelam que o juiz que o condenou estava disposto a combater a corrupção no país?

Certamente a jornalista Mônica Bergamo está correta ao dizer que “bateu o desespero” no ex-presidente Lula, o medo de ser lançado ao ostracismo já fez até mesmo o velho petista recorrer a técnicas dignas de participantes de reality shows, quando, após dezenas de entrevistas sem a repercussão esperada, o ex-metalúrgico recorreu às páginas de fofoca e divulgou seu novo relacionamento amoroso, vale tudo para manter-se na mídia. A dificuldade é de perceber que a população já não mais atende aos seus chamados e recusam-se a estarem de forma numerosa nas ruas clamando por sua liberdade. Lula ainda não percebeu que sua história como líder acabou.  Sobre sua condenação o presidiário também desconsidera que não apenas um juiz a impôs, mas essa sentença fora confirmada por outras duas instâncias jurídicas, o que descaracteriza o argumento de perseguição política. Lula não é um preso político, é um mau-caráter, corrupto que deve pagar com todo rigor da lei por seus atos pestilentos. Políticos de sua estirpe são como cânceres que corroem nossa sociedade e devem ser extirpados.

O Supremo Tribunal Federal e as demais instâncias da justiça brasileira não podem conceder vantagens a um criminoso pelo fato de ele ter sido o presidente da república, inclusive, esse seria motivo para enrijecer sua punição, pois sequer casa-se ao discurso de seus aliados, o que alude ao fato de o bandido ser vítima da sociedade. Há uma inversão de papéis, pois ele foi o vilão e a sociedade sua vítima.

Todo o apelo à soltura de um dos maiores criminosos que pisou este solo, a superproteção a criminosos que ainda detêm o foro privilegiado e as manobras para impor leis de cunho ideológico e de perseguição à maioria da população brasileira deixam claro que o STF tem extrapolado suas funções e ferido a Constituição para legislar e governar o Brasil contra a vontade dos brasileiros. Cada poder deve desempenhar exclusivamente suas funções, sem vieses ideológicos, respeitando a Constituição e, especialmente, atendendo aos anseios da sociedade que representam.



A indicação de livro hoje é Esquerda Caviar, de Rodrigo Constantino. Deus vos abençoe.




Amanda Rocha é professora e escritora

Comentários

  1. Toda soberba precede uma queda... e a ganância cega o entendimento.
    Fazendo uma análise cordial...
    Intitular-se símbolo de honestidade chafurdando num lamaçal de corrupção... só pra quem
    viveu uma vida inteira na
    mentira acreditando ser verdade...

    "Todo ser humano tem quatro áreas em sua vida:
    Área transparente, área
    escondida, área cega e área oculta..." (parte de uma mensagem, adaptada por B.S.A.)
    Exemplificando:
    "Área transparente, é aquela que todos vêem...
    Área escondida, é aquela que esconde-se dos outros...
    Área Cega, só os outros
    vêem...
    Área oculta, ninguém vê, só Deus.
    Que ponto um ser humano chega onde essas áreas se misturam?!
    Vale a pena?

    ResponderExcluir

Postar um comentário


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid