Pular para o conteúdo principal

Protestos: a luta justa e os aproveitadores de sempre - por Menelau Júnior

Nada mais justo do que um estudante que estuda ir às ruas reivindicar melhorias na educação. Nada mais coerente que um professor comprometido com as melhorias no ensino público ir às ruas protestar contra “contingenciamento” de verbas para as universidades. Sim, esses não são “idiotas úteis”, como afirma o presidente Jair Bolsonaro.

Mas nada mais vergonhoso do que partidos de esquerda e alguns “movimentos” se aproveitarem da situação para erguer suas bandeiras entre os estudantes. Só para refrescar a memória, o Ministério da Educação perdeu R$ 10,5 bilhões (10% do orçamento) em 2015, ano em que a presidente Dilma Rousseff escolheu o slogan "Pátria Educadora" como lema de seu segundo mandato. Mais de 30% desse montante seriam destinados à construção de creches e quadras. Ou seja, a “Pátria Educadora” de Dilma era uma “Pátria Cortadora”. A justificativa foi exatamente a mesma de agora: queda na arrecadação e falta de dinheiro.

Ainda em 2015, sob o governo do PT, apoiado pela esquerda, as universidades federais ficaram 5 meses em greve – e o governo petista foi acusado na época pelos reitores de não negociar e ser intransigente.



Naquele ano, os cortes foram chamados de “represamento de orçamento no âmbito do ajuste fiscal”. A tesourada do PT atingiu programas como o Fies (Financiamento Estudantil) e o Pronatec. Aquele 2015 fechou com 313 mil contratos do Fies, 57% menos do que o registrado em 2014. A Universidade Federal do Rio de Janeiro, uma das mais importantes do país, teve em 2015 aulas suspensas por falta de limpeza e segurança. "As firmas contratadas para os serviços alegaram falta de pagamento. Sem salários, os empregados pararam. Alunos ocuparam a reitoria por melhorias no alojamento, pagamento das bolsas e solução para os terceirizados."

Para efeito de comparação com o anunciado pelo atual (des)governo, considerando todas as 63 universidades federais, o corte total é de R$ 1,7 bilhão, o que representa 24,84% dos gastos não obrigatórios (chamados de discricionários) e 3,43% do orçamento total das federais. O orçamento aprovado para todas as 63 universidades federais em 2019 é de R$ 49,621 bilhões. Desse total, o pagamento de salários (despesas de pessoal) vai consumir R$ 42,3 bilhões, o que representa 85,34% - nesse valor, não há nenhum tipo de corte. Já as despesas discricionárias somam R$ 6,9 bilhões (13,83%), e outros R$ 400 milhões (0,83%) são provenientes de emendas parlamentares. É desse valor que o governo vai tirar 1,7 bilhão.

Resumo: o PT deixou as universidades na UTI, e Bolsonaro quer diminuir a dose dos remédios. Levantar bandeirinha vermelha em protesto contra os cortes ou mesmo gritar pela liberdade do corrupto preso em Curitiba desmoraliza uma reivindicação mais que justa e é, para dizer o mínimo, incoerente. Educação com qualidade é direito de todos. Universidade pública nunca foi gratuita; ela é paga com o dinheiro de nossos impostos: os meus, os seus, os de todos os brasileiros. E se pagamos tantos impostos, temos o direito de reivindicar como eles deveriam ser usados.

Bolsonaro deveria começar a governar e respeitar quem não concorda com as medidas de seu governo. O PT e a esquerda deveriam parar de se aproveitar de uma situação que eles mesmos causaram.

Menelau Júnior é professor



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…