Pular para o conteúdo principal

Crônicas e poesias | O auge dos festejos juninos - por Nelson Lima


Desde sábado até ontem se comemora na verdade os dias de São João do festejo junino. Cada um com seu jeito, cada um com sua intenção. Resolvi colocar essa poesia da poetisa Dilma França, presidente da Academia Caruaruense de Literatura de Cordel.





São João de Caruaru

Mês de junho em Caruaru
É cheio de animação
Nossa cidade se veste
De chita, bandeira e balão
Muita cor e alegria
Formando a decoração.

Ainda sentimos saudades
Do antigo Forrozão
Onde os bailes eram animados
Com muita bebida e quentão
E os casais de namorados
Na maior badalação.

E o nosso Trem do Forró?
Chegava na estação
Trazendo muitos turistas
Com amor no coração
Pra ver as coisas bonitas
Que tem no nosso São João.

Hoje, a festa começa
Com uma apresentação
Daqueles homenageados
Dos artistas contratados
O lançamento perfeito
De toda programação.

A abertura oficial
É no Pólo da Estação
O povão acompanhando
Com muita animação
Turistas choram e riem
Pois é grande a emoção.

Então começa o desfile
Com muitas autoridades
O povo todo aplaudindo
Encantado com a cidade
 Que parece uma princesa
Vestida de felicidade.







Tem a casa do repente
No pólo da estação
A igrejinha famosa
Onde se faz oração
E a Casa Mamusebá
Animando o povão.

E não podia faltar
O tão querido CORDEL
Numa casa muito linda
Sempre com público fiel
Que gosta de ouvir as trovas
Comendo sarapatel.


As fogueiras dão um brilho
E aquecem o coração
Os bacamartes, nem se fala
No desfile, é uma emoção
Os fogueteiros, que belos!
Dão um show de explosão.

E no Pátio de Eventos
De Luiz Lua, O Gonzagão
Tem de Elba a Azulão
Sem faltar nos Pés-de-Serra
E os artistas mais famosos
De toda uma região.

E o desfile junino
Na Avenida a passar?
Escolas participando
Alunos e professores
Todos na rua felizes
Para a festa abrilhantar.

Autoridades diversas
Que aqui vêm festejar
Ficam de boca aberta
Com as bandinhas de pífanos
Engrandecendo a cidade
Que muito tem pra mostrar.

Falar no Alto do Moura
Nos enche de emoção
A casa de Vitalino
Marliete e seus irmãos
E os bonequinhos de barro
Representando a Nação.

Tem as comidas gigantes
A canjica de Peladas (Povoado)
O maior cuscuz do mundo
A Pipoca e o milho assado
Tem o chocolate quente
Com menino, velho e moçada

Pamonha e Pé-de-Moleque
Tudo isso forma um leque
De pratos pra apreciar
Tem ainda o munguzá
Em um caldeirão enorme
Enfeitando o Arraial.

Nas barracas ornamentadas
Vem, feijão verde provar
Sentar e saborear
Tapioquinha do Amor
Feita com muito carinho
Pra seu desejo saciar.

E ainda tem a fogueira
Lá na Praça Dom Vital
Alguém diz que é a maior
Que é bonita e ornamental
Na verdade não sabemos
Se existe outra igual.

É assim a nossa festa
Muito mais tem pra contar
Porém, o melhor que eu faço
É por aqui mesmo parar
E convidar você amigo(a)
Para vir aqui brincar.

Tenha um feliz São João
Você e sua família
Cante, dance, pule, brinque
E comprove se é verdade
O que acabei de narrar
Garanto, você vai gostar!


Nelson Lima é teatrólogo e poeta

Comentários

Postar um comentário


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid