Pular para o conteúdo principal

Crônicas e Poesias | Fogueira...é pra que mesmo? - por Nelson Lima


Sobre a origem desse costume de ascender uma fogueira no dia de São João, o jornal, A Folha de São Paulo, diz:



“A tradição . . . está ligada ao culto do deus Sol, homenageado para que não se afaste muito da Terra e evite invernos rigorosos e estiagens longas”.

Embora, é lógico, para a Igreja Romana, isso teve início com a história de que Elizabete costumava visitar Maria, mãe do Senhor Jesus Cristo. Segundo a tradição Católica, que nesse caso mistura historicidade bíblico-canônica com “pura imaginação” sem criatividade, Elizabete disse a Maria que iria dar a luz um filho. Para dar um sinal a Maria que isso ocorreria, ela ascenderia uma fogueira e assim o fez. Quando Maria viu a fogueira, lembrou do sinal, e indo em sua direção, encontrou João, o futuro “Batista”, ainda bebê. – Cfr. Lc. i.1-45
Digo eu: Elizabete!? Com um pouco mais de atenção teriam corrigido esse erro, embora não altere em nada. Gostei dessa colocação - mistura historicidade bíblico-canônica com “pura imaginação” sem criatividade. Eu de minha parte, desconsidero esse suposto sinal. E mais uma vez digo, não altera em nada a vinda ao mundo desses dois gigantes do cristianismo: João e Jesus.
Lógico que se precisa ser muito “crédulo” pra achar que isso é verdade. A história mostra conclusivamente que a fogueira era um símbolo no culto do deus sol. O matutino La Vanguardia, de Barcelona, Espanha, admitiu que a festividade inteira realmente “representa a cristianização do solstício de verão”. Este evento astronômico, quando o sol parece cessar sua movimentação em direção ao norte ou ao sul, deu origem a festividades e folias licenciosas entre os antigos pagãos.
Mesmo colocando personagens cristãos para cristianizar, devemos nos lembrar que o fundo histórico de tudo isso é pagão, em adoração ao deus do sol.

Digo eu: Para mim ponto final. Não tem nenhuma relação com qualquer João que seja da Bíblia. Cristão crê e segue princípios de cristão. E se você diz que acende fogueira só para brincar em família e vizinhança; você diz que é para assar milho e tomar um bom vinho; você diz que é só para servir de suporte para brincadeiras das mais tradicionais como: a pescaria, o correio elegante, a cadeia, o tiro ao alvo, as argolas e a boca do palhaço; ou se você diz que é para clarear o terreiro, rua, quintal com atividades brincantes que além de divertirem, trabalham com a cognição, a coordenação, a criatividade, a concentração e desenvolve a interação social das crianças e demais pessoas, por que não faz isso o ano todo?

Pesquisa.
1ª fonte: Bíblia



Nelson Lima é teatrólogo e poeta.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio