Pular para o conteúdo principal

Altos Papos | A Inveja é um Abismo Chamado ‘Regresso’ - por Davi Geffson


A inveja tem sido uma das piores constantes nos nossos dias atuais, infelizmente, pessoas que não têm conseguido o sucesso, perturbam-se ao ver outras serem bem sucedidas. Isso se torna ainda mais grave quando a maldade entra em cena a fim de consumir o que o outro conquistou com seus próprios méritos.

Assim sendo, lembro-me de José, filho de Israel, história narrada na Bíblia Sagrada, a primeira fúria dos seus irmãos se deu por causa de uma Túnica, a qual foi dada de presente a José pelo seu pai, após esse presente os irmãos passaram a alimentar uma grande raiva pelo próprio irmão, a ponto de rasgarem estas vestes e vender José como escravo para os Ismaelitas.



No entanto, algo nos chama a atenção nesta história, os irmãos de José tiveram a Túnica em suas mãos, porém, não usaram a túnica. Pois esta, era exatamente do tamanho de José, ela era de José, Ela foi feita para José, entenda, o que foi projetado para a sua vida, jamais irá ser direcionado para a vida de outra pessoa.

Mesmo que pessoas se levantem contra você, a fim de destruir os planos e propósitos traçados para você, não irão prevalecer. Os planos de Deus para a sua vida não serão realizados na vida de outro, pois o que é seu, é seu!

A inveja só encaminha o homem para um abismo chamado “regresso”, o invejoso não avança, não cresce, não evolui, só regride a cada dia que passa, e é preciso entender que a melhor maneira de ser uma pessoa realizada é sabendo usufruir e valorizar as suas próprias conquistas. Para cada um existem dons que são destinados, e estes, por sua vez, dar-lhe-ão as realizações em sua vida. 

Alegre-se com o sucesso do outro, pois assim, você também terá motivos para se alegrar com os seus. Pense nisso!

Davi Geffson é mercadólogo e estudante de Letras


Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio