Pular para o conteúdo principal

Crônicas e poesias | O auge dos festejos juninos - por Nelson Lima


Desde sábado até ontem se comemora na verdade os dias de São João do festejo junino. Cada um com seu jeito, cada um com sua intenção. Resolvi colocar essa poesia da poetisa Dilma França, presidente da Academia Caruaruense de Literatura de Cordel.





São João de Caruaru

Mês de junho em Caruaru
É cheio de animação
Nossa cidade se veste
De chita, bandeira e balão
Muita cor e alegria
Formando a decoração.

Ainda sentimos saudades
Do antigo Forrozão
Onde os bailes eram animados
Com muita bebida e quentão
E os casais de namorados
Na maior badalação.

E o nosso Trem do Forró?
Chegava na estação
Trazendo muitos turistas
Com amor no coração
Pra ver as coisas bonitas
Que tem no nosso São João.

Hoje, a festa começa
Com uma apresentação
Daqueles homenageados
Dos artistas contratados
O lançamento perfeito
De toda programação.

A abertura oficial
É no Pólo da Estação
O povão acompanhando
Com muita animação
Turistas choram e riem
Pois é grande a emoção.

Então começa o desfile
Com muitas autoridades
O povo todo aplaudindo
Encantado com a cidade
 Que parece uma princesa
Vestida de felicidade.







Tem a casa do repente
No pólo da estação
A igrejinha famosa
Onde se faz oração
E a Casa Mamusebá
Animando o povão.

E não podia faltar
O tão querido CORDEL
Numa casa muito linda
Sempre com público fiel
Que gosta de ouvir as trovas
Comendo sarapatel.


As fogueiras dão um brilho
E aquecem o coração
Os bacamartes, nem se fala
No desfile, é uma emoção
Os fogueteiros, que belos!
Dão um show de explosão.

E no Pátio de Eventos
De Luiz Lua, O Gonzagão
Tem de Elba a Azulão
Sem faltar nos Pés-de-Serra
E os artistas mais famosos
De toda uma região.

E o desfile junino
Na Avenida a passar?
Escolas participando
Alunos e professores
Todos na rua felizes
Para a festa abrilhantar.

Autoridades diversas
Que aqui vêm festejar
Ficam de boca aberta
Com as bandinhas de pífanos
Engrandecendo a cidade
Que muito tem pra mostrar.

Falar no Alto do Moura
Nos enche de emoção
A casa de Vitalino
Marliete e seus irmãos
E os bonequinhos de barro
Representando a Nação.

Tem as comidas gigantes
A canjica de Peladas (Povoado)
O maior cuscuz do mundo
A Pipoca e o milho assado
Tem o chocolate quente
Com menino, velho e moçada

Pamonha e Pé-de-Moleque
Tudo isso forma um leque
De pratos pra apreciar
Tem ainda o munguzá
Em um caldeirão enorme
Enfeitando o Arraial.

Nas barracas ornamentadas
Vem, feijão verde provar
Sentar e saborear
Tapioquinha do Amor
Feita com muito carinho
Pra seu desejo saciar.

E ainda tem a fogueira
Lá na Praça Dom Vital
Alguém diz que é a maior
Que é bonita e ornamental
Na verdade não sabemos
Se existe outra igual.

É assim a nossa festa
Muito mais tem pra contar
Porém, o melhor que eu faço
É por aqui mesmo parar
E convidar você amigo(a)
Para vir aqui brincar.

Tenha um feliz São João
Você e sua família
Cante, dance, pule, brinque
E comprove se é verdade
O que acabei de narrar
Garanto, você vai gostar!


Nelson Lima é teatrólogo e poeta

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…