Pular para o conteúdo principal

Sem Aspas | Ame a Deus com todo o teu coração, alma e força - por Amanda Rocha


Certa vez num culto, enquanto os irmãos cantavam um hino de louvor a Deus, questionei-me: Será que eu amo a Deus? O que é amar a Deus? Pouco depois fui lançada numa prova na qual minhas atitudes deveriam revisitar as escrituras constantemente e zelar para não negar a fé. Durante esse período fui conduzida pelo Santo Espírito a não retirar minha palavra, mesmo sendo prejudicada, e embora muitos colegas me recomendassem cessar uma vez que as consequências poderiam comprometer inclusive a manutenção financeira de minha família, minha estabilidade empregatícia e minha imagem profissional, negar ou sair à francesa para mim era compreendido como perda da fé, era recusar o meu Deus. Se eu reconhecia-o como único e suficiente salvador, o Senhor de minha vida, não deveria temer o que me faria o homem, pois Ele, o meu Deus, é poderoso para transformar qualquer maldição em bênção, em suas mãos possui a caneta que escreve a minha história, logo, não teria motivos para receio. Compreendi que não dependia de mim, percebi que deveria estar completamente entregue e à disposição do meu Senhor, e não importava as consequências que isso traria, sabia que o Senhor não me abandonaria, e nele confiei. Durante a prova entendi que amava a Deus.



“Amarás, pois, o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças”, diz-nos a Bíblia em Deuteronômio 6:5. O que significa amar de todo coração, alma e forças? O coração relaciona-se às emoções, é desejar a Deus, é sentir prazer, contentamento em Deus, é rejeitar o pecado. A alma é o intelecto, a consciência, os pensamentos, a personalidade; é dirigir nossos pensamentos para tudo que se relaciona a Deus; é escolher amar a Deus. A força é nosso corpo, nossas ações, nossas palavras; nossas atitudes devem refletir o nosso amor por Deus. O coração, o sentir; a alma, o entender; as forças, o agir.

João 14.21 “Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele”. Jesus nitidamente afirma que amar a Deus é, sobretudo, guardar os seus ensinamentos, é entender que os seus propósitos são melhores e suas ordenanças não são pesadas. Quando cumprimos os mandamentos testificamos que estávamos escravizados pelo pecado, mas Deus nos resgatou e concedeu-nos a liberdade (Dt. 6.20-21).  Nossa liberdade foi proporcionada por seu ato de amor, Ele nos amou primeiro (1 Jo. 4.10 e 19), entregou o seu filho à morte de cruz para a remissão de nossos pecados, para que através dele fôssemos  justificados. Assim também nós o amemos, entregando-lhe inteiramente nossas vidas. Não temamos confessar publicamente que Jesus é Filho de Deus, pois isso é uma maneira de provar o nosso amor, isso é amar a Deus com nossas forças e nosso entendimento, ademais, revela que Deus está em nós e nós estamos nele. Estejamos em Deus, O busquemos com todo o nosso coração e assim o encontraremos (Jr. 29.13). Contudo, estejamos dispostos a termos nossas vidas transformadas, não viveremos mais em nós, mas Cristo viverá. Faremos voluntariamente o seu querer, todavia, inevitavelmente nos tornaremos inimigos do mundo (Tg. 4.4), seremos perseguidos, atacados, porém, bem-aventurados e alcançaremos justiça, porque Deus é a nossa força, assim declarou o Rei Davi no Salmo 18. Ao continuar a leitura dos salmos, ao percorrer o capítulo 116 lemos Davi declarar que ama a Deus porque o ouviu, ama a Deus pelo que o ele fez. Gratidão, isso resume o versículo citado. Devemos ser gratos a Deus pelo que já nos fez; “Deus comprova seu amor para conosco pelo fato de ter Cristo morrido em nosso benefício quando ainda andávamos no pecado” (Rm 5.8), não há prova de amor maior que essa. Amemos o Senhor com todo o nosso coração, sejamos gratos, pois o amor de Deus transcende todo o entendimento. A salvação é o maior bem que podemos ter, mas o Senhor tão misericordioso que é, concede-nos tantas bênçãos mais. [...] Conta as bênçãos, conta quantas são [...]. Ainda no quinto livro do Pentateuco no capítulo seis e versículo dois o Senhor faz-nos uma linda promessa, a de que se guardarmos os seus mandamentos alcançaremos uma vida feliz e longa (segundo a versão da Bíblia King James Atualizada). Em Deuteronômio 7.9 o Senhor confirma que será fiel e manterá sua aliança por muitas gerações com aqueles que o amam.

Revisitar o Novo Testamento é verificar o apóstolo Paulo ensinar que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam. Aleluias! Que maravilhoso saber que há um Deus que cuida de nós, que nos protege, nos ensina, exorta, que preparou um lugar para vivermos eternamente em sua presença, adorando-o, bendizendo o seu santo nome, um lugar onde a dor, o ódio e o rancor não haverá, um lugar onde as lágrimas não mais escorrerão, lá será gozo e refrigério, paz e felicidade; onde moraremos para sempre e receberemos a Coroa da Vida, a qual o Senhor preparou para aqueles que o amam (Tg. 1.12).



A indicação de livro desta semana é Ele escolheu os cravos, de Max Lucado.

Que Deus vos abençoe.


 Amanda Rocha é professora

Comentários

  1. É muito edificante saber que temos servas(os) do Senhor que não se dobram diante de afrontas, ainda mais num mundo onde estamos sendo testados, provados e confrontados constantemente na convicção de nossa Fé. Consideremos pois, o que está escrito em HB.12:2 e 3, pela certeza que aguarda os fiéis a Cristo; custe o que custar! A bandeira da fé tem preço de glória. Ainda que para alguns, segurando em dores e sofrimentos, porém, olhando para o Autor e Consumador da nossa Fé... JESUS CRISTO de Nazaré, de onde recebemos toda a força e autoridade!
    A Ele a Honra, a Glória, o Louvor e toda Adoração! Amém!
    Vá nessa força Amanda, o Senhor é contigo!

    ResponderExcluir

Postar um comentário


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio