Pular para o conteúdo principal

Sem Aspas | O dia do Terror - por Amanda Rocha


Sempre questionei o fato das peraltices de meninos receberem mais atenção e comentários, para mim prova apenas que eles não são capazes de realizar feitos sem que os adultos percebam. Eu mesma aprontei tantas coisinhas desonrosas para uma pequena e ingênua menina, nestes momentos, os irmãos possuem uma utilidade perfeita: receberem a bronca no nosso lugar.



Costumava ser assim, mas que culpa tenho de Luiz ser menino medonho, como já dizia minha avó, vivia aprontando e sendo descoberto, logo, se não viram quem fora o responsável por tamanho feito, era ele o culpado. Foi assim uma vez quando voltávamos da padaria, pressionei a campainha da casa de Dona Jaci, velha ranzinza do nosso bairro, e saí correndo, a velha saiu à porta e gritou "Luiiiiiiiizzzzz" e assim se foi o sábado do meu irmão, longe do Super Nintendo e do futebol.

Outra vez substitui, no pote, a farinha de mandioca pela farinha Láctea: "Luiiiiiiiizzzzz" gritou desta vez o meu pai. Mas, com o tempo, Luiz começou a defender-se, pouco lhe servia, pois a fama que galgara era maior que todos os seus argumentos.


Certa vez, me decidi a pregar-lhe uma peça, estávamos sós e a luz do sol que penetrava a casa através das fendas das telhas formava nas paredes desenhos cuja imaginação forjei para que fossem horrendos, e assim iniciou-se a nossa história de terror. "Luiz, você está vendo aquilo ali? Ah! O que é isso? Olhe Luiz, um fantasma, veja, ele está vindo em nossa direção ahhhhhh" os meus gritos e espantos tão convincentes foram capazes de produzir uma cena inédita, aquele pestinha que sempre me aborrecia, detentor de um discurso influenciado pelos filmes de super herói estava ali na minha frente apavorado, trêmulo, chorava, urrava, clamava por socorro. Eu era sua única ajuda, a única capaz de lhe socorrer, naquele momento eu era sua super heroína; então o peso da responsabilidade caiu sobre minha consciência. Tremi e passei a ver todos aqueles fantasmas vindo em nossa direção, gritamos juntos, sentamos no sofá, nos abraçamos, juramos que se sobrevivêssemos nunca mais aprontaríamos um com o outro, jurei nunca mais deixá-lo pagar por erros meus, ele jurou não quebrar meus brinquedos, nem jogar meus sapatos para o outro lado da rua. 

Naquele instante uma nuvem cobriu o sol e ouvimos um barulho na porta, nossos olhos encheram-se de lágrimas, fizemos declarações de amor que só os irmãos são capazes de fazer, nos beijamos e declaramos um ao outro que possuíamos o melhor irmão e irmã do mundo, nos abraçamos ainda mais fortes e fechamos os olhos. O barulho na porta aumentou, apenas ouvimos que alguém abria a porta e caminhava em nossa direção, quando uma mão nos tocou gritamos apavorados "que houve crianças, vocês estão bem?" Era a mamãe, neste instante empurramo-nos um ao outro, apontamos o indicador um para o outro e como numa sinfonia dissemos simultaneamente "a culpa é dele(a)".


A indicação de livro hoje é O Grande Mentecapto, do grandioso Fernando Sabino. Deus vos abençoe.


Amanda Rocha é professora e escritora

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…