Pular para o conteúdo principal

Sem Aspas | Dor e Paz - por Amanda Rocha




“Sim eu amo a mensagem da cruz, até morrer eu a vou proclamar…” nesse estribilho cantava a música utilizando-se de toda a força que ainda restara-lhe. A enfermidade devorava para além de sua carne, destruía a inércia da oração da congregação e, paradoxalmente, destruía os bancos vazios enchendo-os de almas sedentas que iam ouvi-lo declarar e comprovar o quanto excede qualquer entendimento a paz que sua fé concedia-lhe. Era um exemplo vivo de devoção, zelo e afinco à pregação do evangelho de Cristo. A bondade, a fidelidade, a alegria só encontraremos em Cristo, Ele é nossa esperança e conforto - prosseguia seu sermão como exemplo vivo, era a personificação de suas palavras, sequer necessitava pronunciá-las, mas fazia-o com desmedido prazer. Suas convicções exalavam de seus atos, suas palavras corroboravam, qualquer observador poderia dispensá-las, bastava a atitude. Exemplo de persistência e fé. Te adorarei, Senhor, não importam as circunstâncias - repetia, repetia, não cansava de repetir. Assim, distribuía confiança. Certeza no que não via, mas esperava. Antes mesmo que ele fosse alcançado pela cura da carne, muitos foram curados na alma, ele fora o canal. Não mostrou rancor ou insatisfação, não culpou Deus, era consciente que o padecer do justo poderia assemelhar-se ao do ímpio, mas este último padecia sem esperanças, o primeiro seguia pelo caminho que o conduzirá a premiação de gozo eterno, sem dores, sem lágrimas, um dia tudo aquilo cessará. O perder era lucro, seu corpo era momentâneo, algo maior o esperava e crendo nisso prosseguiu, certo de que havia propósito para aquele momento, disse apenas: eis-me aqui, envia-me. Assim, insistia em declarar que há um nome que está sobre todos os nomes, que é lindo, maravilhoso, conselheiro e príncipe da paz, paz, paz, declarava tudo em paz.




A indicação de livro hoje é Coragem para Viver de Max Lucado. Deus vos abençoe.


Amanda Rocha é professora e escritora.


Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio