Pular para o conteúdo principal

Altos Papos | Uma sociedade rasa jamais dará mergulhos profundos! - por Davi Geffson


“Nossa que capa tão linda! AFF, mas as folhas são horríveis.” Quem nunca ouviu, ou até mesmo, não pronunciou tal frase? Você se depara com um caderno perfeito por fora, mas dentro, não te atrai nem um pouco, coisa comum na vida de todos os seres humanos, aquele famoso “preconceito”, antecipar um conceito ao que não se conhece.

Costumamos dar a nossa opinião sem mesmo conhecer o produto por completo, e com as pessoas não tem sido diferente. Vivemos no tempo das aparências, afinal, em uma sociedade imediatista pouco importa conhecer o conteúdo, a “capa” já irá dizer o que representa. É aí que mora o perigo!


Estamos rodeados dos mais diversos tipos de pessoas, com as mais variedades personalidades e desejos que não podemos conhecê-los apenas olhando de forma superficial. A maldade não se vê na aparência, a bondade também não. Estamos em uma época do “raso”, tudo é sem profundidade, é o tempo do mais ou menos, ama-se mais ou menos, doa-se mais ou menos, ouve-se mais ou menos, importa-se mais ou menos, mais ou menos e mais ou menos, é assim!

Poxa! Que chato isso! Quem vive de mais ou menos, jamais se sentirá completo, ou você é mais, ou você é menos, os dois não dá pra ser. O amor está em escassez, mas a preocupação maior é em satisfazer egos, deixar os status pomposos, é postar fotos com amigos, que nem são amigos e comentar “não vivo sem”, que mentira, vive louco pra se livrar.

É a geração da aparência, do tanto faz, nesse meio, sejamos o “mais”, do mais ou menos, sejamos o “conceito” antes do pré, enfim, sejamos gente, sejamos humanos, sejamos o outro em nós. Desse modo, repensemos a nossa geração, pois não foi o outro que mudou, fomos nós que mudamos. Pense nisso!





Davi Geffson é mercadólogo e estudante de Letras

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio