Pular para o conteúdo principal

Missionária cria projeto para ajudar pessoas carentes após morte do filho: 'Foi o meio que encontrei de sobreviver sem ele'

Foi a dor de perder um filho que fez a missionária Andreia Santos criar um projeto que visa arrecadar donativos para pessoas carentes em Caruaru, no Agreste de Pernambuco. O Projeto Emanuel, que tem o mesmo nome da criança, surgiu em fevereiro de 2017, três meses após a morte do menino. "Foi o meio que encontrei de sobreviver sem ele, me sinto útil", disse.
"Eu quis tomar dessa dor e fazer desse dia um dia alegre", enfatizou Andreia. De acordo com ela, as atividades do projeto, que a missionária acredita ser uma missão deixada pelo filho, acontece a cada seis meses e consiste em ajudar instituições beneficentes, pessoas ou crianças doentes ou em situação de risco, com campanhas na TV e também no rádio.
A missionária Andreia Santos arrecada donativos para doar às pessoas carentes — Foto: Andreia Santos/Arquivo PessoalA missionária Andreia Santos arrecada donativos para doar às pessoas carentes — Foto: Andreia Santos/Arquivo Pessoal
A missionária Andreia Santos arrecada donativos para doar às pessoas carentes — Foto: Andreia Santos/Arquivo Pessoal
"[Com o projeto], eu me sinto cada vez mais perto de Emanuel. Cada vez que eu faço o projeto, eu creio em um reencontro e é como se eu desse um passo para ficar mais próxima de onde ele está", disse.
Após a morte do menino de dois anos, Andreia, que também é mãe de Gabriel, de 19, disse que não sente rancor pela perda do filho. "Hoje tenho uma multidão de filhos, frutos do projeto, muitas crianças dependem dessa ação, me sinto mais feliz ajudando", pontuou.
Donativos são transformados em cestas básicas para doação no Projeto Emanuel — Foto: Andreia Santos/Arquivo PessoalDonativos são transformados em cestas básicas para doação no Projeto Emanuel — Foto: Andreia Santos/Arquivo Pessoal
Donativos são transformados em cestas básicas para doação no Projeto Emanuel — Foto: Andreia Santos/Arquivo Pessoal

Morte de Emanuel

O dia 29 de novembro de 2016 foi devastador para Andreia Santos. Isso porque a data ficou marcada pela perda do filho, Emanuel Bezerra, que tinha dois anos. O menino foi vítima de um incidente, que aconteceu no hotelzinho onde ele costumava ficar durante a tarde.
Emanuel morreu após uma estante de brinquedos cair por cima dele. A criança chegou a ser socorrida, mas sofreu uma parada cardíaca e traumatismo cranioencefálico na unidade de saúde, e não resistiu.
Emanuel tinha dois anos quando morreu após um incidente no hotelzinho — Foto: Andreia Santos/Arquivo PessoalEmanuel tinha dois anos quando morreu após um incidente no hotelzinho — Foto: Andreia Santos/Arquivo Pessoal
Emanuel tinha dois anos quando morreu após um incidente no hotelzinho — Foto: Andreia Santos/Arquivo Pessoal
A mãe contou ao G1 a dor ao receber a notícia de que o filho estava no hospital. "Eu comecei a orar, mesmo sofrendo, porque ninguém quer passar por uma situação, mas sabia que Deus ia fazer o melhor para ele".
Ela disse que minutos após a oração, ela recebeu a notícia de falecimento do filho e foi até a sala ver o corpo: "Agradeci a Deus por me permitir ser mãe dele".
Segundo Andreia, Emanuel era uma criança muito feliz, espalhava amor por onde passava, seja em casa ou no hotelzinho, brincando com os colegas ou estando com a família. "Ele era diferenciado, mesmo com pouca idade e vivência na Terra, veio trazer um propósito para todos os que conviviam com ele", finalizou.

Fonte: G1 Caruaru

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio