Pular para o conteúdo principal

Pastores falam sobre o fim dos tempos e o Terceiro Templo

A assinatura do presidente Jair Bolsonaro no livro que apoia a construção do Terceiro Templo de Salomão despertou algumas questões escatológicas. Segundo alguns estudiosos, as obras para o Templo, que seria erguido em Jerusalém, evidenciariam sinais da volta de Cristo e do fim dos tempos.

Bolsonaro visita projeto do Terceiro Templo. Foto: Alan Santos/PR


Entretanto, o pastor Renato Vargens, da Igreja Cristã da Aliança em Niterói, no Rio de Janeiro, nega que tais fatos tenham alguma ligação. Segundo ele, a crença se firma na linha teológica definida como Dispensacionalismo e faz uso de alguns textos bíblicos para reforçá-la.

– Não existe nenhuma passagem bíblica que profetize a construção do Terceiro Templo de Salomão. Costuma-se usar textos de Daniel e Mateus para tentar justificar a construção desse Terceiro Templo. Quando Daniel 9:27 fala do cessar do sacrifício, foi algo feito por Antíoco Epifânio (rei que governou a Síria de 175 a.C. a 164 a.C e proibiu o culto judaico). Já o texto de Mateus 24, que fala da abominação da desolação, remete ao aparecimento do Anticristo que perseguirá a Igreja do Senhor Jesus Cristo nos mesmos moldes de Antíoco.

O pastor e mestre em Ciências da Religião, Magno Paganelli, explica que o Dispensacionalismo reforça a ideia de que há um plano específico de Deus para Israel e coloca a nação como a maneira de interpretar corretamente as Escrituras. Essa linha doutrinária sugere que Deus não teria um plano para todos os povos.

– Há uma interpretação de que Deus faz questão de um templo e os judeus estão preparando isso. Eles já treinaram os levitas e estão esperando nascer a novilha vermelha. Mas a gente observa que Deus não faz questão de um templo físico, isso é puro fetiche. Isso é uma interpretação equivocada de construir um Terceiro Templo para que Deus volte. A gente precisa ler o Antigo Testamento a partir da lente do Novo. Aí acontece um resgate de símbolos que já foram abolidos por Jesus e estão penetrando de novo na Igreja.

O biblista Luiz Sayão afirma que existe um futuro escatológico para Israel. Assim como ele, vários teólogos que não são dispensacionalistas pensam assim, entre eles Jonathan Edwards e Karl Barth.

– Vale conferir no livro A Importância de Israel, de Gerald McDermott. Nem Israel, nem a maioria dos judeus acredita que esse Terceiro Templo vá surgir desse jeito. Há um grupo preparando os utensílios, mas a maioria dos judeus não concorda com isso. Essas pessoas estão aguardando o nascimento da novilha vermelha descrito em Números 19, que vai permitir que ela seja sacrificada e suas cinzas sem usadas para purificar os utensílios. Não há um consenso e é um mito compartilhar isso.





Fonte: Pleno News

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid