Pular para o conteúdo principal

Sem Aspas | O gatinho que sonhou ser leão - por Amanda Rocha

Era um dia comum naquela Floresta de Novo Verde. Os animas realizavam seus afazeres normalmente. O Urso irritava as Abelhas em busca de mel. Os Passarinhos namoravam em seus ninhos. O Macaco fazia graça para os tatus. As cigarras cantarolavam enquanto as formigas armazenavam alimento. A Coruja preparava o discurso para a reunião florestal daquela noite, isso antes de dormir pouco mais. A Tartaruga treinava para outra vez desafiar o Coelho numa corrida. Enquanto tudo isso ocorria, o Leão descansava. Era temido por todos, redigira as regras daquela região, todos o obedeciam, requisito para manterem-se sob seus cuidados em caso de ataques de animais desconhecidos. Exímio predador e protetor de seu território, sob sua liderança a Floresta sofrera apenas uma tentativa de invasão, falida, pois o leão lutou bravamente e impediu que os invasores adentrassem a floresta. Embora por vezes rude, tinha um coração bondoso, dedicado, estava atento às necessidades de todos os integrantes daquela floresta. Era um ambiente rico em recursos naturais: rios e cascatas, frutos doces e suculentos. Um verdadeiro paraíso. Parecia-lhes um dia comum, todavia, marcaria a mudança da paz para uma completa confusão. Quem imaginaria que um pequeno gatinho, preguiçoso e dengoso, residente da cidade grande, usuário de todas as regalias que apenas os seus donos eram capazes de conceder-lhe, teria um surto após tanto ouvir programas televisivos e tagarelantes autointitulados músicos que repetiam o jargão “você pode ser o que quiser” e chegaria à floresta para revolucioná-la. Gafrieco, assim nomeado por seus tutores, era fã das séries sobre safares africanos e alimentava as esperanças de tornar-se um leão destemido, nem que fosse um leão branco, já que era essa a tonalidade de seus pelos, seria o líder de um reino. Ansiava ampliar suas regalias, detestava ter de enterrar seus excrementos, pensava que como rei poderia determinar que outro fizesse esse trabalho sujo.



Numa manhã de sábado, enquanto seus donos ainda labutavam, o Gafrieco, inspirado pelo novo ritmo do pop star Paco Avatar, determinou-se a sair de casa. Caminhou por longas horas, já tarde, deitou-se sob uma marquise, estava cansado e sentia fome, até cogitou a possibilidade de retornar, era tarde, já havia se perdido. Lembrou-se apenas que há ao menos quatro horas não deixara rastro de sua passagem, primeiro para que não pudessem encontrá-lo, segundo para que no arrependimento não retornasse, mesmo assim, pensou em descansar um pouco e tentar voltar a casa quando fora surpreendido por um bando de animais que a princípio não conseguira identificar, eram um misto de cães ou gatos com diversas outras espécies. Eles literalmente eram o que queriam ser, numa versão adaptada, por consequência das dificuldades encontradas na rua. Lá viviam, na rua. Caçavam diariamente o alimento já fétido e morto. Em maioria eram ríspidos, gananciosos e mesquinhos, gabavam-se por suas formas de vida. Rejeitavam tudo que se opunha as suas formas de viver, tratavam de nomeá-los intransigentes, mas eles mesmos não negociavam sequer a escuta de um oponente numa discussão, sobre quaisquer que fossem as motivações. Escondiam-se da carrocinha, um, talvez dois ou três atrevidos ousaram enfrentá-la sob o argumento de serem animais selvagens de grande porte, mas foram vencidos, passaram a alegar transanimalfobia. A carrocinha parecia-lhes fundamentalista, apegada às leis vigentes, então, formaram um movimento para combatê-la, ao passo que percebiam a necessidade de ir além: combater às leis, ocupar espaços e exigir por visibilidade. Queriam sair da penumbra dos becos quase fúnebres onde escolheram morar e migrar para os holofotes que já iluminavam seus ídolos precursores.

Gafrieco envolveu-se com eles, esqueceu sua casa, tratou de engavetar as saudades das boas rações que lhes eram servidas e dos carinhos ao final da tarde. Atraía-se cada vez mais pela ideia de tornar-se um leão, seria o líder do grupo, teria quem enterrasse seus excrementos e buscasse alimentos apetitosos para servi-lo, tudo parecia indicar que seus sonhos se concretizariam, contudo aquele bando não atendia aos seus pedidos, conheciam profundamente as técnicas de persuasão usadas pelo branco e não mais felpudo Gafrieco, ensinaram-no tudo, mas as discussões pelo poder os afastavam. Viviam em constante competição. Até que o pequeno e arredio gato decidiu caminhar um pouco mais em busca de um lugar onde pudesse ser rei e, assim, chega-se ao início dessa história.

Era um dia comum na Floresta de Novo Verde, os animas realizavam seus afazeres normalmente quando foram surpreendidos por aquele pequeno animal, distinto dos demais daquele habitat. Amedrontados, iniciaram um barulho capaz de despertar a Coruja e o Leão de seus sonos matinais. O Leão rugiu fortemente, assim calou os demais que já haviam buscado abrigo no centro da floresta, o lugar de refúgio projetado pela senhora Coruja. O Gafrieco chegou cabisbaixo, ofegante, o Leão percebeu que não seria uma ameaça. A Coruja iniciou o questionário, ele respondeu apenas que estava cansado, queria água e um pouco de comida. Trêmulo, o Coelho, superando seu próprio recorde e deixando enciumada a Tartaruga, levou-lhe um pouco de água e comida e retornou para junto às patas do Leão.

Aos poucos o Gafrieco ganhou a confiança e admiração de muitos. Era um gato sofisticado, vivido, de conhecimento notório. Utilizou suas técnicas de argumentação e fora indicado para compor o Conselho Deliberativo da Floresta. A Coruja, o Leão e a Formiga possuíam ressalvas, mas não quiseram posicionar-se contrários aos membros da floresta por quem sentiam grande estima. Pouco a pouco os demais animais foram contagiados pelas ideias do Gafrieco e cada um dizia que seria o que quisessem ser. A Tartaruga logo autoproclamou-se um coelho, dizia ter velocidade ímpar e imperceptível aos olhos dos invejosos. O Macaco dizia-se humano e inventou uma nova língua, no que dificultou a comunicação com os demais animais e gerou uma pane na distribuição de remédios, pois ele era o enfermeiro da Floresta. O Urso declarou-se peixe, passou a viver doente, uma vez que não saía do rio, emagreceu por comer apenas larvas e alegava perseguição das aves as quais se defendiam ao afirmar serem tatus e iam às bordas dos rios apenas para beberem água.

A Coruja convocou uma reunião de urgência com a Formiga e o Leão. O caos estava instaurado, sentia-se culpada e clamava aos amigos uma solução. A Formiga disse que o Gato era um preguiçoso e estava abusando de seus colegas, nem mesmo seus excrementos enterrava, não plantava, não colhia. Os alimentos eram-lhe ofertados em seu lugar de repouso e os animais pareciam gratos a ele por suas palavras de estímulo. Estão loucos, rugiu o Leão. O pior está acontecendo, disse a Coruja, estão dizendo que o Gafrieco é um Leão, forte e corajoso e que não necessitam mais de sua proteção, pois ela lhes é muito pesada, você não reconhece seus sonhos e desejos. Jamais os impus algo, retrucou o Leão. A Formiga dirigindo-se à Coruja questionou quem havia lhe contado essas coisas, que contestou: um passarinho contou-me, ele é um dos poucos que não fora atingindo por essas ideias insanas do Gato. Enquanto conversavam, um tumulto se formou na frente da árvore central. Todos os animais descompassados exigiam a expulsão do Leão, Coruja e Formiga da comunidade. Era tanto barulho de bicho imitando outro que mal conseguiram dialogar. O Urso dizia que estava sem ar, precisava retornar ao rio. A Tartaruga reclamava a perda de tempo em que poderia estar treinando para a próxima competição de atletismo para coelhos. A bicharada toda estava agitada e os membros do Conselho Deliberativo da Floresta não conseguiram sequer expor uma única palavra de defesa. Foram conduzidos para fora da floresta e no mesmo instante o gato fora proclamado rei. Festejaram até o sol raiar. Os ex-conselheiros caminharam durante toda a noite e não sabiam para onde ir, dedicaram sua vida à floresta e não sabiam sequer como comportasse fora dela. A Formiga enroscada na juba do Leão lamentava tudo e cogitava planos. A Coruja reconhecia a culpa por negligência, o Leão calado ouvia-os sem saber o que responder. Ponderou e disse: seremos nós a nossa floresta, encontraremos um lugar para ficarmos. Seguiram e sem perceberem foram avistados pelos antigos desertores que outrora tentaram invadir a Floresta de Novo Verde. Estão cabisbaixos, o que será que está acontecendo? Questionou um tigre do bando. Há comentários que um gato da cidade assumiu o posto do Leão dizendo ser leão e os demais animais os expulsaram – contestou uma das hienas. Um gato será sempre um gato não importa que se ache um leão, sua força e astúcia são de um gato, ainda que use juba, vamos lá, hoje teremos um banquete, pontuou o líder dos desertores.



A indicação hoje é o conto A causa secreta, de Machado de Assis. Deus vos abençoe.




Amanda Rocha é professora e escritora.


Comentários

  1. Talvez possamos acrescentar um espelho na estória; 'adaptação pessoal', como peça do quebra-cabeças de uma selva de pedras desse maravilhoso mundo encantado.
    Apenas uma pequena observação!

    ResponderExcluir
  2. Acrescentando...
    Ou seria um mundo de espelhos???

    ResponderExcluir
  3. Apenas acrescentando...
    Ou seria um mundo de espelhos???
    #ficaadica

    ResponderExcluir
  4. Essa floresta NOVO VERDE parece ser no Brasil.

    ResponderExcluir
  5. Simplismente maravilhoso! Parabéns pela criatividade e leveza ao escrever! Contarei essa história aos meus alunos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…