Pular para o conteúdo principal

Professora que inspirou filme usou diploma falso de Harvard


Professora Joana D’Arc Félix de Sousa apresentou diploma falso, segundo o Estadão Foto: Reprodução
A professora de ensino técnico que inspirou o Brasil e vai virar filme com sua história de superação, na verdade, apresentou um diploma falso da Universidade de Harvard. Joana D’Arc Félix de Sousa, de 55 anos, declarou ter se formado em pós-doutorado em Química Orgânica na instituição, mas foi desmentida pela própria universidade.
A informação foi descoberta pelo jornal O Estado de S. Paulo, que, após uma entrevista com Joana, em 2017, solicitou os documentos que comprovassem o título e o trabalho desenvolvido na instituição.
De posse do suposto diploma, o jornal enviou o documento para Harvard, que negou que a instituição tenha emitido o diploma. Inclusive, informaram que a universidade não emite diplomas para pós-doutorado. Os representantes também chamaram a atenção para um erro de grafia no documento.
Outra informação que não bate no documento são as assinaturas. Uma delas é a do professor emérito de Química em Harvard, Richard Hadley Holm. Em nota enviada ao jornal brasileiro, Holm desmentiu que seja sua assinatura.
– O certificado é falso. Essa não é a minha assinatura, eu não era o chefe de departamento naquela época. Eu nunca ouvi falar da professora Sousa – afirmou.
Ainda de acordo com o Estadão, Joana também afirmou diversas vezes que teria entrado na faculdade aos 14 anos. Atualmente, ela admite que a informação não é verdadeira.
Na plataforma Lattes, que reúne o currículo de todos os pesquisadores do Brasil, Joana informa o pós-doutorado em Harvard. Ela diz ainda que o curso só foi possível através de uma bolsa de estudos oferecida pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Ensino Superior (Capes), órgão do Ministério da Educação (MEC). O Capes, por sua vez, diz que não consta em seus registros o benefício para a professora.
Nesta semana, o jornal Estadão conversou novamente com Joana para que ela esclarecesse as informações. Ela argumentou que o documento se tratava de uma “encenação de teatro”.
– Mas eu não concluí (o pós-doutorado), eu não tenho certificado. As meninas mandaram junto quando o jornalista me pediu documentos. Eu pensei: tenho que contar isso para o jornalista, mas não falei mais com ele – declarou Joana.
Atualmente, ela dá aulas de Química na Escola Técnica Professor Carmelino Corrêa Júnior em Franca, onde trabalha desde 1999.
Joana D’Arc Félix de Sousa terá sua biografia contada em filme. A produção vai narrar a história de uma jovem negra e pobre, nascida no interior de São Paulo, que conseguiu chegar a uma das mais renomadas universidades do mundo. A princípio, Taís Araujo faria o papel, mas desistiu por ser considerada clara demais para a protagonista.
A Globo Filmes ainda não se pronunciou sobre o assunto.

Fonte: Pleno News

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio