Pular para o conteúdo principal

Sem Aspas | Ame a Deus com todo o teu coração, alma e força - por Amanda Rocha


Certa vez num culto, enquanto os irmãos cantavam um hino de louvor a Deus, questionei-me: Será que eu amo a Deus? O que é amar a Deus? Pouco depois fui lançada numa prova na qual minhas atitudes deveriam revisitar as escrituras constantemente e zelar para não negar a fé. Durante esse período fui conduzida pelo Santo Espírito a não retirar minha palavra, mesmo sendo prejudicada, e embora muitos colegas me recomendassem cessar uma vez que as consequências poderiam comprometer inclusive a manutenção financeira de minha família, minha estabilidade empregatícia e minha imagem profissional, negar ou sair à francesa para mim era compreendido como perda da fé, era recusar o meu Deus. Se eu reconhecia-o como único e suficiente salvador, o Senhor de minha vida, não deveria temer o que me faria o homem, pois Ele, o meu Deus, é poderoso para transformar qualquer maldição em bênção, em suas mãos possui a caneta que escreve a minha história, logo, não teria motivos para receio. Compreendi que não dependia de mim, percebi que deveria estar completamente entregue e à disposição do meu Senhor, e não importava as consequências que isso traria, sabia que o Senhor não me abandonaria, e nele confiei. Durante a prova entendi que amava a Deus.



“Amarás, pois, o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças”, diz-nos a Bíblia em Deuteronômio 6:5. O que significa amar de todo coração, alma e forças? O coração relaciona-se às emoções, é desejar a Deus, é sentir prazer, contentamento em Deus, é rejeitar o pecado. A alma é o intelecto, a consciência, os pensamentos, a personalidade; é dirigir nossos pensamentos para tudo que se relaciona a Deus; é escolher amar a Deus. A força é nosso corpo, nossas ações, nossas palavras; nossas atitudes devem refletir o nosso amor por Deus. O coração, o sentir; a alma, o entender; as forças, o agir.

João 14.21 “Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele”. Jesus nitidamente afirma que amar a Deus é, sobretudo, guardar os seus ensinamentos, é entender que os seus propósitos são melhores e suas ordenanças não são pesadas. Quando cumprimos os mandamentos testificamos que estávamos escravizados pelo pecado, mas Deus nos resgatou e concedeu-nos a liberdade (Dt. 6.20-21).  Nossa liberdade foi proporcionada por seu ato de amor, Ele nos amou primeiro (1 Jo. 4.10 e 19), entregou o seu filho à morte de cruz para a remissão de nossos pecados, para que através dele fôssemos  justificados. Assim também nós o amemos, entregando-lhe inteiramente nossas vidas. Não temamos confessar publicamente que Jesus é Filho de Deus, pois isso é uma maneira de provar o nosso amor, isso é amar a Deus com nossas forças e nosso entendimento, ademais, revela que Deus está em nós e nós estamos nele. Estejamos em Deus, O busquemos com todo o nosso coração e assim o encontraremos (Jr. 29.13). Contudo, estejamos dispostos a termos nossas vidas transformadas, não viveremos mais em nós, mas Cristo viverá. Faremos voluntariamente o seu querer, todavia, inevitavelmente nos tornaremos inimigos do mundo (Tg. 4.4), seremos perseguidos, atacados, porém, bem-aventurados e alcançaremos justiça, porque Deus é a nossa força, assim declarou o Rei Davi no Salmo 18. Ao continuar a leitura dos salmos, ao percorrer o capítulo 116 lemos Davi declarar que ama a Deus porque o ouviu, ama a Deus pelo que o ele fez. Gratidão, isso resume o versículo citado. Devemos ser gratos a Deus pelo que já nos fez; “Deus comprova seu amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido em nosso benefício quando ainda andávamos no pecado” (Rm 5.8), não há prova de amor maior que essa. Amemos o Senhor com todo o nosso coração, sejamos gratos, pois o amor de Deus transcende todo o entendimento. A salvação é o maior bem que podemos ter, mas o Senhor tão misericordioso que é, concede-nos tantas bênçãos mais. [...] Conta as bênçãos, conta quantas são [...]. Ainda no quinto livro do Pentateuco no capítulo seis e versículo dois o Senhor faz-nos uma linda promessa, a de que se guardarmos os seus mandamentos alcançaremos uma vida feliz e longa (segundo a versão da Bíblia King James Atualizada). Em Deuteronômio 7.9 o Senhor confirma que será fiel e manterá sua aliança por muitas gerações com aqueles que o amam.

Revisitar o Novo Testamento é verificar o apóstolo Paulo ensinar que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam. Aleluias! Que maravilhoso saber que há um Deus que cuida de nós, que nos protege, nos ensina, exorta, que preparou um lugar para vivermos eternamente em sua presença, adorando-o, bendizendo o seu santo nome, um lugar onde a dor, o ódio e o rancor não haverá, um lugar onde as lágrimas não mais escorrerão, lá será gozo e refrigério, paz e felicidade; onde moraremos para sempre e receberemos a Coroa da Vida, a qual o Senhor preparou para aqueles que o amam (Tg. 1.12).



A indicação de livro desta semana é Ele escolheu os cravos, de Max Lucado.

Que Deus vos abençoe.


 Amanda Rocha é professora

Comentários

  1. É muito edificante saber que temos servas(os) do Senhor que não se dobram diante de afrontas, ainda mais num mundo onde estamos sendo testados, provados e confrontados constantemente na convicção de nossa Fé. Consideremos pois, o que está escrito em HB.12:2 e 3, pela certeza que aguarda os fiéis a Cristo; custe o que custar! A bandeira da fé tem preço de glória. Ainda que para alguns, segurando em dores e sofrimentos, porém, olhando para o Autor e Consumador da nossa Fé... JESUS CRISTO de Nazaré, de onde recebemos toda a força e autoridade!
    A Ele a Honra, a Glória, o Louvor e toda Adoração! Amém!
    Vá nessa força Amanda, o Senhor é contigo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…