Pular para o conteúdo principal

A Doutrina que você Nunca Aplicou ao seu Trabalho

Pesquise no Google “robôs” e você vai descobrir dezenas de artigos que preveem o futuro da nossa economia. Um estudo projeta um potencial de 800 milhões de empregos globais perdidos para a automação. Podemos ver a tendência já nas linhas de autoatendimento nas lojas, a ascensão dos chatbots e os quiosques com monitores de tela táctil tomando conta das cadeias de fast food do país. Embora as mudanças deixem alguns esperançosos sobre as possibilidades da automação, outros estão preocupadas com a perspectiva de serem substituídos.
Caso você tenha ou não receio de que sua posição atual possa ser tomada por um robô, a verdade é que muitos de nós passam por períodos em que nosso trabalho parece desnecessário. Nossa carga de trabalho está cheia de projetos sem saída, nossas tarefas parecem monótonas ou há uma enorme concorrência em nosso campo. Isto nos deixa pensando: o meu trabalho é importante?



Deus Não Precisava de Você

Ao considerarmos estas questões, podemos encontrar esperança em um atributo de Deus raramente discutido. As palavras iniciais da Bíblia são: “No princípio, criou Deus” (Gn 1.1). Aqui nós temos a primeira olhada na asseidade de Deus (literalmente “de si mesmo”).
A asseidade de Deus significa que ele não foi criado por nada, não é dependente de qualquer coisa ou necessitado de qualquer coisa. Ele sempre existiu e está plenamente satisfeito em si mesmo.
É fácil cair no pensamento de que Deus estava preenchendo um vazio quando ele criou—talvez ele precisasse de um amigo? Mas Deus não foi melhorando à cada dia da criação até que finalmente acertou. Cada dia foi chamado de bom não porque o dia anterior não havia sido, mas porque Ele o criou e o fez bom.
Nós vemos este tema ecoado nos humildes gritos do rei Nabucodonosor, que admite que o homem não é nada e que Deus opera com o exército do céu e os moradores da terra (Dn 4.35). Além disso, Paulo faz referência à asseidade divina no Areópago, relatando o Deus que não é servido por mãos humanas, como se precisasse de alguma coisa, mas que dá vida a tudo (At 17.25).
A notícia de que Deus não necessita de nós não é outra declaração de nossa inutilidade; é uma dádiva preciosa. A doutrina da asseidade nos permite admirar o incrível amor de Deus ao nos criar. Pois ele nos fez não por necessidade, mas por liberdade.
Na asseidade de Deus também nos libertamos de cargas pesadas demais para suportar. Nem a bondade nem o poder de Deus repousam sobre nossos ombros débeis. A quantidade de valor que recebemos do nosso trabalho não muda Seu caráter, não o pega desprevenido ou o torna mais ou menos glorioso do que é agora mesmo.

Deus deu o Trabalho como uma Dádiva

Deus não só nos criou livremente, como também escolheu nos dar o trabalho. Ele diz a Adão e Eva “sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra e sujeitai-a” (Gn 1.28). Se lermos estas palavras sem uma compreensão adequada da asseidade de Deus, estamos nos preparando para o desapontamento quando nos sentirmos presos em tarefas subalternas. Nosso trabalho sem saída não nos faz sentir que temos domínio.
Podemos pensar que fomos feitos para sermos uma Ester, nascida neste mundo “para conjuntura como esta”, mas nos esquecemos da humilhante primeira metade deste versículo bem conhecido, quando Mordecai diz a Ester que Deus salvará seu povo com ou sem ela (Et 4.14). A verdade é que Deus não se apóia em nós para preencher um vazio que ele não pode preencher, já que ele não tem nenhum vazio e seus planos nunca serão frustrados (Jó 42.2).
Em vez disso, podemos olhar para o nosso trabalho através da lente da asseidade de Deus e ver o mandamento que Deus nos deu para encher a Terra e sujeitá-la não como uma necessidade onerosa, mas como uma dádiva a ser obedecida—não importa quão pequena a tarefa pareça. À medida que trabalhamos em fidelidade, reconhecemos que nosso trabalho é uma forma de adoração e que, em última análise, é Deus quem torna qualquer coisa boa.
Assim, podemos ficar sentados durante oito horas em reuniões, trabalhar como garçons ou limpando pisos que em breve ficarão sujos de novo, porque Deus usa nosso trabalho para se glorificar. Ele não necessita de nós para guardar Legos ou tirar fotos ou até mesmo escrever artigos, mas Deus nos deu estas tarefas como uma dádiva para participar de seu bom trabalho no mundo.

Deus nos deu Colegas de Trabalho

Junto com a fidelidade em nosso trabalho, Deus nos chama à fidelidade àqueles que realmente precisam de nós—nosso próximo em geral e o corpo de Cristo em particular. Deus chamou a cada dia da criação de bom, e ainda assim não era bom que o homem estivesse sozinho (Gn 2.18).
Esta necessidade por comunidade é repetida em todo o Novo Testamento, e ecoa na própria imagem do corpo de Cristo. As várias partes de um corpo são todas dependentes e conectadas, quer pareçam mais fracas ou não (1Co 12.15-16). Assim também nós, como igreja, necessitamos uns dos outros—para servir, ensinar e encorajar uns aos outros a permanecerem fiéis em quaisquer chamados que nos tenham sido confiados.
Você tem uma esperança mais forte e uma missão mais completa do que simplesmente encontrar o buraco com o seu formato no universo. Talvez esteja tudo bem que um robô possa fazer o seu trabalho ou que haja centenas de outros trabalhadores exatamente como você. Seu trabalho comum, afinal de contas, é uma oportunidade para adorar o Deus que o criou e lhe deu tudo que você precisa—não por obrigação ou por falta, mas porque ele queria, por amor.

Traduzido por Thaisa Marques


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…