Pular para o conteúdo principal

Frente Parlamentar em Defesa da Família é instalada na Alepe


Na quarta-feira 15, houve a instalação da Frente Parlamentar em Defesa da Família, da Vida e de Políticas sobre Drogas na Assembleia Legislativa de Pernambuco. O colegiado irá discutir pautas que valorizam a família, defendendo o direito ao nascimento e colocando-se contrário à ideologia de gênero e às drogas. A Frente deverá ainda atuar em defesa das Comunidades Terapêuticas. Atualmente, o estado de Pernambuco conta com 50 entidades atuando no acolhimento e tratamento de usuários de drogas.

Durante o lançamento da Frente Parlamentar, o deputado estadual Delegado Lessa (Progressistas) ressaltou que, de acordo com dados do Governo do Estado, 70% dos homicídios em Pernambuco têm relação com as drogas. “Quem é a favor da liberação das drogas deveria conversar com os profissionais de segurança pública. Nós sabemos o quanto elas são prejudiciais para a sociedade”, afirmou.


Reunião contou com presença de autoridades e especialistas.
Foto: Viliane Gomes

 Além dos parlamentares,  médicos, psicólogos, representantes do Poder Judiciário e do Governo do Estado, entre outras autoridades, participaram da cerimônia de instalação da Frente.

O secretário estadual de Política de Prevenção à Violência e às Drogas, Clóvis Benevides, elencou as ações do Governo do Estado para os dependentes químicos. A gestão estadual lançou o programa Pernambuco pela Prevenção, que contempla cursos profissionalizantes para a requalificação de jovens e inserção deles no mercado de trabalho. A iniciativa também prevê a instalação de 12 núcleos de Prevenção Social nos locais mais violentos do Estado, oferecendo atividades de cultura, esporte e lazer para afastar os adolescentes das drogas.


Um dos convidados da reunião foi o psicólogo clínico Eufrázio Araújo, que definiu a família como espaço fundamental para a formação da personalidade do ser humano. Ele disse que o núcleo familiar é o primeiro lugar de socialização do indivíduo e deve ser um espaço de acolhimento e amparo. Entretanto, o atual contexto das famílias brasileiras tem sido de crise e de distanciamento das relações pessoais.

A médica Sandra Fleischmann fez uma exposição de argumentos contrários ao aborto. Ela citou o aumento da incidência de câncer de mama entre as mulheres que abortam e o crescimento do número de casos de depressão e suicídio nos países em que a prática é permitida. A especialista também acredita que existem alternativas possíveis para quem deseja abortar. “Por exemplo, entregar o filho para a adoção”, sugeriu. “Toda mulher que passa pelo aborto sofre, não é fácil. Ela fica no anonimato, está sempre pelo viés do escondido.”

Feministas foram ao local defender infanticídio intrauterino.
Foto: Nando Chiappetta


Representantes do movimento feminista apresentaram cartazes e gritaram palavras de ordem contra o direito de nascer e a favor da descriminalização das drogas. Em seguida, elas se retiraram do auditório afirmando que outras integrantes foram impedidas de entrar no local da cerimônia. O deputado Pastor Cleiton Collins explicou que a capacidade máxima de lotação do evento já havia sido atingida.

Também participaram da reunião o juiz da vara de Execuções de Penas Alternativas, Flávio Fontes; a vereadora do Recife, Michelle Collins (PP); além dos deputados Joel da Harpa (PP), Dulcicleide Amorim (PT), Romero Sales Filho (PTB),Cleiton Collins (PP) e Clarissa Tércio (PSC).

Com informações do site da Alepe

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…