Pular para o conteúdo principal

Sem Aspas - Páscoa, justiça e salvação - por Amanda Rocha

O cumprimento do ide do Senhor realizado pelos apóstolos e discípulos ao longo dos séculos expandiu o Evangelho, tornando conhecida a muitos a ação salvífica de Cristo no Calvário, a qual é capaz de justificar o homem concedendo-o a vida eterna. Contudo essa relação entre justiça e salvação sempre foi tema para discussão e pesquisa, muitos se questionam principalmente acerca do processo de salvação no que tange aos que não foram alcançados pela mensagem evangelística.  Outro dia alguns alunos questionaram-me se seriam condenados todos os que morreram sem ter ouvido a proclamação do evangelho. Não obstante, essa também já fora uma indagação minha, em meus inexpressivos conhecimentos teológicos, decidi reler alguns versículos em busca de trazer à memória uma provável resposta, se é que a encontraria.



Há quem comungue da tese de que seria uma imensurável injustiça Deus condenar alguém que não teve acesso à mensagem da Verdade, todavia, Isaias 64.6 afirma que “Todos os nossos atos de justiça se tornaram como trapos de imundícia” nossa medida de justiça é pequena, suja. As Escrituras relevam que só há um caminho que conduz à salvação, Jesus Cristo; em João 14.6 o próprio Jesus afirma “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai, senão por mim”. Foi seu ato em morte de cruz que permitiu a todo que nele crer alcançar a salvação, mas quanto àqueles que jamais ouviram falar desse tal de Jesus, que embora homem, é Deus e através dEle é possível alcançar o perdão para remissão dos pecados? É mediante a fé em Cristo que alcançamos o perdão, e essa fé é fabricada em nossos corações ao ouvirmos a Palavra de Deus, mas como julgar e condenar alguém cuja possibilidade de ouvir essa Palavra lhe foi tolhida? E para esses, regressamos, inclusive, a um ponto ainda mais intrigante: Deus existe? A Bíblia, contudo, revela-nos que os céus declaram a Glória de Deus, e que o firmamento proclama a obra de suas mãos (Salmos 19.1), assim, bastaria contemplar a natureza para que o homem reconheça que apenas um ser divino, superior a si seria capaz de produzir o que seus olhos podem contemplar, mais que isso, a cada nova descoberta científica evidencia-se a obra grandiosa da criação divina; ademais, a própria consciência do homem o conduzirá a praticar atos conforme a boa e agradável vontade de Deus, ou seja, um parâmetro sobre o certo e o errado, rapidamente em Romanos 2.14-15 Paulo nos diz que “De fato, quando os gentios, que não têm a Lei, praticam naturalmente o que ela ordena, tornam-se lei para si mesmos, embora não possuam a Lei; pois mostram que as exigências da Lei estão gravadas em seu coração. Disso dão testemunho também a sua consciência e os pensamentos deles, ora acusando-os, ora defendendo-os”.

Engana-se o homem ao pensar que a salvação é um direito que possui, pois não é, por contrário, é um favor imerecido que recebemos do Deus bondoso e rico em misericórdia, que nos livra de nossa merecida recompensa pelo afastamento de sua presença, a saber, a condenação eterna. Fazer justiça é condenar o homem pecador que se distanciou do saber e obediência de Deus. A condenação é o que merecíamos, mas através de Jesus alcançamos justificação e purificação para remissão dos nossos pecados.

O homem insiste no erro, quando utilizar de seu olhar de justiça limitado por sua própria humanidade, ao exigir de Deus salvação a todos os indivíduos, e em caso de descumprimento, imputa ao Senhor uma perversidade desmedida e ao homem o direito inato de viver em gozo e refrigério independente de seus atos. Ademais, quando cobramos de Deus uma suposta justiça que implica na salvação de todos os pecadores, praticamos o ato de Adão, transferimos ao outro a responsabilidade que nos foi dada: Ide por todo o mundo e pregai o evangelho; mas ao invés de declararmos a salvação mediante o reconhecimento de Cristo como único e suficiente salvador, nos escondemos e recusamo-nos.

Viver um evangelho medíocre, despreocupado, que não se compadece do sofrimento do outro, que se satisfaz com uma entrega sem doação completa é fácil. É fácil ir aos cultos em certos dias da semana, cantar alguns louvores e até recitar alguns versículos, isso é simples; no entanto, o verdadeiro evangelho é padecer com Cristo, é viver a páscoa todos os dias.

A Palavra de Deus não trata amplamente de algumas de nossas indagações aqui expostas, há antimônios que apenas nos serão esclarecidos quando adentrarmos na glória e junto ao Deus pai compreenderemos tudo o que por hora acalenta-nos a fé, a certeza que há um Deus todo poderoso, o Único que era, que é e há de vir, para o qual toda a criação inclina-se em louvor e adoração e sob sua autoridade e vontade o servem e servirão de eternidade em eternidade.



A indicação de leitura de hoje é Os Cânones de Dort. Que Deus vos abençoe.




Amanda Rocha é professora. Escreve em ConTexto às quintas-feiras.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid