Pular para o conteúdo principal

Artigo | O futuro do Polo de Confecções do Agreste - por Jorge Xavier


Sou natural do Agreste pernambucano e defensor do Polo de Confecções do Agreste. Cresci às margens da BR 104, vendo o desenvolvimento desse Polo, inicialmente Santa Cruz, Toritama e Caruaru e depois as mais de 30 cidades que hoje produzem moda na região. E nesses meus 44 anos, dediquei pelo menos 20 anos ao segmento têxtil e vi muita coisa acontecer por aqui, vi grandes empresas quebrarem, vi pessoas que passavam fome e hoje estão ricas, vi empresas de mais de 40 anos que hoje não existem mais (Triste), mas sobretudo vi crescer uma terra de oportunidades, aqui é lugar de oportunidades, só não trabalha quem não quer. Mas ultimamente esse Polo tem sofrido bastante, antes tínhamos pelo menos 4 meses bons de vendas: Maio e junho, novembro e dezembro, hoje se resume apenas a 2 semanas em junho e 2 em dezembro. Recentemente tive a informação que tem lojistas no Parque 18 de Maio fechando as portas e isso é ruim.

Essa região ainda é o motor da economia desse estado. Mas o que fazer? De quem é a culpa? Dos governantes? Dos empresários? Acredito que um pouco de cada. Acredito que algumas medidas precisam ser tomadas, por parte de todos, pois se não dermos as mãos e levantarmos a cabeça a situação ficará cada vez pior.

Acredito que o investimento em tecnologia é uma das saídas, afinal estamos na era da indústria 4.0 onde o domínio tecnológico se faz presente: A inteligência artificial, a análise de dados, os Chat bots (Robôs virtuais), podem e devem ser utilizados para alavancar as vendas também no seguimento de moda, sei que algumas empresas da região já começaram a utilizar algumas ferramentas, mas de forma ainda muito tímida, é preciso uma imersão nesse mundo virtual que tem se tornado cada vez mais real.

Acredito que uma outra saída é o incentivo a criação de cooperativas, pois leva desenvolvimento econômico para as cidades, pulveriza e diversifica cada vez mais a produção, a geração de emprego e distribuição de renda, com o cooperativismo você consegue baratear os custos de produção, consequentemente se torna mais competitivo, para isso o governo precisa desburocratizar a legislação. Conheço cidades pequenas que implantaram o sistema de cooperativas e estão muito bem, produzindo,  gerando emprego e renda a baixo custo.

Os governantes de uma forma geral precisam voltar os olhos para essa região, aqui, crescemos sem qualquer incentivo ou ajuda governamental, o único olhar que eles tinham era o de cobrar altos impostos e sufocar o pequeno empreendedor. É preciso investir e entender a força que tem essa região, precisamos de representantes sérios que sejam realmente comprometidos com essa causa, o que vemos nas cidades da região é apenas um revezamento de famílias que se perpetuam no poder e nunca sequer olharam para esse setor com os olhos de quem verdadeiramente coloca a mão na massa ou no pano. Mas não percamos a esperança, ainda existem alguns remanescentes que querem mudar a realidade dessa região.

Não me coloco aqui como dono da verdade, mas aberto a debater no campo das ideias sobre essa importante matriz econômica, que é o POLO DE CONFECÇÕES DO AGRESTE.




Jorge Xavier é empresário

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.